Artigos de opinião

Apenas Canon, Nikon e Sony sobreviverão aos smartphones

É o que diz relatório publicado pela Reuters, que afirma que apenas as três marcas ficarão no mercado acima dos celulares com câmera.

por Sophie Knight e Reiji Murai,
via PetaPixel / Chicago Tribune
imagem de: Shutterstock

 

A indústria de câmeras está se transformando em um mercado de duas camadas, com DSLRs Canon, Nikon e Sony no topo, e os smartphones na parte inferior, com nada no meio — afirma um relatório de Sophie Knight e Reiji Murai divulgado pela agência Reuters.

Abaixo segue o relatório, traduzido:

A Panasonic Corp. e outros fabricantes de câmeras de médio porte do Japão têm em suas mãos uma batalha para conquistar uma geração adepta dos selfies com smartphone e levá-los às mirrorless, que mantêm tal promessa desde seu lançamento, há cerca de 5 anos.

A Panasonic, assim como a Fujifilm Holdings e a Olympus Corp, têm perdido dinheiro com suas câmeras desde que os telefones celulares que tiram fotos de alta qualidade comeram o mercado de câmeras compactas. Neste ano as vendas de compactas tendem a cair mais de 40 por cento, para menos de 59 milhões, de acordo com a IDC, pesquisadora industrial.

Enquanto isso, as vendas de câmeras mirrorless — visto como um formato promissor entre compactas low-end e as SLRs, high-end— estão falando estabanadamente como compradores colocando conectividade acima da qualidade de imagem.

A queda de 40 por cento nas vendas globais de câmeras da Panasonic no período de abril a setembro e deixou a divisão de imagem vulnerável como plano de médio prazo da empresa para março de 2016, e demandas de negócios não lucrativos transformam-se ou enfrentam o machado.

“Se você olhar de médio a longo prazo, os fabricantes de câmeras digitais estão caindo e o mercado está se tornando um oligopólio”, disse Yu Yoshida, analista de imagem do Credit Suisse.

A Panasonic segurou 3,1 por cento do mercado de câmeras no período julho-setembro, ante 3,8 por cento de um ano antes, segundo a IDC. Canon Inc, Nikon Corp e Sony Corp controlaram mais de 60 por cento entre eles.

“Somente aqueles que têm uma marca forte e são competitivos em preço vão durar — e só Canon, Nikon e Sony cumprem esse critério”, acrescentou Yoshida.

Canon e Nikon dominam o mercado de câmeras SLR, enquanto a Sony poderia sobreviver a qualquer abalo graças à sua força na fabricação de sensores para um número de fabricantes de câmeras, bem como a colaboração com a sua divisão de smartphones.

de: Shutterstock.com

 

A QUEDA DAS SEM-ESPELHO

Panasonic, Fujifilm e Olympus estão tentando afastar a ameaça dos smartphones cortando compactas, visando nichos de mercado, como mergulho em alto mar, e lançando os modelos mirrorless de maior margem.

O formato mirrorless prometeu aos fabricantes de mercado intermediário uma área de crescimento, apesar do domínio da Canon e da Nikon em tudo, mas fechou-os fora do campo das SLRs, onde a Sony é um distante terceiro lugar. Nem Panasonic nem Fujifilm fazem mais SLRs, e a Olympus parou de desenvolvê-las neste ano.

Câmeras mirrorless como a Panasonic Lumix GM eliminam os espelhos internos dos quais os visores ópticos dependem, para que os usuários componham imagens via visores eletrônicos ou displays de cristal líquido. Isso permite que a câmera seja menor que uma SLR, além de oferecer uma qualidade de imagem melhor que a de compactas ou smartphones devido a sensores maiores e lentes intercambiáveis.

“SLRs são pesadas e barulhentas, enquanto mirrorless são pequenas e silenciosas. Enquanto algumas pessoas dizem SLRs ainda têm melhor qualidade de imagem, as (câmeras) sem espelho melhoraram até o ponto onde eles são equivalentes, se não superior,” disse Hiroshi Tanaka, diretor de divisão óptica da Fujifilm.

Os críticos reclamam que as telas LCD nunca poderão competir com a clareza de um visor óptico, e que a velocidade de tomadas de fotos é muito lenta para assuntos de ação rápida, como esportes.

No entanto, o formato mirrorless tem sido um sucesso no Japão desde que a Panasonic lançou o primeiro modelo de produção nacional em 2008, o G1. Elas foram 36 por cento das encomendas de câmeras de lentes intercambiáveis no Japão em janeiro-outubro, de acordo com pesquisa da CIPA.

Mas o formato ainda está a pegar nos Estados Unidos e na Europa, onde as encomendas compunham apenas 10,5 por cento e 11,2 por cento de todas as encomendas de câmeras intercambiáveis, respectivamente, e onde os consumidores tendem a igualar a qualidade de imagem com o tamanho e peso.

As vendas, que globalmente são menos de um quarto das pessoas de SLRs, caiu em um quinto em três semanas, até o dia 14 de dezembro nos Estados Unidos, que contou com a semana agitada de compras ‘Black Friday’, enquanto as vendas SLR subiu 1 por cento, de acordo com a NPD, outra pesquisadora da indústria.

“Gostaria de focar na característica do mercado de lente destacável, excluindo mirrorless, e focar em conectividade”, disse Ben Arnold, diretor de análise de imagem da NPD. “Como você preenche essa lacuna entre a alta qualidade de captura de foto e recursos de câmera de alta qualidade e a nuvem onde as imagens de cada fotógrafo amador vive?”

 

COMPROMISSO SMARTPHONE

Panasonic, Olympus e Fujifilm ainda não têm uma resposta definitiva.

Os consumidores não querem conectar câmeras aos telefones, dizem os analistas, eles querem uma única interface que possa fazer o upload instantaneamente de fotografias para sites de redes sociais como Facebook e Twitter.

O compromisso da Sony é com suas duas lentes QX lançadas neste trimestre. Elas vêm com seus próprios sensores e processadores, e clipe para smartphones por meio do qual o usuário opera-os sem fio. Elas são de bolso e produzem fotografias de uma qualidade que rivaliza com a de uma câmera compacta.

“Havia um monte de desacordo interno sobre o produto. É o tipo de produto que você ama ou odeia”, disse Shigeki Ishizuka, presidente da empresa de imagem digital da Sony.

Mas a Sony parece ter se conectado com os consumidores, considerando que a demanda logo superou a produção. Alguns estão mesmo usando as lentes de forma que a Sony não tinha a intenção: colocando-as a uma certa distância enquanto pressionam o obturador em seu smartphone para tirar autorretratos ou selfies.

“Não tínhamos ideia do quanto o QX iria vender inicialmente quando o lançamos. Não definimos quaisquer alvos”, disse Ishizuka.

É uma pequena surpresa a Sony ter sido a fabricante de câmeras a quebrar o mofo do mercado, pois é a única a ter também uma divisão de smartphones rentável.

“Haviam muitos consumidores que estavam famintos por esta ação da Sony”, disse Chris Chute, diretor de pesquisa de imagem digital da IDC. “Eles esperavam que (a Sony) saísse com algo realmente inovador, quase como o Walkman (leitor de música portátil).”

(Reportagem de Christopher Cushing e Edmund Klamann)

[divider]

Sou suspeito para dizer isso, não nego, mas o relatório concluir que a Fujifilm, com seu sensor X-Trans em câmeras leves e convidativas como a X-M1 (da qual já publiquei um review), não sobreviverá aos smartphones é um tanto exagerado. E não só pelo sensor e os corpos leves, mas também, como bem me lembrou o fotógrafo Fernando Siqueira, devido ao fato de que a Fuji está justamente voltando-se ao mercado pro para escapar da extinção — os autores citaram o abandono da marca à sua linha de DSLRs, mas, como já dito, não citam o reposicionamento já quase total da Fuji. Quanto às outras marcas de mirrorless, penso que ainda têm suas vantagens, oferecendo portabilidade maior que as DSLR e qualidade de imagem melhor que a maioria dos celulares — mas até quando isso vai durar, com os celulares melhorando a tomada de fotografias (inclusive com suporte a ótimos aplicativos, para captura e para edição) e o fato de que megapixels muitas vezes nem são tão importantes assim.

Afora a Fujifilm, temos ainda a Leica, mas como o relatório parece não englobar produtos considerados de luxo e os autores do relatório aparentemente também ativeram-se a empresas japonesas — e a Leica é alemã (pronuncia-se láica) — penso que não vale colocá-la na discussão. Não deixa de ser digno de nota, no entanto, que as rangefinders não foram citadas no texto, e aí já não sei se é demonstração de apenas um texto incompleto, ignorância por parte dos autores ou simples preconceito com câmeras do tipo ou que se assemelhem a elas (o que explicaria, inclusive, a não citação das Fuji recentes). Enfim, não concordo com certas generalizações do texto, embora ache o tema bom para se discutir. Que acham?

[divider]
P.S.: eventuais correções para as traduções serão sempre bem-vindas.

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no Atelliê Fotografia.

14 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Morro de rir com algumas frases:
    "os visores eletrônicos jamais terão a pureza e qualidade dos visores óticos". Me lembra "o CD jamais terá a fidelidade sonora de um LP".
    As mirrorless serão o próximo passo em termos de câmeras profissionais. Porém, as DSLRs ainda vão durar muito tempo, especialmente aqui no Brasil. Quanto ao mercado, as câmeras compactas de baixo custo estão virando história, pois os smartphones as substituem com inúmeras vantagens. A Canon, a Nikon e a Sony devem dominar o mercado no mundo. Mas acredito que se os fabricantes de mirrorless conseguirem convencer os consumidores de mercados como Europa e EUA das vantagens de seus produtos em relação às DSLRs, a maré pode virar. Mas, na verdade, é impossível saber que rumo o mercado tomará.

  • Essas mirrorless estão muito longe de algum dia substituir as SLR, até mesmo em função de suas ditas "qualidades", como menor peso e tamanho. No contexto da fotografia de alto nível, o peso do equipamento pode até ajudar a equilibrar forças, algo importante quanto não se usa lentes com estabilizador, e o tamanho do "gear" não pode ser tão diminuto a ponto de encaixar confortavelmente apenas em delicadas mãos femininas. E pra finalizar, essas mirrorless não têm o mesmo nível de suportabilidade a pancadas de uma DSLR, cujo formato já tem curvas feitas pra deslizar pelo solo sem sair tão arrebentada, além dos materiais mais robustos com que são construídas. As SLR ainda são o John McClane dentro do ambiente "Nakatomi Plaza" da fotografia profissional…

  • Eu até uso muito o smartphone que tenho (Nokia Lumia) para fotografar algo interessante e imediato mas nada como a minha câmera Nikon DSLR para fazer fotografia de verdade, como faço desde meus 14 anos (hoje tenho 52), trabalhei nos melhores laboratórios, Curt e Kodak, conheço as melhores marcas do mundo e até estranho quem dá valor a uma Sony, que não chega nem perto de uma Nikon ou uma Canon. Se a Sony durar mais tempo no mercado, vai ser porque foi a pioneira nas câmeras digitais e só por isso!

    • Mas só história não sustenta marca… vide a Fujifilm que teve que se reformular, a Pentax idem, a Kodak. Aliás, a Kodak quase vira passado completo!

  • Como fotógrafo e professor, percebo que, em um número expressivo de pessoas, fotografar com o celular desperta a vontade de fazer fotos melhores, e isso, por enquanto, só é possível com uma câmera "de verdade", mesmo compactada. Acredito haver um limite de qualidade nos celulares, no que diz respeito ao tamanho do sensor e à ótica, e quem quiser uma câmera melhor, terá que comprar uma câmera. Sabemos que não é só a resolução que importa. Por outro lado, a Samsung e Nikon já lançaram câmeras Android, e fico a imaginar a variedade de pessoas que apreciariam uma câmera programável, em que se possa instalar aplicativos para diversos fins. Tenho uma Canon S95, compacta que fotografa em RAW e filma em HD, entre outras coisas – bem completa. Imagine se eu pudesse instalar aplicativos e filtros nela?

    • Mas será que vão extinguir-se os que gostam de ter uma câmera bem compacta incluída em seu celular, ainda mais com a qualidade aumentando a níveis bem interessantes? Veja, por exemplo, o Lumia 1020: é bem elogiado, e já tem gente utilizando até para trabalhos profissionais.

      Os celulares chegarão a um limite? Claro. Mas penso que este limite não impedirá a preferência de muitas pessoas por um smartphone em vez de uma compacta com aplicativos, por dois motivos: as compactas com aplicativos nem são tão compactas assim e elas, pelo menos que me recorde até agora, não fazem ligação — e imagine como deve ser estranho ligar com uma!

    • "percebo que, em um número expressivo de pessoas, fotografar com o celular desperta a vontade de fazer fotos melhores"
      Não compartilho dessa opinião. Penso que o uso de smartphones está ligado apenas ao registro de determinada situação e não há interesse na qualidade como os que fotografam com técnica compreendem, mas no ato de registrar, ou seja, não existe preocupação estética ou técnica, mas sim o imediatismo do registro baseado no que redes sociais impõem universalmente como satisfatório. De fato o que me aborrece é perceber nestes textos a tendência de relacionar celulares com DSLR como se fossem produtos concorrentes e junta-se a isso o fato dos fabricantes de compactas terem dosado excessivamente os recursos desses tipo de equipamento desestimulando mais ainda seu uso. Hoje em dia estamos muito a mercê do malicioso marketing comparativo, tendo como pano de fundo tendências de massa, caso típico, celular contra DSLR, ou seja, produto de consumo com produto de uso especifico, infestam e convencem consumidores de forma predatória e equivocada.

  • Vejo que o mercado de câmera fotográfica não tende a acabar, nem para as compactas, e muito menos para as semi e profissionais. Existem aqueles que querem captar uma cena qualquer, e existem os que querem fazer uma fotografia, e isso é bem diferente. Os que querem "fazer fotografia" vão manter o mercado na ativa.

    • Eu vejo de outro lado, a Historia sempre foi assim quem tem mais ganha, hoje é muito maior o numero de pessoas "que querem captar uma cena qualquer", do que Fazer a Fotografia, esta ai o Instagram, são mais de 10 milhões de usuários.

      • Verdade, a expressividade (em termos numéricos) dos fotógrafos, mesmo amadores, que querem "captar uma cena qualquer" é bem considerável…

  • É claro que os celulares já abocanharam uma enorme parte do mercado das compactas, isso é um fato.
    Agora dizer que apenas as DSLRs irão sobreviver já é outra história.

    Eu acredito que o maior fiel será o preço, e (sempre) a identidade que cada consumidor tem com os modelos. As pessoas são diferentes e vai existir aquela que vai gostar de usar um modelo ou outro. Eu jamais compraria uma QX mas o relatório de vendas mostra que elas vendem.

    Quando falo em preço quero dizer que hoje há DSLRs de entrada, de relativo baixo custo e com excelente qualidade de imagem, capazes de criar imagens espetaculares.
    Os Smartphones não chegam nesse nível, pelo menos por enquanto.
    As compactas estão fadadas a cair cada vez mais no mercado com o previsível crescimento da qualidade dos sensores dos celulares.
    As sem espelho ficam menos ameaçadas a meu ver. Quem compra uma mirrorless quer um bom nível de qualidade e não se preocupa em carregar um gadget extra, o que não é o caso dos que usam os celulares.
    Esses últimos criam imagens apenas para subir as fotos para as redes sociais e estão satisfeitos com as imagens feitas pelos telefones, e acredito que a maioria não vai ter interesse em comprar mais uma câmera.

    Em um quadro assim a disputa das cÂmeras vai ficar entre as DSLR e as cameras sem espelho, seja qual for nível de ambas. Encontramos uma e outra a partir de US$350(DSLR) e US$260(mirrorless), chegando a US$6000 e US$2300 respectivamente.
    É aí onde eu falo que o que vai decidir a compra (tirando o mercado de profissionais) vai ser o custo/benefício e a praticidade de usar uma câmera mais ou menos volumosa.

    Ainda na minha modesta opinião, eu acredito que haverá um dia em que todas as câmeras serão sem espelho, mesmo as profissionais do mais alto nível.
    O visor ótico vai dar lugar ao visor eletrônico.

    • Helvio, se te anima, ando traduzindo um artigo que bate bem com seu comentário aqui… é justamente sobre diferenças entre DSLRs e câmeras sem espelho.

      E, sim, o que você disse faz sentido! =)

Siga-nos nas Redes Sociais

Carrinho

Click Camera

O nosso Canal no YouTube

 

Subscreva o nosso Canal do YouTube clicando no botão em baixo para não perder nenhuma aula.

Anúncio

Links Úteis

Receba 15 livros de fotografia

Aprenda DE GRAÇA os principais segredos dos experts em fotografia com os nossos livros digitais.
Insira aqui o seu melhor email

Aprenda DE GRAÇA os principais segredos dos experts em fotografia

Insira aqui o seu melhor email