fbpx

O Mundo Lá de Fora – Fotografia Externa Infantil – Parte 1 5/5 (2)

Olá, meu nome é Marcia Fernandes, tenho 28 anos e junto com meu marido, Eduardo Fernandes, há 2 anos possuímos uma empresa de fotografia no Rio de Janeiro capital chamada Doce Deleite Fotografia.

Há não muito tempo atrás o grande hit do momento era ter fotos de seus filhos feitas em estúdio. Não era tão comum sair com os pimpolhos para locais abertos e fazer sessões fotográficas profissionais, especialmente os mais pequeninos.

A grande beleza da Fotografia Externa Infantil é justamente a realidade da imagem: ao invés de uma floresta desenhada ao fundo, a criança está realmente envolta de árvores, pássaros, e uma infinidade de novas experiências e sensações! Não é raro captarmos a primeira vez em que as crianças pisam na terra, pegam na grama, e se deliciam ao notar este mundo completamente diferente do urbano do dia a dia da cidade.

As vezes é necessário sentar-se e explicar aos pais, especialmente os de primeira viagem, que as locações escolhidas são calmas, limpas e principalmente seguras. Que o gramado não faz mal a ninguém e que correr descalço é uma delícia. Vale a pena ter um pouco de paciência e dedicar alguma atenção às preocupações que possam existir, pois afinal eles estão lhe confiando seu bem mais precioso, e só o imaginar de algo dando errado faz qualquer pai tremer. A confiança é tudo para o andar tranquilo de uma sessão de fotos onde se pode deixar a criatividade rolar solta.

A escolha das locações deve realmente ser tudo isso. Procure escolher locais que não fiquem muito cheios, pois pode se tornar uma tarefa difícil eliminar pessoas ao fundo, especialmente aquelas com camisetas coloridas. Locais mais vazios também proporcionam uma ambientação mais rápida e tranquila para os pequeninos, que podem ficar assustados ao sair de seu ambiente cotidiano. Além, é claro, de lhe dar oportunidades infinitas para criar sem se preocupar com as outras pessoas.

Crianças são seres extremamente espertos, e adoram contrariar aos pais. Quando lhe telefonam e dizem que o filho é a criança mais sorridente que conhecem, é provável que ao chegar ao local das fotos ele esteja sério e nada disposto a distribuir sorrisos. Não é necessário se descabelar, pois assim são as crianças. Nada de imitar personagens, contar mentiras (‘vai sair um passarinho daqui da lente’), falar com vozinha de bebê, ou coisas do gênero. Como citei antes, elas são espertas e certamente a última coisa que querem ver (e todo o resto do planeta também) é um adulto fazendo papel de bobo.

Ganhar a atenção de uma criança é simples: convide-a a fazer algo que atraia a sua própria atenção. Dar comida aos peixes, recolher flores, observar os pássaros e suas variadas cores, são atividades simples e que geram interesse, porém acima de tudo o que mais tenho respostas positivas é quando faço a simples pergunta: ‘o que você gostaria de fazer?’. Deixe a criança ditar o ritmo, pois a intenção é registrar as coisas que fazem aquele pequenino ser humano, único!

Muitos pais são extra receosos quando se trata de bebês de menos de 3 meses de idade, e talvez seja impossível convencer alguns de que a natureza da cidade grande é inofensiva. Para estes, o melhor é aceitar a limitação de cada um e propor outras alternativas, como o próprio quarto do bebê, a área externa da casa, e locais onde todos possam ficar a vontade e curtir.

De toda forma, há sempre os super dispostos a tudo, aqueles que sempre vão aceitar sugestões e permitir que seu bebê seja fotografado de maneira criativa. Nestes casos, vale sempre a lei do bom senso: criatividade tem limites. E esses limites chegam quando esbarram na segurança dos pequenos seres que você está fotografando. Sempre que for tentar algo completamente novo e radical, tenha certeza de ter testado em casa diversas vezes, assim como levar junto todo o material de segurança e pessoal extra se necessário.

Fico especialmente preocupada com bebês elevados, onde quer que seja. Quem já teve um bebê sabe que eles rolam e se viram num piscar de olhos, e mesmo que nunca tenham feito isso antes é possível que eles escolham justamente esse momento para começar. Por isso é indispensável a preparação do ambiente antes da foto, posicionar todos os ajudantes e assegurar aos pais de que tudo está bem. E isto precisa realmente ser verdade.

O horário escolhido vai ditar o resultado final do seu trabalho. Os melhores horários são sempre aqueles de sol fraco, como o começo da manhã ou o final da tarde. Nem sempre é fácil explicar isso aos pais, porém um calor de matar vai fazer todos ficarem suados e irritados. Converse sobre os horários da criança, se ele costuma acordar cedo ou tirar cochilos a tarde, e resolva sobre o melhor lugar.

É comum os pais quererem trocar 20 vezes a roupa da criança, o que invariavelmente gera desconforto em todas elas. Sugira que levem todas as peças que desejem, mas que só as troque se a criança não se chatear. Em nossas sessões, são trocadas em geral 1 ou 2 roupas apenas, para não estragar a brincadeira!

Irmãos costumam ter interesses diferentes, e frequentemente são forçados a sorrirem ou se abraçarem para a foto. O resultado, claro, nunca é bom neste tipo de situação, porém a mãe se vê sem saída. Procure levar irmãos para locais onde seja mais interessante brincarem juntos do que separados: um parque sem parquinhos enormes, uma praça pequena, um local sem outras crianças, um brinquedo agregador (bola, gangorra, peteca, etc). Sem a obrigação de interagir com o irmão, eles o fazem com muita alegria!

Muitos fotógrafos de eventos costumam ficar um pouco perdidos em sessões externas por não terem um roteiro a seguir, como nas festas de aniversário, e acabam utilizando mal o tempo. Deixe a criança ditar o ritmo, algumas correm o tempo todo, outras sentam e ali ficam até o final, cabe ao fotógrafo retratar o mágico de cada momento, que com estes pequenos seres acontece a cada piscar de olhos.

No próximo artigo vou falar sobre a escolha das roupas, dos acessórios a levar, como orientar os pais a tornar o dia das fotos o mais agradável possível, técnicas e equipamentos. Não perca!

[divider]

Leia agora mesmo a Parte 2 deste artigo: O Mundo Lá de Fora – Fotografia Externa Infantil – Parte 2

Ajude-nos! Avalie, compartilhe e deixe um comentário mais abaixo:

Marcia Fernandes

Meu nome é Marcia Fernandes, tenho 28 anos e junto com meu marido, Eduardo Fernandes, há 2 anos possuímos uma empresa de fotografia no Rio de Janeiro capital chamada Doce Deleite Fotografia.

Chat
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies