Home » Atualidade » Câmeras » Fuji X-E2

Fuji X-E2

A Fuji está disposta a manter o que deu certo na sua primeira geração de câmeras mirrorless: qualidade de imagem acima de tudo, nitidez acima da média, e ainda tem a promessa do autofoco mais rápido da categoria. Tudo isso é encontrado na Fuji X-E2 que conta com uma evolução do aclamado sensor X-Trans que não necessita do famigerado filtro passa-baixas e produz imagens comparáveis às de câmeras com sensor full frame sem nenhum exagero.

Fuji X-E2

O novo sensor APS-C da Fuji X-E2, o X-Trans CMOS II, conta com resolução de 16.3 megapixels e 49 pontos de foco e a promessa do processador EXR II é de autofoco em 0.08 segundo; o tempo de exposição varia entre 1/4000 e 30 segundos, incluindo modo bulb de até 60 minutos e sincronia com flash em 1/180; sensibilidade ISO 100-25600; modo contínuo de até 7fps; possui conexão wi-fi embutida; o flash possui número-guia 7 em ISO 200; faz vídeos Full HD com taxa de 60fps em formato MOV e som estéreo; seu monitor LCD mede 3 polegadas e possui viewfinder eletrônico em OLED; e sua bateria é capaz de aguentar cerca de 350 fotos por carga. Outros atrativos desta câmera (e que já são comuns a várias outras câmeras Fuji) são a simulação de filmes Astia, Provia e Velvia, range dinâmico de 400% e conversão de arquivo RAW na própria câmera.

A Fuji X-E2 estará disponível a partir do dia 20 de novembro nas versões preta com detalhes em prata e totalmente preta ao custo de 1000 dólares/1000 euros/800 libras o corpo, e 1400 dólares/1400 euros/1200 libras o kit com objetiva 18-55mm f/2.8-4 OIS.

Ajude-nos, avalie este artigo:

Rodrigo Jordy

Fotógrafo amador que estuda muito sobre fotografia, principalmente equipamentos, e gosta de compartilhar o conhecimento que adquire.

2 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Só digo uma coisa: a briga entre a Fuji e a Sony tá braba! Admiro a ousadia da Sony, mas ainda boto mais fé na Fuji.

    • Concordo, não vejo concorrentes para o sensor X-Trans a curto prazo. Enquanto isso, as mirrorless das "poderosas"…melhor nem comentar.