Home » Artigos » Dicas

Como fazer orçamentos 5/5 (8)

Artigo escrito por Karen Lynne Dejean, Outubro de 2017

Elaborar um orçamento cuidadoso é uma atitude sensata e premia o Fotógrafo competente que trabalha de forma assertiva pela perpetuação do seu negócio. Independentemente do tamanho ou segmento do mercado, você, como freelancer ou empresário, deve obrigatoriamente elaborar um orçamento detalhado dos seus serviços e/ou produtos.

Muitos fotógrafos não sabem fazer um orçamento, assim como muitos clientes não sabem o que pedir. Como esse problema é comum devemos tratá-lo com cautela, assim, há algumas dicas importantes que devem ser consideradas:

– O orçamento, na sua definição mais grosseira, é a ferramenta que equaciona as fontes de receita versus os custos, investimentos e despesas. É, portanto, indispensável saber gerenciar essa equação. Visitas a sites, frequentar cursos e palestras sobre como lidar com finanças são tão importantes quanto a parte técnica.

– Durante o trabalho, cliente e fotógrafo precisam dedicar um pouco do seu tempo à burocracia. Orçamentos por escrito, autorizações, contratos e outros papéis têm a função específica de confirmar e proteger direitos e deveres para ambos os lados. Esses direitos e deveres é que determinam o relacionamento profissional e ético de todos os que participam do trabalho, evitando desgastes e mal entendidos desnecessários. Nessa conversa, é bom dar informações detalhadas sobre o seu serviço ou produto.

– Existem várias maneiras de passar o orçamento para os clientes. Embora o orçamento não seja um contrato, ele é, em geral, um dos documentos mais vistos, assim sendo, dados importantes do contrato devem constar nele. Esse procedimento evita surpresas e contratempos na hora de discutir o contrato após a aprovação do orçamento.  Alguns exemplos:

  1. Orçamento fechado: orçamento aprovado sem custos adicionais. Isso obriga o fotógrafo a calcular a margem de risco para cobrir eventuais despesas, impossíveis de serem previstas durante a elaboração inicial.
  2. Orçamento aberto ou estimativa de custos: o fotógrafo apresenta o custo inicial do seu cachê (uma composição do valor dos seus honorários acrescido da remuneração pela concessão do uso da foto), mais uma estimativa das despesas de produção, cachês de modelos, revelações, etc. que não podem ser mensurados antes. Um orçamento aberto ou estimativa de custos é sempre precedido de um orçamento complementar onde as despesas extras estão envolvidas.

Após a aprovação do orçamento, vem o Contrato: pode ser de trabalho, de veiculação ou prestação de serviço e deve ser muito bem elaborado.  Não há receita pronta, mas o detalhamento do que foi escrito acima é considerado fundamental. Vale até consultar outros profissionais, como um advogado, um fotógrafo mais experiente e hoje em dia, até um bom escritório de contabilidade. Seguem alguns itens fundamentais que devem figurar em um contrato, são eles:

  • Nome da empresa contratante/cliente;
  • CNPJ/Inscrição;
  • Data de assinatura do contrato;
  • Nome da agência contratante;
  • Nome do contrato;
  • Data da produção;
  • Local;
  • Profissionais envolvidos;
  • Número de provas e cópias;
  • Despesas complementares;
  • Data de validade e tempo de veiculação das imagens;
  • Nome do veiculos, paginas;
  • Validade deste orçamento;
  • Valor.

Existem diversas maneiras de montar um orçamento de fotografia. A criatividade nessa hora é muito importante para envolver o seu futuro cliente e transmitir o profissionalismo que ele terá ao contratar o seu trabalho.

Atualmente, tem se usado muito o modelo de proposta em forma de apresentação com grande apelo visual. Aliás, tratando-se de fotografia, nada mais adequado do que “encher” os olhos do seu futuro cliente com belas imagens.

Nunca se deve esquecer da importância da marca e do logotipo para tornar seu trabalho conhecido e individualizado no meio fotográfico e para o público alvo. O logotipo é a assinatura de sua empresa. É ele quem vai traduzir visualmente a personalidade da sua marca e gerar identificação com o seu público.

O logotipo de sua empresa deve estar sempre visível, para que o cliente potencial o reconheça e o tenha sempre em mente. Deve estar em seu cartão de visitas, em seu blog, em sua fanpage, em suas fotos, embalagens e também em seu orçamento.

Independente do formato do orçamento, há alguns pontos essenciais que devem ser abordados na sua proposta para evitar ruídos de comunicação e talvez problemas futuros.

1) O que será fotografado

É necessário especificar o que será fotografado com detalhes. Tudo bem, não precisa dizer a cor do cadarço do sapato esquerdo, mas também não seja vago demais dizendo apenas que é um ensaio fotográfico. Explore um pouco mais os aspectos macro do evento fotográfico, como o objetivo central, número de participantes, o local.

  • Se for um evento, cite o tipo de evento, local, número de convidados.
  • Se forem produtos, descreva quais são os objetos e quantidade.
  • Se for um ensaio, especifique o local (ou pelo menos se é interno ou externo) e as pessoas que serão fotografadas.

2) Quantidade de fotos entregue

Seja claro quanto ao número de fotos que será entregue. Esse fator irá influenciar o volume de trabalho e demanda da equipe, mais diretamente na pós-produção, durante o tratamento das imagens.

Se o cliente não souber o número exato que gostaria, você, como profissional, deve indicar uma estimativa ideal para suprir a necessidade. Uma ideia seria colocar algo como “o material será entregue com um mínimo de 50 e máximo de 60 fotos”.

Depois, no item que descreve os valores, você pode indicar os valores para compra de fotos adicionais. Delimitar a quantidade é importante para qualquer trabalho envolvendo a fotografia, seja o número de fotos de um ensaio entregue em CD ou o número de fotos que farão parte do book de casamento.

Também é uma das maneiras de garantir um valor justo pelo seu trabalho, pois quando se deixa em aberto esse item, o fato é que o fotógrafo vai trabalhar mais do que imaginava.

3) Prazo para entrega do material

Assim como a data do evento já está previamente marcada (na maioria dos casos), você também deve colocar o prazo para entrega do material. O mais comum é escrever “tantos dias após o evento”.

Acostume-se, alguns clientes sempre vão dizer que o prazo é longo demais, isso faz parte. Entretanto, em 90% dos casos é bem tranquilo, basta justificar o processo, desde que você cumpra com o prometido.

Por isso, vale mais prolongar um pouco a data de entrega e garantir a efetividade desse item, do que espremer o prazo para agradar em um primeiro momento e não conseguir cumprir.

4) Formato dos arquivos ou impressos

Muitos fotógrafos deixam de lado esse item, colocando apenas o formato da entrega, mas ele é essencial para garantir um ótimo fechamento do processo. Lembre-se, o seu serviço pode ser espetacular durante todo o processo, entretanto, a avaliação final do cliente se dará com o material em mãos.

Isso pode tocar tudo por água abaixo se não for exatamente como o cliente estava imaginando, ou melhor, como ele interpretou na proposta. Por isso, é necessário detalhar o material que será entregue.

Se for um book, coloque as especificações técnicas como: dimensões, tipo de capa, tipo de folha, número de páginas, acabamento e o que mais julgar imprescindível. Se o material for em mídia digital, então, além de citar o meio de entrega (DVD, CD, pen-drive, download na web), é preciso detalhar o formato dos arquivos, como por exemplo: imagens em formato jpeg, com resolução em alta definição (20x30cm e 300dpi).

5) Valores e forma de pagamento

Obviamente, se é um orçamento, devem constar os valores de cada serviço. Para isso, seja objetivo, inserindo o valor de cada item sem muito rodeio. Se aplicar algum desconto, descreva o valor original e então adicione o desconto para que fique clara a situação e o cliente saiba o valor do seu trabalho.

A forma de pagamento é muito importante para explicar as possibilidades ao cliente. Uma dica: é interessante proporcionar a escolha, ou seja, colocar de duas a três opções (à vista, parcelado, com entrada e restante). Assim, o cliente fica com a sensação de poder de decisão.

6) Validade da proposta

Esse é um item que muitas vezes passa batido. Colocar um período de validade para a proposta é interessante para se resguardar dos devidos ajustes em valores e prazos mencionados nela.

Além disso, colocar uma validade induz o cliente a acelerar o processo de tomada de decisão, pois poderá haver um aumento nos valores e ele vai perder a oportunidade de pagar menos, caso opte pelo serviço.

REFERÊNCIAS:

PRIMEIRO LIVRO DIDÁTICO SOBRE FOTOGRAFIA DIGITAL – 4. Edição. “FOTOGRAFIA DIGITAL – APRENDENDO A FOTOGRAFAR COM QUALIDADE”

Autor: Prof. Dr. Enio Leite, Editora Viena, São Paulo, Brasil, 2015

A Quarta Edição foi publicada em Fevereiro de 2017, com 530 páginas

Conheça o livro em:  https://www.fotografia-dg.com/produto/fotografia-digital-aprendendo-fotografar-com-qualidade/

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Gosta de algum dos artigos abaixo?

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar