Home » Inspirações » Entrevistas » Johnny Duarte: Fotógrafo de animais “nato”

Johnny Duarte: Fotógrafo de animais “nato” 2.5/5 (2)

Em meio a cachorros, gatos, cavalos, aves, enfim rodeado do universo pet, é assim que o fotógrafo Johnny Duarte, especialista em fotografia de animais, passa o seu dia a dia de trabalho. Mas, não é só quando trabalha que fica rodeado pelos pets, já que mora numa chácara e tem espaço de sobra para ter os vários dogs, de raças, de tamanhos e de pelagens diferentes que tem.

O fotógrafo fala que o gosto pela fotografia de animais nasceu com ele, o intitulando de: “fotógrafo nato”. Mas, e de onde veio essa inspiração para fotografar os bichos? Aqui cabe uma breve história… Os pais de Johnny foram para a Itália, onde se casaram e onde seu pai aprendeu fotografia, por dias ele não nasce em terras italianas. Alguns anos após o seu nascimento, o pai de Johnny passou a se dedicar exclusivamente a fotografia de cavalos; Johnny tinha uns 6 ou 7 anos, ou seja, cresceu “respirando fotografia”, como expressa. Aos 15 anos, o “fotógrafo nato” comprou sua primeira câmera SLR e aos 16 vendeu a sua primeira foto, um still de um equipamento equestre.

Ele trabalha profissionalmente desde 1996 e atualmente faz fotos externas e internas, por exemplo, no estúdio fotográfico que possui em Cotia, na Grande São Paulo.

Pai, fotógrafo…

É claro que dentro de casa o pai Johnny também vira fotógrafo, sua filha mais velha além de sua modelo também é sua assistente. Será que vai seguir os passos do pai? O fotógrafo é bem tranqüilo com relação a isso, deixa que o coração dela guie seu lado profissional, como aconteceu com ele, “pois tudo que fazemos com o coração, fica melhor do que simplesmente perfeito”, explica. Johnny diz a filha, o que também é um conselho para todos os fotógrafos e amantes da fotografia: “que tudo que fizermos “BEM FEITO” terá reconhecimento e sucesso…”.

Dianna (filha de Johnny) dormindo com a Pit Bull da família, Fiona.

Falando em reconhecimento, Johnny já ganhou diversos prêmios, como o Leão de Bronze em Cannes (2005) e Ouro em Gramado (2006). Esses são alguns, mas no site dele podem conferir outras premiações, que o fotógrafo chama de “presentes de Deus”, já que nunca teve esse tipo de aspiração.

 

Para conciliar família e profissão, Johnny procura não trabalhar aos finais de semana e nem em feriados, mas às vezes se faz necessário, conta ele. O expediente do fotógrafo começa cedo, às 7h15, levanta como “as galinhas”, brinca, pois a profissão exige isso. As sextas-feiras ele reserva para editar e tratar as fotos, mas isso não é exatamente uma rotina, já que o tempo meteorológico dita o seu trabalho também.

Além disso, desde 1997 Johnny se dedica a musculação, atualmente está corrigindo a sua disciplina para a atividade, pois o trabalho tem preenchido muito o seu tempo, já que trabalha como fotógrafo full time. Ele faz questão de se cuidar, “pois meu corpo deve se manter jovem para me acompanhar em minhas “caçadas” fotográficas”, esclarece.

Fotografando animais

Qual a principal dificuldade em fotografar animais? Segundo Johnny o segredo é saber dirigi-los, “pensar como eles…saber identificar o temperamento do animal para definir como irá dirigir a seção fotográfica”, completa.

Os principais clientes do fotógrafo são os proprietários de cães, e não tem espécie que mais lhe agrade, ele simplesmente gosta quando o animal é “expressivo, exibido e fotogênico” e acrescenta: “gosto de fotografar animal que gosta de ser fotografado”.

 

Setorização de mercado

Johnny assim como o pai decidiu se especializar em um nicho de mercado e por isso se sente na obrigação de estar inovando sempre, criando coisas novas, sempre “ditando as tendências” deste mercado, expressa.

Para o fotógrafo setorizar o mercado não é problema, o que para algumas pessoas é, pois ele acredita exatamente no contrário, que deve haver uma especialização em determinado setor, como ocorre com ele no ramo pet, pois como diz: “quem faz de tudo, não faz nada perfeitamente”. Para Johnny um fotógrafo tem que conhecer muito bem aquilo que se fotografa para que, por ignorância, não mostre defeitos ao invés de qualidades, por isso, acredita que o caminho é a especialização.

 

Johnny Duarte deixa uma dica para os leitores do Fotografia DG, especialmente para aqueles que querem investir na fotografia de pet: “Fotografar em abrigos de cães… é o local onde melhor se aprende principalmente sobre direção, pois há diferentes temperamentos, diferentes situações, diferentes pelagens e cores”.

Para conhecer mais sobre o trabalho do Johnny, acessem:

Johnny – site: www.fotoanimal.com.br
Johnny – facebook: https://www.facebook.com/JohnnyFotoanimal?ref=ts

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Morana Zambrini

Sou jornalista por formação, mas fotógrafa de todo o meu coração! Um dia a imagem falou mais alto em mim e vi que era esse o caminho a seguir. Me especializei em fotografia de família, mas também me aventuro em publicidades e em alguns eventos. Onde existe emoção, afeto, alegria...alí estou para registrar =D

3 Comentários

Clique aqui para comentar

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar