Home » Atualidade » Ministra da Cultura no Brasil vai estudar criação de editais para fotografia

Ministra da Cultura no Brasil vai estudar criação de editais para fotografia

via Agência Brasil

Em encontro no último dia 31 com a Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil (RPCFB), a ministra da Cultura, Marta Suplicy, encarregou a rede de produzir editais para fotografia e enviá-los para o Ministério da Cultura (MinC) para que possam ser analisados. Representantes da rede reclamaram da inexistência de editais específicos do governo federal para a área. Segundo o presidente da RPCFB, Iatã Cannabrava, a fotografia ainda não concorre em editais, por exemplo, da Petrobras e da Vale do Rio Doce.

A ministra disse que vai dialogar com a Funarte no intuito de promover projetos de fotografia junto ao órgão. Marta também informou que a nova lei que institui o Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (Procultura) está mais abrangente e dinâmica do que a atual lei de incentivo à cultura (Lei Rouanet).

O Procultura ainda tramita na Câmara, mas a ministra espera a aprovação pelos deputados até o final deste ano. Em esforço para agilizar o processo, Marta pediu para os senadores entregarem a relatoria ao senador José Sarney (PMDB-AP), criador da primeira lei em 1991.

Os representantes da rede em cada estado pediram também que seja incluída a realização de festivais de fotografia nos editais do governo federal. A ministra, entretanto, prefere que os eventos sejam estaduais, devido a uma possível demora de realização pelo governo federal.

Milton Guran, coordenador geral do Encontro Internacional de Fotografia do Rio de Janeiro (Foto Rio), relatou o sucesso que obteve com o evento carioca no ano passado, com público de 250 a 300 mil pessoas. Já o fotógrafo Kazuo Okubo, representante da RPCFB em Brasília, elogiou o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia da Fundação Nacional de Artes (Funarte). “É o único no país”, disse.

A ministra aprovou as iniciativas. “É importante para o Brasil não ficar atrasado no mundo. A fotografia está aqui desde que Dom Pedro II tirou a primeira foto do Brasil”, disse. Marta aconselhou os fotógrafos a criarem uma entidade de classe de direitos autorais como o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), da música. “Vocês teriam mais força do que uma pessoa jurídica e mais verbas”, disse.

Marta também abriu espaço para a fotografia nas arenas culturais da Copa do Mundo 2014. Segundo a ministra, as bases das arenas vão ser nas cidades-sede, mas elas também irão para outras regiões do Brasil. “Lá vocês podem vender cartões postais, por exemplo”, disse.

Guran considerou o encontro com a ministra positivo. “A ministra mostrou interesse e está sintonizada com propostas futuras, além de ter uma visão importante de modernizar a fotografia com o ministério”, disse.

 

OK, esta é a notícia. Só fica uma perguntinha na minha cabeça: vender cartões postais, Marta? Ainda bem que quem vai fazer os editais somos nós fotógrafos, não a senhora, hein. Tá parecendo aquela tal de Manuela D’Ávila que achava que fotografia digital para os profissionais ainda é coisa pouco difundida. Vôte…

Ajude-nos, avalie este artigo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

3 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Alexandre, "vender cartões postais" teve em mim, quando da primeira leitura do testo, impressão similar a que descreves… De fato, assim como no que se relaciona às outras manifestações artísticas, nossa querida ministra não entende nada do dia a dia de um fotógrafo e de como é viver de fotografia no Brasil.

    • Ao menos ela parece querer botar coisas bacanas pra frente, e nada como o apoio e a parceria de um ministério para fazer grandes ideias tornarem-se grandes realizações. Só espero que ela não use isso como pretexto pra inchar ainda mais o número de secretarias e etc etc, para transformar parte da fotografia brasileira em chapa-branca e/ou cabide de emprego.