Fotometria + Flash – parte 4 de 9 – O Histograma

 

Já falamos sobre medição de luz pelo TTL (segundo artigo desta série) e pelo fotômetro de mão (terceiro artigo da série). A medição está sempre antes do ato fotográfico, o fotógrafo primeiro mede a luz, depois fotografa. Agora iremos falar de algo que acontece imediatamente após o “click” da câmera. Com o arquivo gravado em segurança no cartão de memória além dele ser visto no LCD da câmera, poderá ser visualizado também o histograma, que em minha opinião é o melhor sistema de avaliação de exposição que existe.

Muita gente vê a imagem gerada pela câmera no LCD e não observa o histograma, deixam a visualização das imagens no LCD de forma que ela fique maior, ocupando todo o visor, pois a visualização do histograma deixa a imagem pequena na diminuta tela presente nas câmeras digitais. Fazendo isso uma imensa legião de fotógrafos em todo o mundo ignora o melhor sistema de verificação de fotometria.

O LCD da câmera é pequeno e graças a isso é impossível fazer detalhadas verificações sobre a qualidade de uma fotografia recém feita, no máximo você descobre se a pessoa fotografada piscou ou não, pois se ela está clara ou escura, focada ou não, bem ou mau composta, isso tudo não poderá ser avaliado. Desta forma deixar o histograma na tela não irá prejudicar a avaliação sobre a qualidade das imagens, por outro lado dirá a verdade sobre a fotometria e se a fotografia foi corretamente exposta.

O histograma de luminosidade é a representação gráfica das tonalidades presentes em uma fotografia. À esquerda temos as baixas luzes (partes escuras), à direita as altas luzes  (partes claras) e no centro os meios tons.

Não existe uma forma correta do histograma, ele reflete o que existe na fotografia que foi gravada no cartão. Em uma cena clara o histograma irá pender para a direita, se for escura penderá para a esquerda. Estará errado se ele ficar ao contrário da lógica, cena escura pendendo para a direita ou cena clara pendendo para a esquerda.

Quando o gráfico atinge os extremos e a curva ultrapassa o final para um dos lados, ou para os dois lados, significa que temos uma perda de informação estourada e/ou fechada.

Nisso reside a utilidade do histograma, afinal o fotógrafo sabe se a fotografia deve ter registros claros, como o já cansado exemplo da noiva, e o histograma irá mostrar isso pendendo para a direita, com ele é possível ter certeza se a exposição dessa foto ficou correta, se neste exemplo o histograma estiver mais ao centro, sua foto está subexposta e você acabará por gastar tempo em um software de edição de imagens corrigindo o erro que poderia ter sido evitado, bastando olhar para o histograma.

O inverso é válido, se a foto deve ter registros escuros, como um jantar no qual todos estejam vestidos de preto e o local iluminado por luz de velas, o histograma obrigatoriamente deve pender para a esquerda, se assim não estiver é por que a foto foi sobre exposta e você acabará por ter que escurecê-la depois quando abrir as imagens no computador, mas para que perder tempo corrigindo o que poderiam ter sido feito já na câmera?

Veja alguns exemplos de imagens e seus respectivos histogramas. Utilizei telas de um software de edição de imagens, mas a base é a mesma, o histograma seja na câmera ou no computador é o mesmo.

imagem de médio contraste Fotometria + Flash   parte 4 de 9   O Histograma

Em uma imagem de médio contraste como essa, com bastante informação média, alguma informação escura e quase nenhuma informação clara, o histograma tende a um formato mais centralizado, como neste caso.

imagem de alto contraste Fotometria + Flash   parte 4 de 9   O Histograma

Em uma imagem de alto contraste como essa, com bastante informação clara, bastante escura e pouca informação de tons médios, o histograma tende a um formato de U, como neste caso.

imagem noturna Fotometria + Flash   parte 4 de 9   O Histograma

Em uma imagem noturna, com bastante informação escura e alguns pontos muito claros, com pouca informação de tons médios, o histograma tende a concentrar no lado esquerdo, havendo inclusive perda de informação, observe os extremos do gráfico e notará tanto a existência de um chapado preto como de um estourado nos brancos (direita do gráfico, na borda).

Nos vemos em breve. Até lá e para não perder nenhum artigo desta série siga o meu twitter e o twitter do Fotografia DG. Pode ainda assinar a newsletter do Fotografia DG e receber os artigos no seu email, basta para isso introduzir os seus dados (nome e email) no formulário disponibilizado abaixo.

[]’s
Armando Vernaglia Jr
www.vernaglia.com.br
armandovernaglia.wordpress.com
@VernagliaJr

... e agora ajude-nos e compartilhe com os seus amigos.


     

 

Sobre Armando Vernaglia Jr

Armando Vernaglia Jr tem mais de dez anos de experiência como fotógrafo publicitário e diretor de arte. Graduado em Publicidade e Propaganda e especializado em Comunicação Organizacional, é também professor de fotografia e palestrante. Seu trabalho pode ser conhecido em seu site - www.vernaglia.com.br . E você também pode seguí-lo no Twitter @VernagliaJr

8 comentários

  1. Muito bom! Já tinha uma noção de Histograma, mas depois desta explicação ele não vai mais sair do meu LCD… rs

  2. Ótimo artigo, com certeza Vernaglia esta sendo uma aula de fotografia para muitos de nós! Avaliar a cena e entender os contrastes e tons. É como fotometrar primeiro com os olhos e depois se utilizar dos recursos que são pouco explorados, como uma avaliação mais precisa da exposição junto com as informações do histograma.

    Obrigado!

  3. Muito boa essa informação, clareou mais meus conhecimentos sobre histograma, vou começar a usar mais. valeu

  4. Armando, falando de fotometria, ok…fazemos a medição utizamoos o EV quando necessário para corrigir o claro / escuro….etc… e acrescentando o FLASH não teremos excesso de luz ? como o flash envia a carga necessária para termos "ESTOURO" obrigado pelas dicas

  5. Darei mais atenção e espaço ao Histograma :razz:

  6. Olá pessoal, obrigado por todos os comentários, fico feliz que tenham gostado.

    André, peço que aguarde os artigos sobre flash que serão ainda publicados nas próximas semanas, sua dúvida está explicada neles, aí poderemos tratar da sua pergunta de forma mais aprofundada com base no texto dos artigos, pode ser assim? Obrigado.

    Grande abraço,

    Armando

  7. Parabens pelos posts,,muito bom mesmo ! Geraldo Costa

  8. side effects of estradiol

    cutting down your calories,and working out 2h a day,best would be cycling would give you great results.After you do this,your body will want more water and you will eat less,because you dont want to throw 2hrs of exercise down the drain.No weight loss,without breaking a sweat,so no diets,eat what u like,just not as much as you would like,and exercise…You need carbs,they are brain food,keep you going,.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>