Ganhar Dinheiro na Fotografia – Parte 3/11

 

No artigo anterior falamos da dualidade entre ser patrão e funcionário ao mesmo tempo, agora falaremos do preço, que é o ponto fraco da maioria dos profissionais de imagem.

Formação de preço em fotografia

Por desconhecerem bases teóricas de como calculá-lo a maioria “chuta” um valor aparentemente adequado, ou cobra muito barato tentando ganhar mercado baseado apenas no preço, ou muito caro para recuperar as contas atrasadas por estar com pouco trabalho.

De forma geral “chutar” é o primeiro caminho para a falência e cobrar muito barato é o segundo caminho para ela. Cobrar muito caro não é ruim se você tiver quem pague, mas falaremos disso mais adiante. É lógico que um profissional iniciante e inexperiente cobrará mais barato que um mestre do mercado, mas para ambos existe uma lógica a ser aplicada para que ninguém saia com prejuízo.

É preciso entender que o preço varia conforme muitos aspectos, mas o maior fator é certamente a reputação do profissional e sua marca pessoal desenvolvida com o tempo, mas mesmo grandes nomes do mercado não podem desprezar o cálculo de custos, conta esta que dará a base mínima de preço. Vamos ver como funciona.

Primeiramente considere um valor de diária do trabalho. É o tanto que você julga adequado receber por um dia de seu esforço, considere também um valor de diária no computador, pois em tempos digitais você baixa os arquivos, converte RAW/TIF/JPEG, faz ajustes, grava DVD e só então entrega o resultado, isso deve ser cobrado pois isso tudo é trabalho e não diversão.

Pense agora quantos trabalhos você executa em um mês, ou quantos deseja fazer mesmo que não faça esse número ideal atualmente, é importante e veremos adiante o motivo. É normal em muitas áreas da fotografia (menos na área jornalística) uma média de quatro trabalhos por mês, menos que isso você deve divulgar melhor o seu portfolio, mais que isso provavelmente você perderá finais de semana ou madrugadas. Vamos considerar quatro por mês neste exemplo, algo como quatro eventos sociais em um mês ou quatro diárias de fotografia publicitária para folders/catálogos, ou quatro books de moda etc.

Sobre o valor por tempo de trabalho, a diária citada acima, inclua uma porcentagem de depreciação dos equipamentos fotográficos e de informática. Recomendo 1% de tudo, câmera, lentes, acessórios, hardware e software. Essa porcentagem é adicionada a todos os trabalhos, então se o total de equipamentos é de R$15.000,00, você adicionará R$150,00 de depreciação em todos os orçamentos. Coloque ainda a margem de lucro, digamos 30% do valor da diária.

Com a depreciação, numa conta grosseira, pois não considera a aplicação do dinheiro para render juros, em 100 trabalhos executados (ou 25 meses de tempo) você terá ganhado dinheiro suficiente para trocar todo o seu equipamento de fotografia e informática, se considerarmos a aplicação desse dinheiro e juros sobre isso, você trocará tudo em menos do que 100 trabalhos.

Vamos aos custos fixos como contas, aluguel, telefone, contador, impostos etc., some tudo e divida por quatro ou o seu número médio de trabalhos caso este seja menor ou maior que quatro. O resultado é adicionado a cada serviço para que o trabalho pague as contas.

Estamos acabando. Adicione os custos variáveis: cartolina, fita adesiva, estacionamento, alimentação, combustível, todos custos específicos de cada trabalho. Este ponto irá variar em cada orçamento.

Some tudo e temos o preço mínimo: diária + lucro + depreciação + custos fixos + custos variáveis.

Museu do Ipiranga na Zona Sul de São Paulo 619x419 Ganhar Dinheiro na Fotografia – Parte 3/11Museu do Ipiranga, na Zona Sul de São Paulo

Numa exemplo rápido, para uma diária de R$400,00 (algo plausível para um profissional iniciante) e um volume de equipamento em torno de sete mil reais (uma câmera, duas lentes, tripé, flash e notebook com softwares livres, como Linux e Gimp), teríamos R$400,00 + R$120,00 (30% de lucro) + R$70,00 (1% sobre sete mil) + R$150,00 (custo de vida bem modesto de R$600,00 por mês somando luz, água, telefone, contabilidade etc.) + R$50,00 (um almoço, pilhas e estacionamento, por exemplo) e teremos um total para o trabalho de R$790,00. E nem incluí o valor de uma diária para tratamento de imagens, estou considerando que este trabalho será entregue sem tratamento diretamente para o cliente.

O lucro aplicado à diária é sua margem para descontos. Fazendo assim você tem seu trabalho pago e seus custos absorvidos, não tem prejuízo e as contas fecham no fim do mês, nunca aplique um desconto maior que seu lucro pois você prejudicará as outras contas.

O que muda entre grandes profissionais e iniciantes é o valor da diária, o volume do equipamento e talvez a margem de lucro, o restante do cálculo é igual para todos. Fazendo assim sobra para ir ao cinema, restaurante e ter vida fora do trabalho. Quem “chuta” no orçamento tem sempre menos dinheiro do que gostaria por não calcular os custos.

Existe um outro fator na formação de preços que é a licença de uso de imagens. Não entrarei neste tópico pois muitos fotógrafos não adotam essa prática, isso só é comum no mercado de fotografia publicitária, está quase extinto do mercado editorial e simplesmente nunca existiu em mercados de fotojornalismo e eventos sociais, por isso não entrarei no tema.

Voltando ao exemplo acima, é fácil perceber que num trabalho bem modesto, feito por um iniciante, com pouco equipamento, softwares livres e sem cobrar pelo tratamento das imagens, o preço chegou a R$790,00. Com a média de quatro trabalhos por mês o profissional teria um salário de R$1.600,00 (a soma das diárias) líquido, pois as contas já foram absorvidas nos custos fixos. Com um salário desses é possível pensar em aplicar o dinheiro e em poucos anos você pode dar entrada em um apartamento, ou trocar de carro a cada 3 ou 4 anos, enfim, é um salário aceitável para quem está começando e que tenha um padrão de vida modesto, que ainda seja solteiro, morando com os pais ou algo assim.

Se você estiver cobrando menos do que o citado acima em cada trabalho, é urgente que pare, pense e faça algumas contas, pois provavelmente você vem tendo prejuízo e não sabe. E por incrível que possa parecer, já vi gente cobrando reportagem de casamento por R$250,00, book de modelo por R$150,00, diária de foto publicidade por R$100,00. Já vi de tudo, e a única certeza que tenho é que a falência espera as pessoas que não sabem cobrar pelo próprio trabalho, cedo ou tarde.

 

No próximo artigo falaremos sobre posicionamento de mercado, algo que leva a formação de preços ao patamar da estratégia, além do simples cálculo de custos.

Mas antes do próximo artigo chegar, temos uma NOVA promoção! O Fotografia DG , em parceria com o Estúdio Vernaglia e com as revistas Digital Photographer Brasil e Photoshop Creative irá sortear uma assinatura de cada revista, você pode concorrer para a que mais gosta ou para as duas!

Para concorrer à assinatura da Digital Photographer Brasil você deve seguir o perfil do @fotografiadg , do fotógrafo @VernagliaJr e da DPBR @dfotobr no twitter. Depois de nos seguir apenas tem que fazer um tweet com a seguinte frase:

Sigo @fotografiadg @VernagliaJr e @dfotobr e quero MUITO a assinatura da Digital Photographer Brasil

E para concorrer à assinatura da Photoshop Creative você deve seguir o perfil do @fotografiadg , do fotógrafo @VernagliaJr e da Photoshop Creative @photoshopcreat no twitter. Depois de nos seguir apenas tem que fazer um tweet com a seguinte frase:

Sigo @fotografiadg @VernagliaJr e @photoshopcreat e quero MUITO a assinatura da Photoshop Creative

Serão sorteadas duas assinaturas, podendo assim ter dois ganhadores ou um de muita sorte. O sorteio será realizado pelo sorteie.me e o vencedor vai ser divulgado no dia 21/06 no twitter e aqui no FotografiaDG junto com o terceiro artigo desta série. Pode participar até ao final do dia 20/06.

Participe, não perca esta chance!

E o(a) vencedor(a) da promoção do vale de R$800,00 em cursos do IIF foi: @fabiolaslprado
URL do Sorteio sorteie.me/1Owy4f

Nos vemos em breve, grande abraço,

Armando Vernaglia Junior
www.vernaglia.com.br

Siga-me no Twitter: twitter.com/VernagliaJr

... e agora ajude-nos e compartilhe com os seus amigos.


     

 

Sobre Armando Vernaglia Jr

Armando Vernaglia Jr tem mais de dez anos de experiência como fotógrafo publicitário e diretor de arte. Graduado em Publicidade e Propaganda e especializado em Comunicação Organizacional, é também professor de fotografia e palestrante. Seu trabalho pode ser conhecido em seu site - www.vernaglia.com.br . E você também pode seguí-lo no Twitter @VernagliaJr

23 comentários

  1. Caro Armando,
    antes de mais nada parabens pela série de artigos, que esta sendo muito esclarecedora.
    vc teria para disponibilisar aos leitores alguma planilha de orçamento?

    Um forte abraço,
    Rafael Rodrigues

    • Obrigado. Sobre a planilha, acho que é como contrato, cada um tem que criar o seu, se for o caso com a ajuda de um profissional, pois o que se aplica a uma pessoa dificilmente irá se aplicar a outra, comece com algo simples, some seus custos mensais para achar seu custo de vida, depois pense no orçamento em si, na divisão desse valor pelo número de trabalhos, na inclusão de coisas como depreciação de equipamentos etc, o início de tudo é entender e quantificar seu custo de vida.

  2. Post cada vez melhores ….
    Ter conhecimento financeiro e adminitrativo é importantíssimo e o artigo traz isso bem claro.
    Geralmente o que se ouve é que fotógrafo não gosta de compartilhar preços … aqui foi exatamente o contrário e isso é bom, principalmente por que a aplicação do preço está bem explicada.
    Já esperando o próximo post … Parabéns!

  3. Observações adicionais:

    Um adendo ao artigo =^)

    É importante notar que o cálculo que mostrei mostra uma média, é lógico que pode haver uma flutuação nos valores, então em um cliente de maior porte e em trabalhos de maior complexidade você cobra mais do que em um cliente pequeno ou num trabalho simples, mas a média mensal dos trabalhos deve cobrir o custo de vida. Após discutir esse tema com alunos ontem percebi que isso não havia ficado totalmente claro, e será ajustado no eBook que conterá estes artigos.

    Outro aspecto é o de fotógrafos que não tenham que fazer o trabalho de busca de clientes, por exemplo por trabalharem de forma fixa para uma revista ou jornal, nestes casos é natural um ganho inferior por trabalho e um número bem maior de trabalhos mensais. Quando falamos em quatro trabalhos por mês até dá a impressão de que o fotógrafo terá tempo livre, mas não acontece, pois o intervalo entre um trabalho e outro é ocupado com reuniões, busca por clientes, tratamento de fotos e entrega dos trabalhos, entre outras atividades.

    []'s
    Armando Vernaglia Jr

  4. Bom dia Vernaglia, parabéns pelo tópico!! Mas fiquei com uma dúvida, não sei se vai ser publicado em tópicos posteriores!!

    Você disse neste artigo:

    ……..uma média de quatro trabalhos por mês, menos que isso você deve divulgar melhor o seu portfolio…..

    Mas como divulgar melhor o portifolio? Como fazer melhores propagandas? Como fechar parcerias?
    Você fará alguma matéria sobre estes assustos?

    Obrigado e mais uma vez parabéns!!

  5. Olá Armando, realmente excelente seu post, cada dia melhor!!! Da gosto de ler um artigo quando alguém escreve bem! Ansioso pelos próximos :-)

    Grande abraço e PARABÉNS por compartilhar informações preciosas como essas.

    Daniel

  6. PS: se eu já tiver assinando uma das revistas, posso entrar no sorteio, sem bronca?

  7. Olá, Vernaglia! estou adorando seus artigos, muito bom mesmo. Porém, uma coisa não ficou mto clara pra mim: quando vc fala em diária vc considera o dia inteiro mesmo, como está escrito no artigo, ou apenas o período de 4 horas? Por exemplo, para um ensaio de gestante considero 4h um período razoável para cobrar a minha diária. Correto?

    Abraços,
    Flávia

  8. Excelente… seus posts estão virando bíblia p fotógrafo… no aguardo pelos próximos… e descobri em menos d dois anos pulei de uma D90 e um SB-600 pra R$30.000,00 de equipamento… não posso sai de casa por menos de R$2000,00 sem contar custos de encadernação, laboratório, segundo fotófrafo e tal…

  9. Vernaglia
    Já lhe parabenizei no outro artigo pela iniciativa em escrever esta série, mas vou reforçar o meu agradecimento por você estar dispendendo teu tempo em ajudar a melhorar o nosso mercado.

    A respeito das licenças e cessão de uso de imagem, eu vou começar a esboçar algo aqui para poder fazer um artigo a respeito, ou uma série tbm.

    Um abraço!

  10. complicado…
    quer dizer no meu caso…. Trabalho em uma gráfica no 3ºTurno, estou na batalha para ter condições de trabalhar realmente com o que eu gosto….
    além de me trazer para realidade esse post abriu minha cabeça para detalhes que até o momento eu ignorava.
    muito obrigado pelo post, vou continuar lendo e absorvendo as informações.

  11. Armando, trabalho a quase um ano e meio com fotografia e sempre entreguei o produto em DVD/CD e hoje vejo claramente que isso não é bom, faço 100 fotos editadas, bonitinhas por 250, 300 reais. Você que acha vale mais a pena entregar no álbum ou fotolivro? E qual preço eu poderia colocar? tenho 17 anos, moro com avó, não tenho despesas, apesar internet e o cachorro rsrs! Então meu dinheiro seria investido em equipamentos, divulgação e coisas úteis. Valeu e aguardo resposta

    • Olá Airton, num primeiro momento, teu preço me parece baixo mesmo para a entrega das fotos em CD/DVD sem o livro, mas se está funcionando em termos de contas e gastos dessa forma, pode manter, e aí tenha como opção o livro. O preço do livro deve levar em conta o custo do mesmo, o custo do tempo para diagramá-lo e outros custos que possam existir (frete, levar e buscar o livro etc), somados a algum lucro. Não dá para te dizer um preço, isso depende também do custo do livro, faça cotações dos preços com empresas como Indimagem (brasileira) e Blurb (americana) para poder criar seus preços de livros.

  12. Olá, primeiramente gostaria de dar os parabéns… Muito bom o material. EXCELENTE!!!!
    Gostaria de fazer uma pergunta: Os exemplos citados acima são só para o fotógrafo sair de casa? Além destes valores, tem o valor de impressão, revelação, álbum, … Estou certo? Obrigado. Abraços

  13. Parabens pela generosidade! Em tempos egocentristas me emociono com aqueles que passam seus conhecimentos adiante! Obrigada! Artigos muito bem vindos!

  14. Eu amo os seus trabalhos e fico feliz quando vejo alguém dividir os seus conhecimentos. Nos dias de hoje isso é fazer uma bela plantação de felicidade e quem planta colhe em dobro. Abraços

  15. muito bem colocado as dicas e sempre bom rever com cuidado o custos principalmente os fixos, variáveis e invisíveis de cada negocio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>