Home » Artigos » Artigos de opinião » Ruptura e Inovação — parte 1

Ruptura e Inovação — parte 1

Primeira parte de um longo texto sobre inovação e ruptura publicado pelo Petapixel. Vale uma leitura com calma.

de Roger Cicala
via Petapixel
imagem: Shutterstock

 

Mudanças tecnológicas tendem a ser de dois tipos: as melhorias incrementais ou inovações disruptivas. Melhorias incrementais permitem que um fabricante tome parte do mercado a partir de outro e dão combustível para fanboys em fóruns da internet. Inovações disruptivas podem criar um milhão de novos clientes. Ou fazer com que um milhão de clientes potenciais arrumem algum novo hobby ou maneira de fazer as coisas.

As pessoas adoram melhorias incrementais, mas muitas vezes não gostam de inovações disruptivas logo de cara. Rompimento provoca grandes mudanças e pode ser ameaçador. Pode ser várias gerações antes que a nova tecnologia seja claramente superior ao que já existe. Mas, eventualmente, a inovação disruptiva tem um efeito enorme no mercado. Isso faz com que alguns fabricantes já existentes falhem, outros floresçam, e cria novos fabricantes quase na calada da noite.

Figura 01 artigo Ruptura x InovaçãoUma década atrás, alguns desses fabricantes estavam tentando ser mainstream, alguns eram apenas como estão hoje, e outros nem sequer faziam câmeras.

Pelas minhas definições, a D800 é um bom exemplo de uma forte inovação incremental. Alguns fotógrafos mudaram de marca (ou adicionaram uma) para clicar com a D800. A Nikon aumentou suas vendas de SLR de alta categoria por um tempo. Mas o mercado SLR como um todo não mudou por causa disso. A Nikon fez um pouco melhor por um tempo, outros fabricantes fizeram um pouco pior, mas não havia grandes mudanças.

Câmeras de telefones celulares e mídias sociais foram certamente uma inovação disruptiva. Dependendo do seu ponto de vista, eles fatiaram o mercado de fotografia severamente ou o aumentaram excelentemente. Se você é um fabricante de câmeras point-and-shoot, o mercado de fotografia está desaparecendo. Se você possui Instagram ou Facebook, está crescendo fenomenalmente.

Por mais de uma década, agora, o mercado de fotografia teve uma melhoria incremental após a outra: o aumento da densidade de pixels, melhor performance em ISO alto, melhor autofoco e lentes mais nítidas. Mas eu penso que há mais interrupções acontecendo agora do que simplesmente câmeras de telefones celulares.

A maioria das pessoas, no entanto, não percebe o que é uma inovação disruptiva à primeira vista. Elas esperam uma sarça ardente de um triunfo tecnológico que é reconhecido instantaneamente como a próxima grande coisa. Historicamente, não é com isso que uma inovação disruptiva se parece, em absoluto.

A cara da tecnologia disruptiva

Muitas vezes é a tartaruga, não a lebre

Uma nova tecnologia desenvolvida e introduzida pela empresa A, muitas vezes faz uma fortuna dois anos mais tarde para a empresa B. O primeiro gravador de vídeo doméstico foi introduzido pela Nottingham Electric Valve Company em 1963. A Avco introduziu o Cartrivision [eng], o primeiro gravador de vídeo que lhe permitia alugar grandes filmes para ver em sua casa, nos tempos idos de 1972.

Mas foram a Sony e a JVC que se tornaram um enorme sucesso com os gravadores de vídeo domésticos, e a Blockbuster que fez uma fortuna alugando vídeos. Este padrão, em que a empresa que introduz a tecnologia muitas vezes não é a que faz com que seja bem-sucedida é bastante frequente. Olhando para trás, no entanto, nós não percebemos isso. A maioria das pessoas acham que os primeiros dias dos gravadores de vídeo eram como uma batalha entre Beta e VHS.

Figura 02 artigo Ruptura x Inovação
Gravador de vídeo set-top Telcan, da Nottingham. Fonte original desconhecida.

A ruptura não ocorre imediatamente

Há muitas vezes uma longa demora entre a introdução de uma tecnologia disruptiva e uma ampla aceitação. No exemplo acima, a JVC e a Sony fizeram uma fortuna com gravadores de vídeo, mas não antes da introdução do Telcan completar uma década. A Blockbuster alugou seus primeiros vídeos uma década após o Cartrivision de Avco.

Muitas vezes, isso ocorre porque a nova tecnologia vem em um pacote sem aceitação. O Telcan da Nottingham Electric foi um sistema de bobina a bobina que registrou apenas 15 a 20 minutos de vídeo em preto-e-branco. O aluguel da AVCO levava vários dias para chegar e os cartuchos tinham desativada a opção de rebobinar — você tinha que ver o filme uma vez, e apenas uma vez. Você pode acreditar que um fabricante iria adotar o problema de desabilitar um recurso para tentar aumentar as vendas?

O padrão se repete com freqüência. A Xerox originou o rato do computador e a interface gráfica de usuário e usou em seus computadores Alto [eng] e estações de trabalho Star [eng] na década de 1970. A Apple transformou isso no bem-sucedido Macintosh quase uma década mais tarde. Já a Microsoft fez o mais bem sucedido Windows.

 

O rompimento não é reconhecido de cara

A tecnologia disruptiva, sendo diferente, menos elegante e voltada para um novo mercado é muitas vezes desconsiderada inicialmente. Aqueles envolvidos no status quo muitas vezes a ridicularizam. Quando os computadores com interface gráfica do usuário foram introduzidos, os usuários de computador existentes riram deles. Quem no mundo gostaria de ter um computador que você não pode programar por si mesmo? As pessoas que os compram não deveriam ser autorizadas a ter um computador. Eles nem sequer sabem como operar uma interface de linha de comando.

Quando George Eastman produziu em massa filme de chapa seca, em 1878, a maioria dos fotógrafos pensou que aquilo era inútil. Qualquer fotógrafo que valha suas lentes faz suas próprias chapas úmidas e as desenvolve e imprime. Quando Lewis Carroll viu pela primeira vez chapas secas, ele falou para a maioria dos fotógrafos profissionais, quando disse: “Aí vem a ralé.” Dentro de uma década, a fotografia do filme dominou [o mercado], não porque os profissionais existentes se reuniram a ele, mas porque muitos dos novos fotógrafos entraram no campo em que um fotógrafo de chapa úmida não poderia competir.

Meu ponto é que quando se olha para as tecnologias inovadoras e disruptivas, devemos perceber três coisas: A introdução nem sempre sacode o mercado. Isso geralmente vem depois. A empresa que introduz nem sempre é a que obtém com a nova tecnologia. Muitas pessoas investiram no status quo do mercado, ou não reconheceram uma tecnologia disruptiva, ou desprezá-la.

 

Inovações disruptivas na fotografia

O processo de colódio, filme de chapa seca, rolo de filme, filme de 35mm, rangefinders, SLRs e uma dúzia de outras inovações disruptivas abalaram todas o mercado local. Cada uma aumentou o número de pessoas que se consideravam fotógrafos. Durante cada inovação, os fotógrafos existentes rejeitaram as novas inovações como arruinadoras de sua arte. Algumas empresas prosperaram com a mudança, enquanto outras perderam o barco completamente.

A focagem automática é um exemplo bastante recente que seguiu o padrão habitual. A Leica desenvolveu originalmente o autofoco por detecção de fase na década de 1960. Eles não viram muito uso para ele e venderam à Honeywell. A Minolta o utilizou em uma câmera point-and-shoot, em 1977. Durante a década de 1970 foram testados uma série de métodos alternativos, incluindo autofoco por sonar e detecção de infravermelho. A Pentax saiu com a primeira câmera a usar um sensor de foco automático separado e iluminado por um espelho secundário, a ME-F, em 1981. O sensor era lento e impreciso, e nunca pegou.

Figura 03 artigo Ruptura x Inovação
Pentax ME-F com objetiva zoom 35-70mm com AF. A protuberância abaixo da objetiva segurava as pilhas AA que impulsionavam o motor de foco. Crédito:. ZanderZ via Creative Commons.

A Nikon lançou a F3AF com autofoco de detecção de fase, em 1983. Enquanto a F3 de foco manual foi um grande sucesso, a F3AF não foi. Se você não puder encontrar uma em uma venda de garagem vai consegui-lo muito bem no eBay.

 

Figura 04 artigo Ruptura x Inovação
Nikon F3AF. Crédito da imagem: Frank Gosebruch via compartilhamento Creative Commons

 

Fotógrafos reais riram de toda essa tecnologia desajeitada no início de 1980. Era óbvio que a focagem automática não seria rápida o suficiente para algo como esportes, onde o sujeito estava se movendo. Apenas foco manual e um fotógrafo especializado poderiam capturar imagens de ação.

A primeira câmera a ter enorme sucesso com AF de detecção de fase foi a Minolta Maxxum 7000, lançada em 1985. Por um curto período, a Minolta foi rainha, mas Nikon, Canon e Pentax a seguiram com câmeras de autofoco de detecção de fase em meados e final dos anos 1980. Na década de 1990 as empresas que fizeram câmeras de 35mm sem detecção de fase foram em sua maior parte à falência.

Digital é outro bom exemplo. Você provavelmente sabe que a Kodak desenvolveu a primeira câmera digital e lançou a primeira SLR digital, a DCS 100, em 1991. Baseada em um corpo de Nikon F3 com uma unidade de armazenamento externo Kodak, era vendida por US$ 13.000 e fornecia uma imagem enorme de 1.3 megapixel. Não foi um enorme sucesso.

Figura 05 artigo Ruptura x Inovação
Sistema Kodak DCS100. Crédito da imagem: Frank Gosebruch via Creative Commons

A Minolta introduziu a primeira SLR digital portátil em 1995. A RD 175 usava 3 CCDs e interpolava as imagens na câmera para produzir uma imagem de 1,75 megapixels. Canon e Nikon introduziram as primeiras câmeras digitais realmente bem sucedidas, alguns anos depois, uma década após o lancamento da Kodak DCS.

Figura 06 artigo Ruptura x Inovação
Minolta RD 175. Imagem distribuída livremente sob CeCILL

Fotógrafos do final dos anos 1990, é claro, falaram em voz alta e muitas vezes sobre como as imagens digitais nunca poderiam substituir o desempenho e a resolução de filme. Essas coisas digitais podem ser boas para instantâneos de férias, mas não para um fotógrafo profissional ou amador sério [diziam eles].

A transição para o digital foi realmente perturbadora. Alguns fabricantes prosperaram durante a transição para o digital. A Minolta, apesar de liberar a primeira boa SLR com autofoco e a primeira SLR digital portátil, não foi um deles. Bronica, Contax, Kodak e Polaroid também foram deixados para trás. Canon e Nikon fizeram [a transição] muito bem. Algumas empresas, como Panasonic, Samsung e Sony entraram no mercado pela primeira vez.

[divider]

Na próxima parte veremos quais são as inovações fotográficas disruptivas dos dias de hoje, e um pouco do que pode vir no futuro. Leiam aqui

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

2 Comentários

Clique aqui para comentar

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar