Home » Artigos » Dicas » 5 coisas que eu gostaria de ter ouvido quando decidi me tornar fotógrafo

5 coisas que eu gostaria de ter ouvido quando decidi me tornar fotógrafo 4.84/5 (61)

Ao longo desses anos na fotografia, a gente vai aprendendo o que fazer e o que não fazer. Sigo aprendendo. Mas esse post é para ajudar quem está começando ou no meio do caminho a chegar lá.

Vou enumerar 5 passos essenciais para você se tornar um fotógrafo melhor.

1 – Guarde Dinheiro

Essa é a número 1 da lista e não é a toa. Todos deveriam se preocupar com perguntas como “e se eu for demitido?”, “e se eu bater o carro?”. Pensando em fotógrafos, as perguntas podem ser parecidas, como “e se eu não fechar nenhum evento mês que vem?” ou “e se o Google parar de indexar meu site?/aquela cerimonialista parar de me indicar?”.

Tenha uma reserva de emergência que possa sustentar você e a sua família durante 6 meses ou até 1 ano.

Faça seu planejamento para trabalhar com tranquilidade.

Recomendo muito a leitura desse post no Clube dos Poupadores. Esse tempo em que você pode se dar ao luxo de não ganhar dinheiro pode ser essencial para conseguir novas oportunidades de trabalho, conseguir parcerias que façam você conquistar novos clientes no futuro. Fotografia pode ser sazonal, há épocas em que fechamos mais orçamentos do que outros. Esteja preparado para isso.

2 – Estude o que é Importante

Esqueça aquelas discussões intermináveis de Canon x Nikon, qual a lente mais nítida, qual a câmera com o melhor ISO alto. Isto não é relevante. Não digo que você deva ignorar como funciona o seu equipamento e até que ISO ele aguenta sem a foto se tornar um mar de ruído, não é isto, mas você não precisa entrar todo dia no Canon Rumors pra saber se tem lançamento de câmera nova, por exemplo.

O que você deve estudar como se a sua vida dependesse disso? Luz, Composição, Tratamento de Imagem, Marketing e Vendas. Os 3 primeiros vão fazer uma diferença absurda na qualidade do seu trabalho; os dois últimos vão fazer as pessoas conhecerem seu trabalho e te contratarem. Isso é o básico que um fotógrafo deve saber. Depois você pode se aprofundar em assuntos relativos a sua área de atuação.

Essa foto poderia ter sido feita com a lente do kit.

3 – Não gaste tudo em equipamento

Strobist? Sim!

Digamos que você tenha R$ 6000,00 disponíveis para trocar de câmera e pegar algumas lentes. Aí você vai lá e pega uma Full Frame e uma 85mm/1.8. E os seus R$ 6000,00 foram gastos de maneira muito interessante, você comprou um equipamento top, suas fotos vão melhorar, é verdade. Mas eu garanto a você que as suas fotos se tornariam muito melhores e você fecharia mais trabalhos se, em vez de fazer todo o investimento em equipamento, investisse parte do seu dinheiro em conhecimento. Você compra a sua Full Frame e o restante do valor investe em um curso de fotografia, livros,  investe no seu marketing, etc. Identifique o que mais falta em você. Olhe para as suas fotos e compare com a de colegas que você gosta do trabalho. Tente se questionar o que torna aquelas imagens encantadoras, o que faz você gostar delas.

Pequena história pessoal: eu tinha uma Canon T2i e uma 50mm f/1.8. E eu olhava fotos com a Canon 5DmkII + 85mm f/1.8 de um fotógrafo gringo que admiro o trabalho. Eu pensava a todo momento: quando eu comprar a minha 5D e a 85, vou fazer fotos iguais a desse cara. Aí ninguém me segura! 

Comprei a minha full frame. Comprei a minha 85mm. E quem disse que as fotos saíam como aos dos fotógrafos que eu admirava? E o pior: comecei a ver fotos com o mesmo equipamento que eu reclamava antes, a minha camerazinha crop e a cinquentinha de plástico, absurdamente melhores do que as minhas fotos. Foi então que eu tive um ESTALO e as coisas começaram a ficar mais claras. Identifiquei o que eu gostava naqueles trabalhos – a naturalidade das modelos (direção de modelos), as cores (produção de moda e tratamento de imagem), a luz (aprender sobre luz dura e luz suave) –  e não só aquele desfoque pronunciado que a duplinha FF + lente clara tem.

4 – Olhe mais para o seu umbigo

É sempre mais fácil colocar a culpa em outras pessoas. Eu sempre achava que, se um cliente não fechava comigo um trabalho, era porque o fulano tinha feito desconto, o ciclano tinha furado minha negociação. Sempre achava que a foto do concorrente era melhor porque ele tinha mais equipamentos.

Sempre vai ter alguém que vai dar desconto, que não sabe como fazer a tabela de valores para cobrar. Sempre vai ter alguém com equipamento melhor que o seu. Sempre vai ter alguém que vai tentar roubar seu cliente. E de quem é a culpa se as fotos não saem boas, se o cliente não fecha? Totalmente nossa. Vejamos:

– Cliente não fechou porque não viu valor no nosso trabalho é uma falha de marketing e talvez da qualidade do seu trabalho.

– As fotos não saírem como as do colega significa que talvez você precise estudar composição, luz, tratamento de imagem. Faça buscas na internet por fotos feitas com a sua câmera e lente, por fotos nos locais que você já fotografou. Se achar fotos mais bonitas que as suas, tente entender o porquê.

Não se importe tanto se os orçamentos não tem fechado. Nem todos os clientes são para você. Mas tente entender por qual razão eles não estão fechando. Talvez seja a qualidade vs valor, talvez seja o marketing, o nicho que você escolheu. Tente descobrir e olhar para o próprio umbigo para identificar no que você pode melhorar.

5 – Trabalhe com o que Você Gosta

Parece óbvio, não? E é! Quando você é gosta do que faz, acaba estudando mais do que os outros esse assunto e se torna gradativamente melhor nisso. Você faz com paixão o que outro fotógrafo faz por obrigação. Parece tão simples.

Então por que demoramos tanto para sair daquele emprego chato? Por que demoramos tanto tempo pra parar de fotografar assuntos que não queremos trabalhar? Bem, o boleto da conta de luz tá lá nos esperando. Ele olha pra você, você olha pra ele. E você segue a sua vida fazendo o que não gosta por causa do bendito dinheiro. E como largar tudo isso e viver da fotografia, viver de fotografar o que você mais gosta? Pra mim, tudo aconteceu seguindo as dicas 1, 2, 3 e 4.

Especialize-se no que você mais gosta de fotografar.

Eu não gosto de fotografar casamentos. Quando eu me vi fotografando um casamento fazendo freela para a equipe de um fotógrafo, fique me perguntando o que eu estava fazendo ali. Eu me vi fazendo fotos de convidados – a coisa mais chata do mundo para quem não gosta de fotografar casamentos – e pensei: eu podia estar em casa.

Eu podia estar vendo um filme. Eu podia estar lendo um livro de composição para retratos, estudando tratamento de imagem, estudando direção de modelos. Eu podia estar aprimorando os conhecimentos nos assuntos que eu mais gosto de trabalhar e que é o que eu realmente quero fazer da minha vida.

Quando você se dá conta de que não deve fazer tudo na fotografia, mas se especializar no que realmente gosta, você aos poucos começa a ser mais valorizado e a fechar contratos melhores. É um processo que pode demorar, mas você tem que começar um dia.

Hoje eu não fotografo mais casamentos. Deixo essa árdua tarefa para quem realmente é apaixonado pelo que faz. Eu fico com os ensaios sensuais e editoriais de moda, que é o que realmente me motiva a seguir fotografando. Procure o que te agrada e coloque como meta de um ou dois anos (você saberá melhor do que eu) trabalhar somente com o que você gosta.

Vídeos de apoio

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Lucas Cavalheiro

Fotógrafo especializado em Ensaios Sensuais, fotografia de moda e publicidade, Lucas gosta de fotografar pessoas e realizar ensaios em locações externas. Também domina técnicas de fotografia infravermelha e fotos de produtos.

6 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Um dos melhores textos de todos os tempos! Estou tentando sair do mercado de eventos, e fazer apenas o que mais gosto, que também são os maravilhosos retratos femininos. Está difícil, mas creio que vou conseguir! Obrigada Lucas!

    • Faça como falei no texto: veja o que é importante de ser estudado para se destacar nesse mercado e coloque metas para ir migrando de um nicho para o outro.

      Sem estudar e sem colocar uma meta, sempre vai ser deixado para depois :)

  • Eu já assisti muitos videos e li muitos artigos que visam orientar fotógrafos iniciantes, nenhum tão assertivo, tão claro e tão pratico como este. E o melhor, pode-se aplicar estas sugestões /orientações a muitas outras áreas de atividade! Parabéns pelo excelente artigo.

  • Gostei muito do seu texto, Lucas. Parabéns!

    Estou nessa turma que quer se especializar em retratos. Vejo a galera que assim como eu está começando agora e começa a trabalhar com tudo, inclusive casamentos, sem saber absolutamente nada de técnicas e composição. Conheço um fotógrafo que faz DE TUDO, isso mesmo: eventos, casamentos, 15 anos, newborn, etc.

    Muita gente vem com esse papo de que ama fotografia, mas quer fazer tudo por causa que x e y dá mais dinheiro.

    • Acho que no começo, não tem problema fazer de tudo. É até bom para a sua jornada de autoconhecimento na fotografia, descobrir o que mais te agrada.

      Mas acredito que seguir fazendo de tudo é um caminho muito perigoso. É difícil ser bom em tudo, se especializar e reduzir o número de tipos de trabalho leva a uma melhora na qualidade do trabalho, mais conhecimento daquele nicho e, claro, ser melhor pago, mais valorizado pelo cliente.

      Abraço, Diego

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar