Home » Artigos » Artigos de opinião » Fotógrafos x Vídeo 4K: uma opinião prática

Fotógrafos x Vídeo 4K: uma opinião prática 5/5 (1)

Pepê Figueroa explica porque os fotógrafos ainda tem seu trabalho garantido em tempos de vídeo 4K gerando imagens fixas com boa qualidade

via Facebook do autor
e HDSLR (foto)
 

Com a chegada do vídeo 4K e da maior feira e congresso do mercado cinematográfico, a NAB 2014, voltamos com as especulações sobre a fotografia ser feita por câmeras de vídeo, assim acabando com os fotógrafos de casamento do mundo.

Mas vamos a realidade…

Ponto 1: Sim, já podemos tirar fotos incríveis do video. Mas…

Ponto 2: Bits – a maioria das câmeras em 4K gravam em formatos com compressão e as mais baratas voltadas ao mercado wedding com apenas 4:2:0 ou 4:2:2 de 8 Bits ou no máximo 10 Bits.

Imagem extraída de vídeo 4K - (c) Abraham Joffe
(c) Abraham Joffe

Ponto 3: DPI – Salve um frame do vídeo de uma 5D Mark III ou até mesmo da linha EOS Cinema e verá que seu frame (foto) terá apenas 72 DPI.

Ponto 4: Velocidade (Shutter) – Todos sabemos que para ter a fluidez correta do vídeo temos que trabalhar com velocidade de 48 a 60 dependendo do seu Frame Rate, com isso na foto não teríamos o frame tirado do video totalmente congelado, consequentemente sem o foco cravado e mesmo que se trabalhe no video com velocidades de 160 por exemplo a necessidade de mais luz se torna necessária.

OBS: veja que na foto é um casamento de dia e com o casal parado.

Ponto 5 LUZ (Flash) – Todos também sabemos da necessidade da LUZ para a imagem e o pior é que muitas vezes é o flash que congela a fotografia, sendo o flash um companheiro eterno, principalmente em eventos sociais, facilitando a mobilidade e consequentemente a qualidade.

Poderia pontuar mais coisas aqui como proporção da foto em pé no caso 90 graus do vídeo, mas o post vai ficar gigante… e é bom dizer que as câmeras de fotografia também estão evoluindo, e o RAW com 12, 14 bits da fotografia, com DPI altos, flash e outros detalhes ainda separam a foto do video.

 

Conclusão: ao meu ver, cada macaco no seu galho.

Como cinegrafista já tenho muitas responsabilidades, como setagem do vídeo, luz, enquadramento, continuísmo e detalhe “áudio”.

Como fotógrafo já tenho minhas responsabilidades, como setagem do foto, luz, enquadramento, mobilidade e por aí vai… totalmente diferentes das responsabilidades do vídeo.

 

OK, OK poderemos sim em breve ter melhor qualidade nos frames tirados das câmeras de vídeo, coisa que já esta até mesmo sendo vendido por produtoras aqui do Rio, mas com certeza é um produto que não dispensa um bom fotógrafo.

Desculpem-me os companheiros cinegrafistas, mas, lembre-se, quanto mais conhecimento temos, mais respeito teremos por cada arte e profissional.

 

Campanha: Diga não à prostituição da imagem!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

2 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Concordo com o post! Cada macaco no seu galho.
    Só a parte do dpi que não faz sentido. Pois o problema é que o frame do 4k é bem menor em pixels do que as fotos das dslr que chegam a passar de 30 MP hj em dia.