Home » Cursos » Quebrando a regra dos terços

Quebrando a regra dos terços 5/5 (2)

- Última Atualização a: 13/06/2014

Bom dia, pessoal!!!

Essa segunda coluna é mais do que especial. Hoje comemoro 27 anos de idade e 8 anos como fotógrafo.

Feliz pela profissão e não tão feliz por ficar mais velho.. heheheh!!!

Nesses anos como fotógrafo algumas pessoas foram especiais, acreditando no meu sonho, mesmo sendo difícil, são elas: Betina Rigon Pereira, Patrícia Hipólito, Alessandra Mazurechen, Valeska Medeiros, Ana Fernanda Nascimento, Luiza Nacul,  Marcelo Niess, Bryan dos Santos Kormann, Josemar Martins entre outros…

E na semana do meu aniversário, lancei minha nova logomarca aqui em São Paulo que vocês podem ver abaixo:

Lucas Amorelli Photojournalism

Ela vai estar presente em todos meus trabalhos a partir do próximo fim de semana em Paraty – RJ.

E “matando” a curiosidade do meu amigo Diogo Guerreiro, vou explicar a diferença entre o fotógrafo amador e o profissional..

É simples…

O amador é aquele que fotografa simplesmente por fotografar, gosta, as vezes fotografa muito bem e até ganha dinheiro… Mas se tiver alguma dificuldade para captar a imagem, para por ali mesmo.

O profissional é aquele que leva sua profissão acima de tudo, não segue regras, não importa a situação que esteja ou o equipamento que tenha, sempre vai buscar a melhor foto, mesmo que precise esperar por horas, não importa o que aconteça e o tempo que demore seu sonho vai se realizar, porque isso está no sangue. Ás vezes nem recebe pelo seu trabalho, mas sua recompensa é uma imagem que o eterniza.

E falando em quebrar regras… Vamos lá!!!

Na primeira coluna, falei como usar a regra dos terços para compor melhor uma imagem. Agora veremos como fazer isso sem usar essa regra que atravessa gerações e gerações de fotógrafos e sempre resulta em grandes imagens. Claro que para isso espero que tenham aprendido a regra dos terços, pois só assim poderão saber quando não usá la.

Como exemplo, vou usar uma das minhas fotos da cidade de El Calafate, que foi selecionada pela National Geographic América Latina.

Repare que a foto está com seu objeto principal (a estrada) centralizada. Esse enquadramento serve para dar impressão de profundidade à imagem. Esse resultado é possível porque a estrada se fecha como se fosse um triângulo, formando um ponto no centro da imagem. Não importa para que parte da fotografia você olhe, ela sempre irá puxar para o centro da foto.

Nessa segunda imagem, vocês vão entender melhor.

As linhas vermelhas representam a regra dos terços, a verde o centro horizontal da foto e a amarela exemplifica o triângulo que é formado pela estrada, dando uma ideia de profundidade, que leva ao centro da foto formando um ponto que leva os olhos involuntariamente.

Espero que tenham gostado de mais essa dica!

Para finalizar, quero agradecer aos comentários e vários emails que recebi durante a semana elogiando!

Grande abraço e até a próxima!

Lucas Amorelli
Twitter:@lucasamorelli
Facebook: Lucas Amorelli
Site: http://lucasamorelli.olhares.com/
Flickr:

Ajude-nos, avalie este artigo:

Lucas Amorelli

Lucas Amorelli, 26, natural de Guaratinguetá (SP), iniciei minha carreira em 2002 enquanto cursava Publicidade e Propaganda na Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI (SC). Já trabalhei em diversos segmentos da fotografia, mas foi no fotojornalismo que encontrei seu verdadeiro caminho. Desde 2006 viajo pela Patagônia Argentina e Chilena. Em 2008 morei em San Carlos de Bariloche, onde pude aprimorar meu conhecimento com grandes fotógrafos argentinos.

41 Comentários

Clique aqui para comentar

Carrinho