fbpx

Review do filme “McCullin” (2012)

A vida não é um romance, e ser fotógrafo de guerra não é viver num livro de Robert Capa. McCullin é um documentário que retrata não apenas o trabalho do fotógrafo Donald McCullin, com sua beleza algo mórbida, mas também o lado cruel do trabalho fotográfico em meio a um conflito bélico — especialmente as consequências para o profissional.

Cartaz do filme McCullin

Com fotos tão bem captadas quanto as do alemão Horst Faas, que também registrou várias guerras, Don McCullin e alguns profissionais que trabalharam com ele explicam a delícia e principalmente a desgraça que é clicar guerras pelo mundo. O lado psicológico desse trabalho, tão desprezado pelos relatos de Capa e as impressões externadas por quem apenas vê as imagens é aqui exposto de modo forte e claro: fazer fotografias em meio a uma guerra é mais, muito mais que ser extremamente ágil no manejo de seu equipamento, pensar muito eficientemente, não ter medo de ir para situações perigosas e ter gosto — às vezes vício — por doses extremas de adrenalina. Imaginar esse tipo de trabalho como sendo uma versão fotográfica do trabalho de um ator que interprete um soldado numa guerra, onde ao terminarem as tomadas da cena, estará tudo bem no set e ninguém terá sangrado de fato é uma ilusão que deve ser sempre quebrada, esta é a lição de McCullin.

No entanto, apesar de toda a carga negativa desta produção, há espaço, sim, para aspectos positivos. Está lá, por exemplo, o lado pacifista desse trabalho pesado: não fossem as fotos publicadas por McCullin, Faas, Capa, Nick Ut e etc, muito do que já vimos ocorrer nas guerras não seria conhecido, ou o seria pouco. Juntamente com este fator, temos as características próprias de Don McCullin, que são a retratação especial das perdas provocadas pela guerra, e mais seu empenho pessoal em não limitar-se simplesmente a observar e clicar, e ‘arregaçar as mangas’ para sair de seu posto de observador e jornalista para ajudar diretamente. Termina sendo um certo alívio ver que apesar das circunstâncias que o cercavam (ele parou de clicar guerras), McCullin ainda buscava pela beleza da vida, acima de todas as lágrimas. Ou, poderíamos dizer, a humanidade acima de toda a atrocidade.

Um ótimo filme, ainda que forte.

nota: ★★★★1/2

Para assistir ao filme ou adicioná-lo à sua lista, acesse já o Netflix!

Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies