Home » Artigos » Dicas » Dois passos para ter a fotografia como profissão

Dois passos para ter a fotografia como profissão 5/5 (3)

- Última Atualização a: 17/02/2017

Neste primeiro artigo que escrevo para o Fotografia-DG, gostaria de abordar dois pontos, que segundo minha experiência como fotógrafo, são cruciais para quem deseja ter a fotografia como profissão. Ter a fotografia como profissão significa que dela você terá sua “realização” profissional e dela o sustento para a sua vida e da sua família, agora ou no futuro. A fotografia assim como a pintura, a dança, o teatro entre outras profissões despertam nas pessoas curiosidades e um certo glamour! Já ouvi frases como: “Você é fotógrafo? Que bárbaro!”, “Acho o máximo ser fotógrafo!”,  “Queria tanto ser fotógrafo(a)!.”

Mas, a realidade é bem diferente e tal como as demais profissões exige dedicação, esforço, caminhos a serem percorridos, realizações e decepções. Situações que fazem parte da vida de qualquer pessoa.

O primeiro ponto que quero compartilhar com vocês, talvez nem precisaria enfatizar, deveria ser algo natural. Mas para começar penso que carece de uma reflexão. Se você quer ser fotógrafo, seja ético! Seja honesto! Primeiramente com você, dessa forma saberá ser com outras pessoas. Faça um autoconhecimento, saiba dos seus limites, suas carências, entenda seus desejos e o mundo a sua volta e crie mecanismos que faça de você uma pessoa melhor sempre. Na fotografia não entregamos um “produto finalizado”! Pronto! Com uma função específica! Como por exemplo uma ferramenta. Criamos e pensamos junto com o nosso cliente uma realização, um sonho, uma expectativa, uma ideia… Que precisa ser compreendida para então se realizar em imagens. Se nesse processo tudo for feito com transparência e honestidade um elemento essencial da relação fotógrafo/fotografado ou cliente se faz presente que é a confiança. Lembre-se que além da sua capacidade técnica o cliente terá empatia por você entender o “desejo” e sonho dele. Por isso clientes cada vez mais preferem contratar profissionais que possam ter um “contato” pessoal ou grandes referências!

Você sendo ético na sua profissional terá por perto pessoas também éticas ou perceberá quando não estão sendo. Será uma presença agradável, será ajudado quando precisar e terá o melhor circulo de amigos que alguém pode ter, além dos melhores clientes. Suas fotos retratarão aquilo que pensa e que deseja da vida e do mundo! Também saberá dizer não para o seu cliente quando não se sentir “preparado” e “capaz” de entregar o resultado desejado. Conheça bem suas crenças, seus valores, sua história… Elementos que estarão presente nas suas fotos.

O segundo ponto, importantíssimo para quem está começando ou quer ser fotógrafo profissional é planejamento. Quantos fotógrafos e fotógrafas talentosos e talentosas ficam “pelo caminho” por falta de um planejamento para seguir na profissão. Todos temos nossas necessidades para viver. E nesse mundo cada vez mais materialista, “criamos” necessidades ilusórias. Planejamento não significa um ponto para iniciar e outro para chegada, mas deve incluir as “curvas e os perigos” desse caminho. Quando alguém me diz que comprou uma câmera e um flash e quer ser fotógrafo e percebo que não tem um planejamento logo penso “começou errado”!

Às vezes, para entendermos melhor certas situações precisamos ver de fora. Por isso, façamos aqui uma analogia da profissão fotógrafo com a de um marceneiro. Uma pessoa decide ser marceneiro e depois desse “start”, desse desejo, precisa fazer algumas perguntas a si mesmo. Tenho talento para ser marceneiro? Tenho já um conhecimento técnico bom para começar? Tenho as ferramentas que irei precisar? Que tipo de móvel irei fazer? Onde irei montar minha marcenaria? Na região que moro precisam de mais um marceneiro? Quem irá contratar meus serviços? Terei condições financeiras para montar uma marcenaria básica para começar? Terei condições financeiras de sustento se o início for difícil e o resultado demorar? Com quem poderei contar para me ajudar na produção dos móveis? Essas e outras perguntas precisam de respostas antes do novo marceneiro começar. Assim entrará não numa aventura, mas em algo idealizado e planejado.

Na fotografia não é diferente! Independente se você é jovem e está entrando na fotografia como sua primeira profissão, ou se começou em outra profissão e decidiu mudar para fotografia, ou se perdeu o emprego e decidiu ser fotógrafo… Não importa! Você precisa fazer um planejamento! E sugiro um bom planejamento! Não deixe perguntas sem respostas. Nos últimos tempos o acesso à fotografia se tornou mais fácil por conta da tecnologia digital, porém a permanência no mercado se tornou mais difícil pelo “inchaço” do mercado e uma mudança cultural (mas esse é assunto para um outro artigo). Esteja preparado, e não será da noite para o dia, mas vá sempre aprimorando e seguindo o seu planejamento. Comece buscando de forma humilde conhecimento, não só conhecimento técnico, mas principalmente conhecimento cultural e acadêmico. O ato de fotografar para um fotógrafo profissional é a menor parte do tempo. Na maior parte do seu tempo você estará trabalhando em outras “frentes”, tais como: Administrar, sim você será um administrador e terá que ser muito bom! Tem que pensar como administrador o tempo todo. Vendedor, precisa saber vender o seu produto criado ou criar junto ao seu cliente. Analista financeiro, você dará valor a cada centavo que conquistar e que precisará gastar. Noções de marketing, se você for bom no que deseja fazer, o “mundo” tem que saber disso, mas seja ainda mais certeiro, quem precisa de você deve saber da sua existência. Um pouco advogado”. Você tem que conhecer as leis que envolvem a sua profissão. Leis de direito autoral, leis de direito e uso de imagem o código de defesa do consumidor. E terá que ter uma empresa constituída de maneira formal e legal e uma consultoria do Sebrae pode te ajudar nessa parte.

Com tudo isso, mas que nunca é essencial um planejamento. Talvez você não consiga exercer todas essas funções, conheço muitos colegas que não conseguem e em alguns momentos nem eu consigo. Nesse caso você precisa contratar a ajuda de terceiros e isso se faz importante de acordo com o “estágio” do seu planejamento e da sua empresa. Para crescer precisará de parceiros e uma boa equipe. E te lembro o que escrevi no início do texto, tenha por perto pessoas éticas, eles serão parte da sua vida profissional. Aqui nesse artigo não tenho como indicar um planejamento “certeiro”, já que depende muito da realidade social e objetivos na fotografia de cada indivíduo. Mas um bom caminho para começar é pensar em que área da fotografia deseja atuar, então a partir daí já pode pensar em planejar, investir em formação técnica e administrativa, em estrutura e equipamentos, de quanto financeiramente precisa investir, quando terá um retorno disso tudo. Um “termômetro” para saber se está trilhando pelo caminho certo é avaliar com o tempo se a sua qualidade de vida não caiu com a investida!

Ufa! Parece terrível! Mas, calma! Não é. Minha ideia não é assustar ninguém. As necessidades vão surgindo (espero não de surpresa!) e vamos nos adaptando e corrigindo os erros. Mas um bom planejamento torna tudo mais fácil e agradável. A grande maioria dos fotógrafos que conheço tem muito amor pela “arte” de fotografar. Alguns excelentes fotógrafos e nem sempre bons administradores. Mas cuidado para não entrar “somente” pelo o lucro, a fotografia precisa atender às suas expectativas e necessidades, e você fotógrafo a dos seus clientes não esqueça disso. Você não será contratado para fazer somente “o que gosta”, mas para fazer o que o cliente deseja e espera. Um fotógrafo é “curioso” e observador, enxerga o mundo em ângulos diferentes e além do “normal”. Comece com humildade e persistência! Leia, leia e leia! Estude arte! Estude história! Tenha boas referencias! Ouça as críticas e saiba “filtrá-las” também!

Meu filho está cursando o segundo ano da universidade, antes de ele entrar orientei para buscar fazer na vida o que daria prazer a ele. Caso não desse o retorno financeiro que esperava, adaptasse à vida a nova realidade. Porém, se o que ele for fazer não lhe der mais prazer, reprograme a vida! E seja feliz!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Romero Cruz

Romero Cruz, jornalista formado pela Universidade Anhembi Morumbi-SP e fotógrafo há mais de 15 anos já “experimentou” diversas áreas da fotografia. Como o editorial, social e gastronomia além de “tocar” alguns projetos autorais. Na vida ele compartilha duas paixões, a família e a fotografia que veio como “herança” do pai também fotógrafo.

16 Comentários

Clique aqui para comentar

Carrinho