Home » Atualidade

Fujifilm lança sua X100T 5/5 (1)

Atualização da mítica X100S, a Fuji X100T é a primeira rangefinder no mundo a ter visor eletrônico

A Photokina é só na próxima semana (em Colônia, na Alemanha), mas a Fujifilm já está adiantando o que deve ser mostrado na feira mundial de fotografia e já apresentou duas câmeras: a X-T1 Graphite Silver Edition e a X100T. Ambas são top de linha da Fuji, mas enquanto uma preza pela robustez; a outra é sinônimo de estilo e um jeito antigo (mas não ultrapassado) de fotografar: a fotografia com câmeras telemétricas.

Fuji X100T

 

Exceto pelo T num dos cantos de seu corpo (no lugar de um S), a X100T apresenta o mesmo estilo, a mesma cara da sua predecessora, a bastante elogiada X100s — apenas leves mudanças, seguindo as realizadas na X30 (o que indica que a Fuji fará o mesmo com as sucessoras da X-Pro1 e da X-E2). As medidas também permanecem praticamente idênticas (como pode-se ver no CameraSize) e a objetiva ainda é uma 23mm f/2, além do sensor também não ter se alterado, nem o tamanho das imagens entregues. Quais as novidades, então?

A mais evidente mudança, que nota-se ainda antes de ligar a câmera, é o dial de compensação de exposição, que deixou de ser de -2 a +2 para ter agora uma faixa de -3 a +3. Após ligar a câmera, vê-se um novo monitor em ação: enquanto o da X100S era de 460 mil pontos, o da X100T é de 1.04 milhão de pontos, com pequeno aumento na tela (de 2.8″ a 3″), o que garantirá maior nitidez ao visualizar as imagens no LCD.

Quanto à captura em si, temos a nova simulação de filtro denominada Classic Chrome, que também estará presente na nova X-T1 citada mais acima. Esta simulação pretende entregar ao fotógrafo imagens como ele recorda-se das cenas que fotografou, tirando proveito da experiência da Fujifilm, remetendo os usuários da Fuji X100T aos filmes da Fuji que registravam peles aquecidas, brilhante céu azul e ricos tons de verde. Como disse o David Hobby: a Fuji trouxe a magia do Kodachrome ao universo digital — e isto é possível porque a Fuji tem um profundo entendimento tanto de química quanto de paleta de cores específicas que resulta de um processo de fabricação muito específico (depoimento completo aqui – em inglês).

Como já é de praxe, a Fuji também reduziu o lag do visor eletrônico — coisa que ela já havia feito ao lançar a X-T1 original (preta) e numa atualização de firmware da X-E2, que foi lançada um tempo antes da X-T1 mas ganhou via update um EVF como o de sua irmã mais “possante”. A cobertura de visão também foi levemente ampliada para 92% (contra 90% da anterior), assim como ganhou um pouco mais de pontos na resolução: 2,360 milhões contra 2,350 da X100S.

E falando ainda no visor, é nele que está um “plus” desta nova criação da Fujifilm: ela é a primeia câmera telemétrica com visor eletrônico que corrige erros de paralaxe, de forma a dar mai certeza ao fotógrafo que o que ele está vendo é o que está fotografando (não entendeu? veja o link lá no começo sobre câmeras do tipo). Com o novo visor híbrido avançado também é possível focalizar manualmente utilizando o viewfinder óptico (OVF), já que a câmera agora auxilia na tarefa.

Quanto à usabilidade, ela assemelha-se um pouco agora à da X-T1, com suas cada vez maiores possibiidades de customização de funções. Embora a X100T não tenha, evidentemente, a exuberância de controles analógicos da outra flagship da marca, é possível personalizar funções de pelo menos 7 botões nela — característica bastante interessante na X-T1 e na qual a Fuji vem apostando (vide características do próximo firmware da X-T1 aqui). Tornar as câmeras mais maleáveis ao gosto do fotógrafo, deixando o ato de fotografar cada vez mais confortável parece-me uma boa decisão. Outro seguimento de recursos implantados em modelos de outras linhas é na conectividade: a Fuji X100T tem conexão WiFi nativa, como já ocorria com a X-M1, a X-T1 e a X-E2 — na X100S havia suporte a conexão sem fio, mas através de cartões EyeFi.

Mais um ponto bem interessante que não pode ser ignorado aqui neste texto: o obturador eletrônico, a ser estreado com esta X100T e a X-T1 Graphite Silver. Esse obturador tem dois propósitos: permitir cliques bastante silenciosos (servindo como alternativa ao uso do obturador mecânico) e permitir fotografar com grandes aberturas de diafragma em dias ensolarados (o que normalmente obriga os fotógrafos a estourarem áreas de suas fotografias ou utilizarem filtros de densidade neutra). Os testes dos primeiros usuários dirão mais sobre este recurso que, a meu ver, parece bastante interessante.

Em suma, a Fujifilm X100T promete ser mais sagaz sem perder o charme.

 

Fujifilm X100T Black

Fujifilm X100T – principais características:

  • Sensor  de 16.3MP tamanho APS-C tipo X-Trans CMOS II
  • Processador EXR II
  • Avançado visor híbrido (OVF / EVF) equipado com telêmetro eletrônico
    – AF híbrido inteligente em 0.08 segundo
    – Rápida inicialização em 0.5 segundo
    – Retardo em disparo de apenas 0.01 segundo
    – Intervalo entre cliques de 0.5 segundo
  • Objetiva Fujinon 23mm (equivalente a 35mm em formato 35mm) f/2 com 8 elementos ópticos divididos em 6 grupos com revestimento proprietário Fujinon HT-EBC
  • Filtro de densidade neutra (DN) equivalente a 3 stops de abertura
  • Disparos contínuos em alta velocidade de 6fps (25 quadros continuamente em JPEG na resolução total)
  • Obturador completamente eletrônico até 1/32.000 s
  • LCD de alta definição de 3″ e 1.04 milhão de pontos
  • NOVO filtro Classic Chrome e outros modos de simulação de filme
  • Modo Macro para 10cm
  • Função de destaque de foco (focus peaking) e exibição de imagem digital dividida (digital split image)
  • Vídeo Full HD 1080p a 60fps; bit rate de 36Mbps para capturas límpidas de movimentos suaves; taxa de quadros de 50fps, 30fps, 25fps e 24fps, suportando formatos de filme de todo o mundo
  • Foco manual disponível durante captura de vídeo
  • Aplicativo gratuito Fujifilm Camera Remote e função de comunicação sem fio permitem aos usuários clicar a partir de smartphones e tablets via WiFi
  • Fotos podem ser enviadas para o Instax Share Printer utilizando o aplicativo gratuito Instax Share App (iOS e Android)
  • Saída para microfone estéreo
  • Temporizador para cliques intervalados 1s a 24h e até 999 quadros

A Fujifilm X100T estará disponíveis nas versões prata e totalmente preta pelo meio de novembro deste ano por US$ 1300 (na B&H) ou £1000 (na WEX)

via: Expert Reviews, Dpreview, Photography Life
fotos: Expert Reviews, Photography Life

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar

Páginas Úteis

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar