Home » Artigos » Pós-Produção » Anatomia de um tratamento

Anatomia de um tratamento

Tratar uma imagem está muito relacionado com o motivo final do uso da mesma. Tratar por tratar muitas vezes vai fazer o fotógrafo ficar rodeando em torno da imagem e experimentando muitas e muitas possibilidades durante horas, sendo que o objetivo final pode não ser alcançado. Mesmo em trabalhos pessoais, onde o tratamento final deve ser algo relacionado com o sentimento de uma viagem férias por exemplo, busque seu objetivo com esta revelação, seja ela para representar as cores e a ambientação do local na realidade ou para criar algo diferente, mas de forma que suas imagens tragam esta mesma informação na sequência das demais que irão também compor todo o material.

Na imagem que veremos a seguir o objetivo final é de destacar o carro, objeto principal da cena, enfatizando a água que foi levantada e ao mesmo tempo buscando trazer emoção à ação por ele projetada. Sendo uma imagem que pode compor uma matéria de uma revista ou ser enviada aos patrocinadores, não é interessante exagerar demais no uso das ferramentas, deixando a imagem falar por sí só e não o tratamento falar mais alto.

Por mais ferramentas que se use o objetivo é deixar a imagem se destacar. No exemplo abaixo foi utilizada uma imagem relativamente mal exposta, onde não foram captadas as informações corretas de fotometria para a cena, mas com a utilização de um arquivo em RAW e as ferramentas certas, repare como podemos transformar o cenário em outra imagem passível de ser publicada.

img1

A partir da imagem crua exibida acima, vamos iniciar com a aplicação de determinados tratamentos a fim de chegar no objetivo final mencionado anteriormente.

img2

Utilizei o meno de Balanço de Branco a fim de trazer um pouco de uma temperatura levemente mais quente para a imagem, item presente na cena real e que não foi trazido junto ao clique

img3

Neste próximo passo foi utilizada a ferramenta de PRETOS a fim de trazer mais contraste e intensidade aos tons mais escuros da imagem, com o objetivo também de diminuir esta leve névoa formada na frente da imagem

img4

Uma leve aplicaçãod e CLARIDADE foi utilizada para que pudesse trazer mais contraste localizado aos contornos e também um pouco de trimensionalidade à cena

img5

A imagem encontra-se certamente superexposta e acima utilizei o item de EXPOSIÇÃO negativa para trazer de volta esta alta luz que estaria incidindo sobre toda a imagem. Não me preocupei neste momento com a subexposição do carro. Irei tratar disso mais para frente.

img6

Para que as cores ficassem mais fortes e também sem exageros, utilizei de forma positiva o item de VIBRAÇÃO

img7

Para que fosse possível um aumento de contraste sem afetar tanto nas cores da imagem, utilizei a ferramenta de CURVA DE TONS, criando uma curva em S elevando os tons claros e reduzindo os tons escuros.

img8

Nesta parte do tratamento busco então eliminar um pouco as distrações. Repare no sol incidindo sobre a vegetação como chama muito atenção. Para eliminar tal efeito, utilizei do FILTRO GRADUADO com as configuações acima para diminuir a intensidade da luz deste local, focando meu olho apenas no objeto principal.

img9

Ainda com o FILTRO GRADUADO, inseri uma leve camada com uma temperatura de cor mais fria e um leve desfoque na parte da lama na frente do carro.

img10

Entramos então nos detalhes, onde neste ponto, com o PINCEL DE AJUSTE, marquei a área da água levantando e apliquei uma CLARIDADE positiva e NITIDEZ positiva a fim de dar mais vida e volume para as gotas

img11

Com a mesma ferramenta, e com a mesma intensidade de NITIDEZ e CLARIDADE, apliquei na parte do carro ainda um pouco de EXPOSIÇÃO positiva e uma leve esfriada na imagem com o balanço de branco, a fim de equalizar as cores do carro.

img12

Para finalizar, apliquei um CROP (Corte Demarcado) à imagem para melhor compor a cena

img13

Perceba que o uso correto das ferramentas é algo simples, mas o seu entendimento e cuidado ao usar requer prática. Conheça cada uma das ferramentas, entenda o seu uso e aplicação e busque utilizá-las sem exagero. Não foque apenas no tutorial, em como foi feito isso ou aquilo, se você sabe para que servem os temperos, você poderá cozinhar qualquer tipo de comida, se você sabe o como e o porque de cada ferramenta, você poderá tratar qualquer imagem tranquilamente.

img14

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Henrique Ribas

HENRIQUE RIBAS é coordenador de Ensino na Escola de Imagem, onde também leciona as grades de fotografia básica, Photoshop® e Lightroom®. Com formação em Design Gráfico é especialista em fluxo de trabalho, gerenciamento e tratamento de imagens e possui grande experiência nos softwares da Adobe. É colaborador no assunto para diversos blogs e portais sobre o assunto e também para a Revista Técnica & Prática da Editora Europa. Ribas também é ACE – Adobe® Certified Expert para o Lightroom® 4, título que lhe confirma o conhecimento e o destaca no mercado.
Apaixonado por esportes e aventura, desde 2008 faz parte da equipe de cobertura dos ralis de regularidade e velocidade da Mitsubishi e desde de 2009 faz parte da equipe de fotógrafos da equipe Vinícius Matos na La Foto, atuando na fotografia de Família e Casamentos.

3 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Estou entrando agora no nicho de fotografias, meu pai é fotógrafo desde sua adolescência, frequentemente recebo boas dicas de como posso melhorar o aspecto das fotografias deixando-as mais bonitas, lendo ao artigo agora, acho que ele não se deixou levar pelos aparatos tecnológicos e ficou um pouco pra traz da nova geração. Tudo isso é muito legal!
    Parabéns pelo excelente artigo.

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar