Home » Artigos » Artigos de opinião

Compulsão em fotografar pode ser prejudicial 5/5 (1)

Pode parecer inofensiva, mas a compulsão pelo ato de fazer suas fotos do evento que você está “vivendo” não é bem sinal de paixão fotográfica.

 

Um estudo muito interessante foi publicado pela Doutora em Psicologia Linda Henkel  do Departamento de Psicologia da Fairfield University. Um resumo do seu trabalho está publicado na APS-Association For Psychological Science  e tem um título sugestivo: “Por favor não fotografe. Fotografar prejudica sua memória durante uma visita ao Museu”. Um resumo da matéria em português pode ser encontrado na página Saúde Plena.

compulsão por fotografar 01

Esta publicação esta muito relacionada a campanha Seja um Fotógrafo Amador Consciente, em que é questionado o que seria mais importante, registrar o momento ou vivê-lo. Então vamos entender melhor a relação entre a campanha, que abordava a compulsão de fotografar mas sem o enfoque patológico da questão, e os resultados do estudo, que expõe um aspecto comportamental relevante.

A inspiração para o estudo se deu pela intenção da pesquisadora em saber se a compulsão em fotografar estaria afetando a percepção geral das pessoas em relação ao meio que as circunda e os resultados foram contrários ao senso comum da maioria.

Para testar sua hipótese ela levou um grupo de estudantes ao museu, metade deles fotografando o passeio e a outra metade somente observando. Após a aplicação de diversos questionários, os resultados foram consistentes em mostrar que os que fotografaram absorveram menos detalhes do passeio.

compulsão por fotografar 02

A pesquisadora repetiu o estudo, mas fez com que os alunos com câmeras também fotografassem os detalhes de alguns objetos expostos por meio do zoom ou macro. Neste caso sua capacidade de absorver informações foi maior do que os que não fotografaram. Isto sugere que se a cena possuir menos informações o fotógrafo terá mais capacidade de gravá-las por estar focado nesse campo muito restrito. Provavelmente isto se deve porque este tipo de registro nos faz ficar mais atentos a pequena área fotografada, a questão do foco é mais crítica e percorremos mais vezes a cena com o olhar.

compulsão por fotografar 03

O estudo é importante para esclarecer que a mente humana em geral não está preparada para as duas tarefas simultaneamente. Cuidar dos aspectos relacionados à fotografia como o foco, enquadramento, decidir por um fundo desfocado, superexpor o fundo e etc e ainda absorver as demais informações inerentes ao meio a ser fotografado é demais para o tico e o teco. Isso posto fica claro que devemos mais uma vez fazer uma escolha. Registrar o momento ou vivê-lo.

Agora percebo mais claramente que essa encruzilhada já tinha sido manifestada pela indagação citada na matéria acima, quando é questionado se o mais importante é viver o momento ou registrá-lo.

compulsão por fotografar 04

Outro aspecto que achei particularmente interessante, também abordado pelo estudo, mostra que se você não rever as fotos que foram tiradas, muito pouco fica registrado na sua memória. Fiquei um tanto preocupado com os resultados, porque já venho sentindo um certo incômodo após constatar que muitas vezes eu estava mais preocupado em tirar mais e mais fotos e não dedicava nem um tempinho para interagir com os Gigabytes de imagens acumuladas em meu computador. Será que virei um acumulador digital? Isso é grave? Alguém também já teve essa sensação? Quanto tempo você dedica para rever suas fotos? Minha Nossa, socorro.

Este estudo aborda mais a questão cognitiva, mas fiquei impressionado  com a quantidade de retornos obtidos quando encontrei no Google a expressão em inglês “Photography Compulsion Syndrome”. A questão já é amplamente discutida em vários países e muitas vezes tratada como doença.

Bratislava City Downhill 2013

Existem muitos relatos mundo afora de fotógrafos profissionais sendo xingados e recebendo cotoveladas em plena cerimônia por fotógrafos amadores. Outros que participam de um evento religioso, de negócios ou espetáculo de um artista  que simplesmente não conseguem enxergar quem está no palco devido ao mar de braços levantados. Um comportamento tão ostensivo não passaria despercebido dos pesquisadores.

Como todos os comportamentos que fogem ao controle da vontade pessoal, o ato compulsivo de fotografar também é considerado um comportamento sujeito a tratamento médico. Quando o indivíduo perde o controle da sua vontade e se sente impelido a fotografar, mesmo sabendo que isso pode lhe trazer algum risco ou constrangimento sério com parentes e amigos, provavelmente precisa de ajuda.

compulsão por fotografar 06

Como palpiteiro juramentado não poderia deixar de me manisfestar. Caso você tenha sido convidado para algum evento, seja ele casamento, formatura e etc e se quem te convidou contratou profissionais para registra-lo, vamos deixá-los trabalhar. Os momentos mais solenes não podem ser repetidos, como o beijo dos noivos, a entrega do canudo ao formando e por aí vai. Se você foi a um espetáculo musical, foi prestigiar o seu líder religioso e etc procure se lembrar que os que estão atrás de você vieram fazer o mesmo.

Controle o seu impulso de paparazzi. Assim você garantirá que o álbum de fotos dos anfitriões não será invadido por cabeças e braços. Posteriormente você terá acesso a um lindo álbum de fotos de alta qualidade, tiradas com o equipamento de ponta usado pelos profissionais contratados. Os grandes eventos que você participa também recebem cobertura de profissionais e centenas de imagens estarão disponíveis na internet.

compulsão por fotografar 07

Não se preocupe que com certeza você terá muito tempo para tirar fotos com as estrelas da festa nos bailes e jantares pós cerimônia, e essas imagens poderão ser compartilhadas ao infinito e além. Nestes momentos os anfitriões vão estar com toda a paciência do mundo e curtindo muito cada clique.

Se não conseguir se controlar, provavelmente está precisando de ajuda.

Ah, não se esqueça de “tirar a poeira” dos velhos álbuns de fotos esquecidos em seu computador.

 

Se gostou compartilhe. Só custa um clique.

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Gosta de algum dos artigos abaixo?

  • dumas

    Essa matéria sem duvida vem complementar tudo de bom que existe neste site. Parabéns pelo exposto aqui e o estudo mencionado deve ser muito interessante.
    Não sou nenhum profissional nesse lance de fotografia. Mas faz tempo que venho me dedicando à fotografia amadora, mas especificamente no ambiente em que vivo. Pretendo me aperfeiçoar um pouco mais. Ultimamente tenho lido muita coisa sobre fotografia. Por enquanto não vejo a fotografia como meio de sobrevivência, mas como registro e arte. Ver um momento seu ou de outra pessoa registrado não tem preço, e os trabalhos que vejo por aqui estampados em revistas, jornais, sites…, mesmo os cliques mais tímidos são muitos gostoso de ver, pura arte.
    Quando se refere a fotografar compulsivamente muitas vezes me vejo nesse dilema. As vezes estamos num evento, nossa preocupação e mais fotografar do que viver, participar. Pessoalmente tenho a mania de ficar revendo os lances fotografados, até mesmo porque as pessoas pedem pra ver, então a gente acaba memorizando o acontecido. Outras vezes chegamos em casa descarregamos tudo no pc, as vezes desorganizadamente e deixamos tudo lá. Penso que não é bem por ae. Tenho pensando seriamente sobre isso. Creio que deve haver uma sintonia. Tem momento que é pra você ver, sem perder o lance, claro, sem deixar escapar a oportunidade.

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar