fbpx

Ruptura e Inovação — parte 2

Nesta 2ª parte Roger Cicala nos indica por onde está a inovação que provoca rompimentos no mercado fotográfico atual

(pst! perdeu a parte 1? Tá aqui, ó)
 
via Petapixel
imagem: Shutterstock

 

Inovações fotográficas disruptivas dos dias de hoje

Fotógrafos usuários de SLRs que começaram a fotografar depois do ano 2000 não notaram muito na forma de inovações disruptivas. CaNikon trouxe continuamente as melhorias incrementais suficientes para manterem-se dominantes. Claro, tem havido uma série de tecnologias que foram saltos em vez de simples melhorias: câmeras mirrorless, sensores Foveon, formato Micro Four Thirds, objetiva fixa, câmeras de sensores grandes, entre outros. Nenhum deles realmente rompeu o mercado — ainda.

Ideia com inovação / imagem: Shutterstock

A inovação disruptiva e óbvia

Eu não acho que alguém vai argumentar que câmeras de telefones celulares e mídias sociais perturbaram o mercado de fotografia. Eles vieram de fora do mundo da fotografia em voga, e atraíram um novo conjunto de consumidores para um novo mercado. Vamos chamá-los de tomadores de imagem, já que a maioria de nós não os considera fotógrafos. Chame-os do que quiser, mas há um grande número de empresas no mundo de hospedagem de imagem e de impressão online que os consideram uma grande base de clientes.

O efeito sobre o mercado de fotografia existente foi principalmente negativo. Muitas empresas de point-and-shoot saíram do negócio de imagem. Outras, como Fuji, Olympus e Sony tiveram que migrar para o mercado de câmeras mais sérias. A ruptura também afetou Canon e Nikon. Eles já não podem conseguir clientes para comprar suas câmeras aponte-e-dispare hoje em dia, esperando que eles migrem para SLRs em poucos anos. Apenas um fabricante de SLR hoje está atraindo um grande número de clientes de nível de entrada (entry-level) que podem ir para as câmeras sérias. Essa seria a Samsung.

 

Outras inovações disruptivas

Se o seu primeiro pensamento quando você lê uma delas for “mas não é tão bom quanto a tecnologia existente”, lembre-se dos exemplos acima. Fotógrafos riram do autofoco, porque era muito lento e impreciso. Eles riram de digital, porque nunca poderia ser bem-resolvido como o filme. Eles ainda estão rindo de câmeras de telefones celulares como brinquedos inúteis — e, em seguida, pousam suas SLRs para tirar uma foto do telefone celular, de onde podem enviar imediatamente.

Tecnologia mirrorless

Eu sei. Mirrorless não está crescendo na maior parte do mundo.

A seleção de objetivas ainda é bastante limitada. Nem Canon nem Nikon estão tentando firmes seguir por esse caminho. A razão inicial para mirrorless, sistemas mais portáteis e menores, apela para apenas um subconjunto dos fotógrafos.

Eu acho que os efeitos perturbadores no mercado ainda estão no futuro. Eu acho que é perturbador, porque uma câmera mirrorless é muito mais simples do que uma câmera SLR. Mais simples, eventualmente, significa menos caro, mais confiável e mais rápido para mudar.

Compare a desmontagem de uma câmera mirrorless [eng] com a de uma SLR.

  • a SLR tem uma complexa montagem eletromecânica de caixa de espelho (mirrorbox).

  • a SLR tem um espelho secundário que deve ser perfeitamente alinhado com a montagem do AF de detecção de fase [como explicado no texto Mirrorless vs. DSLR].

O conjunto mirrorbox tem um monte de partes mecânicas móveis que uma câmera mirrorless não possui.

Peças mecânicas e em movimento por vezes falham. O fabricante tem de incluir o custo de reparos em garantia, ao determinar o preço pelo qual uma câmera deve ser vendida.

Como se pode pensar em seguida, logo obturadores eletrônicos tornam-se adequados, já que uma câmera sem espelho não têm partes móveis, exceto para os botões e dials. Obturadores eletrônicos não estão prontos para o trabalhar excelentemente com sensores CMOS, mas estão chegando perto.

Design mais simples torna as coisas mais fáceis de alterar e modificar. Quando eu desmontei a Sony A7r e vi que o grip é preso por apenas um único e grande parafuso, meu primeiro pensamento foi como seria simples colocar o parafuso na parte da frente do punho, e oferece três tamanhos de grip, e deixa que o proprietário mude para melhor atender a sua mão.

A maioria das câmeras mirrorless atuais têm uma distância de retrofocagem curta (a distância entre a montagem da lente e do sensor) [também chamada de distância flange], mas isso não é necessário (a câmera sem espelho Pentax K-01 teve a mesma distância de retrofocagem que suas câmeras SLRs, e usa as mesmas lentes). Nikon ou Canon poderia fazer uma câmera mirrorless full-frame com a mesma distância retrofocagem de suas SLRs, o que lhes permitiria usar toda a linha de objetivas existente.

Eu sei que a tecnologia mirrorless não foi perturbadora, mas eu acho que ele vai se tornar perturbadora com novas melhorias incrementais em duas outras tecnologias.

 

Melhoria da tecnologia de focagem automática

A tecnologia de autofoco foi gradativamente melhorando por vários anos. Muitas destas melhorias de AF, como detecção de fase no sensor, focagem automática híbrida de fase-contraste e melhores algoritmos de detecção de contraste estão constantemente eliminando uma das principais detrações sobre as câmeras mirrorless — que é o foco automático lento.

A detecção de fase também está sendo melhorada, porém, o que pode manter o autofoco das SLRs superior em alguns aspectos. Será sempre o AF por detecção de contraste tão bom quanto a o de detecção de fase para esportes ou aves em voo? Talvez não. Mas está definitivamente ficando melhor, e claramente é mais simples, mais preciso, mais confiável e menos dispendioso.

Pode ser que vejamos câmeras de ‘fotografia de ação’ fazendo 10 quadros por segundo e AF de detecção de fase separadas de câmeras para ‘uso geral’ com 5fps e AF por contraste ou híbrido, e pico de foco (focus peaking) para objetivas manuais. Alguns fotógrafos vão preferir um; outros, o outro. Assumindo que as câmeras possuem o mesmo mount, um monte de gente pode possuir ambos.

 

Visores eletrônicos

Visores eletrônicos não são realmente bons para os padrões dos visores ópticos ainda. Mas eles são dispositivos eletrônicos que estão melhorando visivelmente a cada geração. Presumo que ficarão menos caros ao longo do tempo, também. Dispositivos eletrônicos fazem isso. EVFs ainda têm algumas desvantagens sobre óptica, mas eles têm algumas vantagens, também, e as desvantagens estão diminuindo.

 

Objetivas de terceiros

A segunda inovação disruptiva, na minha opinião, começou por volta de 2005, quando a Zeiss começou a comercializar suas objetivas muito boas para montagem em DSLR. Pode não parecer como se isso fosse uma grande coisa. Afinal de contas, objetivas prime com foco manual não são o pilar do kit de muitos fotógrafos. Mas foi um grande negócio. As melhores objetivas em determinadas distâncias focais já não eram sempre a do próprio fabricante [da câmera]. Agora Sigma, Tamron, Voigtländer e Samyang, entre outros, fazem objetivas que são quase tão boas, e às vezes melhores, do que as lentes do fabricante, e as vendem a um preço mais baixo.

Você pode pensar que “isso não é perturbador”. Eu acho que é, porque afeta o modelo de negócios das SLRs existente. Os fabricantes não se importavam com a venda de SLRs por um valor relativamente equilibrado até porque eles fizeram dinheiro vendendo lentes. Agora, os fabricantes de câmeras estão sendo atingidos por ambos os lados. Eles não podem atrair clientes jovens a suas aponte-e-dispare por causa dos telefones celulares. Seus clientes existentes são menos propensos a pôr lentes do fabricante.

Você pode não estar comprando-os, mas um monte de pessoas está. Eu comprei recentemente um corpo Pentax K3. A única objetiva Pentax que eu comprei junto com ele foi a 300 milímetros f/4.Minhas outras 3 objetivas de montagem Pentax são de terceiros. Para a minha Canon 6D tenho 3 Canon e 2 objetivas de terceiros. Não só eu, uma pesquisa recente em um dos principais fóruns de câmera mostrou ainda que proprietários de Canons clicaram mais com a 35mm f/1.4 da Sigma do que com a Canon 35mm f/1.4.

 

Um par de outras alterações

Há mais duas coisas que eu acho que vão mudar o mercado de câmeras ao longo dos próximos dois anos. Eu não tenho certeza se é apropriado chamá-los de tecnologias disruptivas. Talvez sejam apenas técnicas disruptivas.

 

A modularidade

Esta é uma tendência que eu tenho observado com determinadas marcas. Se você deseja obter uma comparação com lentes modulares versus não-modulares, você pode olhar para essa comparação de desmontagens de objetivas 24-70 f/2.8 [eng]. Para examinar uma câmera realmente modular, aqui está um desmonte da Sony A7r [eng]. Basicamente, um sistema modular se decompõe rapidamente em alguns componentes principais, cada um dos quais pode ainda ser separado em peças individuais. Um dispositivo não-modular separa-se em muitas partes individuais.

Por que isso importa? Por um lado, torna os reparos incrivelmente mais simples. O centro de reparação, ao invés de estocar centenas de peças para cada objetiva e câmera, pode apenas estocar alguns módulos e algumas outras peças. O controle de estoque para 1.000 módulos de peças de obturador é muito mais simples (pronuncia-se mais barato) do que seria para manter 200 a 1.000 de cada uma das 22 partes que compõem o módulo do obturador.

Claro, o módulo do obturador no A7r custa mais do que o equipamento individual ou o capacitor que pode estar quebrado, mas substituindo o módulo leva 30 minutos em comparação com 2 horas para substituir o equipamento e recalibrar o disparador. A poupança de trabalho e estoque mais do que compensou o aumento do preço do módulo em comparação com a parte.

A modularidade pode permitir atualizações e melhorias mais fáceis e rápidas, e pode permitir alguma personalização para as câmeras. Já que eu usei a A7r como exemplo, vamos fingir que algumas pessoas não gostem do obturador. Isso provavelmente significa que eles vão esperar 18 meses ou dois anos para ver se a próxima versão da câmera tem um obturador melhor. Mas, com um design modular assim, a Sony poderia simplesmente chamar a Copal, que faz o módulo do obturador, e pedir-lhes para projetar um novo obturador que se encaixe no espaço existente e lançar uma A7rS (para um obturador mais suave e mais lento) em poucos meses.

Ou talvez algum empresário venha a descobrir uma maneira de colocar algumas montagens com absorção de choque nesse obturador (as montagens são de metal com metal, atualmente). Chegar a essa área em uma câmera tão modular seria muito mais simples do que em uma SLR padrão, de modo que tal modificação poderia ser rentável. Um novo visor, material exterior, empunhadura diferente, ou sensor diferente exigiria apenas um novo módulo, e não uma reformulação completa.

Nem todo mundo vai modular, pelo menos não ainda. Câmeras Sony em particular, e câmeras mirrorless em geral estão ficando mais modulares. SLRs não são. Objetivas novas da Canon e da Zeiss são modulares. Objetivas Tamron e Sigma [também] são, em menor grau. Se as objetivas de qualquer outra são mais modulares, não notei.

 

Assistência e reparação

O serviço de fábrica mudou muito ao longo dos últimos dois anos. Eu lido com vários milhares de reparos por ano, então eu noto essas mudanças. Algumas das mudanças que eu desprezo: forçar oficinas de reparação independentes a fechar, recusando-se a vender as peças, e arrumar desculpas para não honrar garantias. por exemplo. Tempos de resposta de trinta dias são terríveis, também.

Mas, para cada ação, há uma reação. Uma série de empresas decidiu que a oferta de um bom serviço é uma forma de atrair clientes. A Tamron, por exemplo, oferece uma objetiva recondicionada se eles não puderem consertar a sua em 3 dias. A Sony recentemente ofereceu itens totalmente novos como substitutos para quando uma peça está em ordem pendente.

Há uma recente tendência de reparação que eu acho que vai se tornar mais comum: taxas de reparos. Você envia a lente ou câmera para o conserto. A empresa cobra para o reparo, mas envia-lhe um item novo ou renovado no lugar de seu exemplar quebrado. O item quebrado é enviado para um centro de serviço central, onde ele está ou recondicionado ou discriminado por componentes. Rokinon e Zeiss nos EUA já fazem isso para (o melhor que eu sei) todos os reparos. Várias outras empresas começaram a fazê-lo para alguns reparos.

Reparo com permuta permite que as pequenas empresas ofereçam um serviço tão bom ou melhor que as grandes empresas. Canon e Nikon, cada um, têm vários centros de serviço de fábrica nos EUA e dezenas de outros centros em todo o mundo. Uma pequena empresa não pode competir com isso, mas eles podem colocar um centro de troca em cada país e construir um grande centro de serviços para recuperar peças e renovar itens. A troca é rápida e simples e a maioria das pessoas com quem eu falei a prefere.

 

Conclusão

A história sugere muito fortemente duas coisas. A primeira é que, quando a mudança vem, as pessoas que investiram no status quo (que seriam nós, fotógrafos, quando se discute o mercado de fotografia) têm um forte desejo de rejeitá-la. As coisas nunca foram melhores. Não há necessidade de mudança. E esta é uma mudança estúpida que ninguém jamais iria querer. Bem, ninguém que é sério sobre a fotografia iria querer isso.

Por exemplo, você pode pensar que a Sony A7r é uma câmera horrível: há poucas lentes disponíveis, a questão do obturador pode ser um problema, você pode odiar que ela seja tão pequena, ou talvez odiar o visor.Assim, você a rejeita. Assim como as pessoas repudiaram o AF por detecção de fases na primeira SLR Pentax, ou a imagem digital na RD 175. Se a A7r é bem sucedido ou não não tem mais significado do que se a Minolta RD175 foi bem sucedida ou não. As câmeras digitais assumiram de qualquer maneira.

A segunda coisa que a história sugere é que não há nenhuma maneira precisa de adivinhar quais empresas vão prosperar e quais irão falhar numa época de ruptura. Se estar entre os primeiros é uma vantagem enorme, todos nós estaríamos clicando com SLRs digitais Minolta. Se ser o maior ou mais rentável ​​fosse uma enorme vantagem, estaríamos todos clicando com Kodak ou Polaroid. Às vezes, [ser] maior é realmente uma desvantagem. Como se costuma dizer, é preciso um longo tempo para transformar um navio de guerra.

Quando as mudanças começam a rolar, no entanto, elas rolam rápido. Pergunte aos caras de vídeo quantos estavam filmando com câmeras RED ou Blackmagic em 2006 (a resposta é nenhuma, não havia câmeras RED ou Blackmagic em 2006 — agora, elas estão por toda parte.).

Existe uma razão pela qual eu usar câmeras de vídeo como um exemplo em um artigo de fotografia? Claro que existe. Essas duas câmeras de vídeo não precisam de mirrorboxes, não usam autofoco de detecção de fase, são bastante modulares, e podem ser compradas com diferentes montagens de lente. Coisas que se encaixam muito bem em minha especulação [vide abaixo].

 

Minha especulação

Câmeras mirrorless full-frame [já] estão por aqui, então essa parte não é especulação. A morte das câmeras point-and-shoot já está acontecendo, de modo que não é especulação, tampouco. Deixem-me especular as seguintes coisas que também devem ocorrer (grande pretensão, mas não ridícula).

 

  1. Ou o autofoco de detecção de fase no sensor ou o AF de detecção de contraste torna-se rápido o suficiente para a maioria dos fotógrafos (muito provável).

  2. Projetos modulares se generalizam (talvez sim, talvez não).

  3. Visores eletrônicos tornam-se bons o suficiente para a maioria dos fotógrafos (muito provável).

  4. Obturadores eletrônicos tornam-se uma realidade viável (provável, mas talvez com alguns anos de distância).

  5. A modularidade e as ‘trocas para reparo’ fazem um bom serviço possível, mesmo para uma empresa iniciante (que podem fazê-lo, se o quiserem).

  6. Fabricantes de lentes de terceiros continuam a fazer excelentes ópticas a preços mais baixos (parece certo).

Um sensor com autofoco de detecção de contraste e um obturador eletrônico são quase uma câmera-em-chip. O fabricante do sensor poderia vendê-lo a uma dúzia de empresas, que fariam cada uma seu próprio projeto de câmera em torno dele. Novas marcas de câmeras podem aparecer da noite pro dia.

A câmera pode ser oferecida em vários pacotes de opção. Diferentes caixas, um obturador mecânico adicional para aqueles que precisam dele, um visor eletrônico, se você quiser, ou sem visor, se você sempre clica com tethering no estúdio. Eu compro meus computadores online com um número de opções diferentes e pego-os três dias depois. Eu não me importaria em fazer a mesma coisa com a minha próxima câmera.

Se o sistema de AF é de detecção de contraste, por consequência, um fabricante não tem que se preocupar com centenas algoritmos de AF de detecção de fase de várias objetivas. Detecção de contraste ignora objetiva. A empresa de câmeras do Joe pode fazer a mesma câmera disponível com mount F da Nikon, Canon EOS, ou Sony FE.

Você já pode fazer isso com uma câmera RED. Sirvo como consultor de objetivas para alguns fotógrafos conhecidos que clicam para revistas com RED Epics e Dragons, pela simples razão de que eles podem clicar com objetivas Leica, Canon ou Nikon com uma simples mudança de montagem feita na área. Eles querem usar as lentes diferentes. Eles não querem lembrar os controles ou ter que coincidir com as diferenças de cor em 3 câmeras diferentes.

Fabricantes de lentes de terceiros parecem estar em uma posição muito boa agora. Tornou-se evidente que eles estão fazendo vidros de altíssima qualidade a um preço bem abaixo dos principais fabricantes de câmeras. Se parte dessa diferença de preço é porque os fabricantes de câmeras têm o preço de suas lentes para apoiar as suas vendas de câmeras, então os fabricantes têm um grande problema.

Dois fatores têm historicamente contido o entusiasmo sobre objetivas de terceiros: autofoco imprecisas e serviços de má qualidade ou controle de qualidade deficientes. O serviço de terceiros é agora pelo menos tão bom quanto o dos grandes fabricantes, se não o melhor. Um sistema de focagem automática baseado em detecção de contraste é tão preciso, com uma lente de terceiros quanto é com lente de fabricante.

Eu certamente não sei quem vai prosperar e quem vai falhar, do jeito como as coisas mudam. E eu com certeza não irei sair correndo para mudar de marca adoidado. Tudo o que fotografamos hoje em dia ainda vai estar funcionando bem em alguns anos. Claro, a Joe’s Cameras pode liberar algo que você apenas tem que ter, mas eu aposto que ela encaixa-se com algumas lentes existentes. Espero que a maioria dos fabricantes de lentes de terceiros sigam o exemplo da Sigma e estejam dispostas a mudar suas montagens de lente para você.

Essa é a coisa agradável sobre a tecnologia disruptiva. Ela sempre dá ao consumidor mais possibilidades de escolha. A maioria dos consumidores vai abraçá-la, ao final, como fizeram com o autofoco e as câmeras digitais. Alguns vão sentar e falar sobre como era nos bons velhos tempos, quando os homens foram feitos de ferro e navios de madeira.

 [divider]

Sobre o autor: Sobre o autor: Roger Cicala é o fundador da LensRentals. Este artigo foi originalmente publicado aqui.

 Agradecimentos a: Lamartiny Sales
por compartilhar o texto original,
e a Fernando Azevedo, Francisco Cribari e
Wagner Damasio, pela mão na tradução.

Ajude-nos! Avalie, compartilhe e deixe um comentário mais abaixo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Chat
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies