Home » Inspirações » Entrevistas » Entrevistando os Fab5, #05: Nikon

Entrevistando os Fab5, #05: Nikon

Quinta e última parte das entrevistas do Dpreview, a marca abordada desta vez foi a Nikon, uma das mais presentes do mercado da fotografia.

de Barney Britton
via Dpreview

 

A CP+ Show 2014 em Yokohama, Japão, praticamente acabou de fechar, mas entre as visitas aos diversos estandes que o Dpreview visitou, tiveram tempo para sentar com quatro executivos da Nikon para obter os seus pensamentos sobre o estado do mercado, oportunidades futuras e ao inevitável encontro de stills e vídeo.
[adaptado do texto original]

logo Nikon

“Nossas câmeras precisam evoluir

 

A indústria de câmera está sendo um desafio no momento, com vendas de câmeras compactas, em particular, diminuindo drasticamente. Qual é a sua opinião sobre o mercado atual?

Existem certamente mudanças no mercado, tais como o declínio das compactas, e também quando você olha para o número de unidades vendidas, o mesmo declínio foi visto também em câmeras de objetiva intercambiável. Então, houve mudanças, e há regiões que não estão indo bem como pensávamos, como a China, mas essa situação especificamente acreditamos ser temporária.

Nossa missão é continuar a responder às necessidades e demandas de vários usuários em vários países ao redor do mundo.

Qual a importância da China para você?

É o mais importante dos mercados emergentes porque tem o potencial mais elevado. Quando eu digo “potencial”, não estamos apenas falando sobre as cidades, como Xangai e Pequim, mas também a grande população do interior.

Você vê as mesmas tendências do mercado em todo o mundo?

As tendências diferem pela geografia. Se tomarmos o Japão como um exemplo, as DSLRs têm se saído bem recentemente, auxiliadas por políticas económicas introduzidas pelo Governo. Nos países emergentes, o crescimento não é tão rápido como nós esperávamos, mas ainda há um crescimento lento. São os países desenvolvidos onde estamos lutando, e nós estamos vendo o declínio em algumas áreas.

As tendências são diferentes por categoria de produto, também. Por exemplo, com mirrorless, a situação difere muito pela geografia. No Japão e na Ásia as mirrorless ainda estão crescendo, mas na Europa e nas Américas, incluindo América do Norte, nós percebemos que o mercado de mirrorless está encolhendo.

Você mencionou que as políticas econômicas no Japão têm ajudado a vocês — pode entrar em detalhes?

O ajuste do iene foi importante — com o iene mais fraco agora, as empresas estão prosperando novamente, e os preços das ações refletem isso. Essa situação estimula a confiança do consumidor. Teremos também um aumento do IVA (Imposto sobre Valor Agregado) em abril, de 5% a 8%, assim nós vimos uma corrida na demanda interna antes que entrasse em vigor.

Quando você está na fase de planejamento de um produto, você toma decisões sobre para quais países vocês vão direcioná-lo?

Tomamos — nós pensamos sobre o usuário de destino e temos estratégias que diferem pela geografia, então sim.

Vocês têm produtos que só são comercializados em determinados territórios?

Quando lançamos alguns produtos nós estamos cientes quanto a onde no mundo essa câmera pode ser popular, mas não definimos público específico para produtos dessa forma. Mas podemos oferecer certas variações ou estilos de cor exclusivamente em alguns territórios, como motivos floridos na Europa e na Índia, por exemplo.

Por que você acha que as mirrorless têm sido relativamente lentas no ganho de popularidade na Europa e na América?

Vamos falar sobre a América do Norte, porque essa é uma das piores regiões quando se trata do mercado de câmeras mirrorless. O mercado para nossas câmeras mirrorless não está crescendo lá. Ainda estamos estudando as razões, mas acreditamos que os clientes norte-americanos acreditam que, se eles querem uma qualidade de imagem, supõe-se que comprarão DSLR, não mirrorless. Na realidade, mirrorless pode oferecer alta qualidade de imagem, é apenas um sistema menor, mas os clientes norte-americanos não vêem dessa forma.

Então você acha que na América seus clientes igualam tamanho físico com qualidade?

Talvez, sim. Fizemos alguns estudos em que apresentaram os consumidores com uma DSLR e com uma câmera mirrorless e lhes perguntamos se a qualidade de imagem era a mesma, e qual eles escolheriam, e, geralmente, eles escolheram a DSLR. Perguntamos a eles o porquê e eles disseram ‘claro que maiores são melhores!’ — nós ouvimos literalmente essa resposta de um cliente.

Na Europa, as vendas de DSLR são fortes, especialmente entre as mulheres. Então, talvez usar uma DSLR seja um mais um símbolo de status para alguém que quer se tornar um fotógrafo melhor, em comparação com mirrorless.

Agora mais do que nunca fotografias são tiradas e compartilhadas. Esta é uma grande oportunidade para vocês, em teoria. Como vocês estão aproveitando-se dela?

Uma das maneiras como nós estamos abordando a enorme popularidade de compartilhamento de imagens é criando afinidade entre nossas câmeras e dispositivos móveis, como smartphones. Acreditamos que os smartphones são uma oportunidade. Nós costumávamos pensar que eles eram uma ameaça quando surgiram pela primeira vez, mas agora nós pensamos que ter uma boa afinidade com smartphones é uma grande oportunidade, e é por isso que temos [hoje] recursos como Wi-Fi incorporado em nossos compactas e DSLRs.

Quão importante é a captura de vídeo para os seus utilizadores não profissionais?

Depende da categoria da produto, e da geografia. No Japão, por exemplo, os nossos clientes dão menos importância a funções de vídeo, em comparação com os consumidores nos países ocidentais. Para muitos clientes ocidentais a gravação de vídeo é uma prática diária. Nós introduzimos o recurso de vídeo na maioria de nossas câmeras, mas o promovemos com ênfases diferentes, dependendo do mercado com o qual queremos conversar. E o desempenho em vídeo está melhorando o tempo todo.

Quando vocês adicionaram pela primeira vez o recurso de gravação de vídeo em suas DSLRs com a D90, criaram uma nova equipe especificamente para vídeo?

Não, como tal, não. Montamos uma equipe para a D90, e alguns da equipe trabalharam na função de vídeo. Depois disso, as equipes dedicadas a vídeo apenas tiveram uma espécie de evolução, porque precisávamos ter um grupo de pessoas que poderiam responder às solicitações que se seguiram ao lançamento da D90. Então, agora, de fato, nós temos uma equipe que trabalha exclusivamente em vídeo.

Que desafios o vídeo cria nesses dias quando vocês estão projetando câmeras still?

Podemos dar três exemplos, nos quais estamos trabalhando ativamente. Em primeiro lugar, a maior diferença entre fotos e vídeo, em termos de desafios de projeto, é atualmente o áudio. Som importa muito, assim, minimizar o som do autofoco, por exemplo, é um desafio.

Outro desafio está na velocidade de foco. Para fotografar imagens fixas, foco rápido é melhor, mas em vídeo você está focando enquanto filma, a velocidade de foco tem de ser apropriadamente mais lenta. Isso é algo que estamos tentando otimizar.

Em terceiro lugar, a saída do conteúdo para a televisão, e há tantos tipos de saída de TV, e temos de estar cientes de coisas como a calibração de cores.

A Canon está colocando muita energia no Cinema EOS. Há uma oportunidade para a Nikon na área de vídeo profissional?

Quando fizemos a D800 tivemos uma boa resposta do mercado para a funcionalidade de vídeo, o que naturalmente nos leva a considerar os próximos passos em termos do que devemos fazer com o vídeo. Estamos considerando várias opções, e estamos ouvindo as vozes de nossos clientes. Mas não é realmente sobre o que fazer para competir com a Canon.

Uma coisa que encontramos em nossos testes é que as câmeras mirrorless têm uma grande vantagem sobre DSLRs em termos de precisão de focagem automática. Conforme a resolução dos sensores aumenta, como vocês estão abordando isso nos projetos de suas DSLRs?

Estamos abordando isto desenvolvendo o foco automático em ambas as categorias. O foco automático em mirrorless é muito preciso, como você diz, e em alguns casos excede a precisão do AF de uma DSLR — por exemplo, na nossa série Nikon 1. Mas quando se trata de pouca luz, o foco automático de uma DSLR é mais rápido e mais preciso, então isso depende. O principal objetivo com as nossos DSLRs é a melhor qualidade de imagem possível em fotos still.

Visto que vocês estão colocando sensores de altas e mais altas resoluções em suas DSLRs, estão tendo que mudar o seu processo de controle de qualidade para lidar com a necessidade de maior precisão?

Não especialmente. É muito rigoroso, já.

Olhando para o futuro cinco anos ou mais, como vocês acham que será para a mídia de notícias?

As habilidades exigidas dos fotógrafos vão mudar dramaticamente. Haverá menos separação entre tradicionais mídias de notícias de still e vídeo, e isso vai afetar os profissionais. Cameramen terão que ser capazes de competir muito bem em fotos e em filme, e vão exigir melhor equipamento.

Se os vídeos 4K e 8K se tornarão uma realidade prática no futuro, fotógrafos profissionais vão precisar de câmeras de still?

Stills continuarão a ser necessários por causa da velocidade. Não é apenas sobre a qualidade de imagem, a coisa mais importante é entregar imagens rapidamente. Assim, quanto maior o arquivo de imagem se torna, maior o gargalo. Esse é o desafio — como entregar arquivos grandes rapidamente para a cobertura de notícias com agilidade. Câmeras de still fazem isso muito bem.

No futuro, como vocês vão criar produtos para um público profissional que precisa de câmeras para capturar tanto fotos quanto vídeo?

Não podemos responder a isso especificamente, mas podemos dizer que vamos continuar a ouvi-los com muito cuidado. O feedback desses usuários é muito importante para nós e vamos usar o feedback de ambos fotógrafos, de still e de vídeo, para desenvolver nossas câmeras. E nossas câmeras precisam evoluir.

Se alguém lhe perguntasse por que eles deveriam comprar da Nikon, o que você diria a eles?

Se você quer uma boa qualidade de imagem, você deve escolher Nikon. Estamos muito confiantes na qualidade de imagem de nossas câmeras, que também incluem o processamento de imagem e as objetivas. A tecnologia óptica de nossas lentes é soberba. É por isso que você deve escolher Nikon. Outro recurso muito importante é o nosso legado de lentes Nikkor. Há um grande número de objetivas lá fora, novas e no mercado de usados. Há 55 bons anos existem as objetivas Nikon de montagem F, assim você pode usar objetivas de seu avô em uma nova Nikon DSLR que você compra hoje.

Quanto de negócios vocês perdem para fabricantes de objetivas de terceiros?

Não é uma quantidade significativa, nós acreditamos. Objetivas Nikkor têm um bom valor, mesmo que o preço seja mais elevado.

Falando em compatibilidade com objetivas antigas, quão bem tem se saído a Df para vocês desde seu lançamento?

Muito bem, estamos na verdade pedindo novamente à fábrica em alguns países. Mesmo no Japão, tivemos um momento difícil começando a coleta de amostras suficientes da Df para mostrar aqui na CP+ para os nossos visitantes. Se você pedisse uma Df agora no Japão, você teria que esperar cerca de dois meses. Então, se você pedir agora você provavelmente acabar pagando 8% de IVA!

A Df está provando-se muito popular, especialmente entre as gerações mais jovens — tanto homens como mulheres. As pessoas mais velhas sabem que a Df parece com uma câmera tradicional, mas para os jovens o projeto é completamente novo e fresco.

Mesmo internamente, houve algum debate sobre como o conceito de esta câmera deve ser posicionado no mercado, mas ele saiu-se muito bem.

Em um mercado em mutação, que tipos de atividades de publicidade e marketing funcionam melhor para você?

Globalmente, a tendência está definitivamente indo para a publicidade on-line, e nós não somos exceção, então estamos utilizando diversos tipos de mídia para ser mais eficazes. Especificamente, se nós estamos falando sobre como comunicar os benefícios de um produto, é impossível fazer isso na imprensa agora. Para a linha Nikon 1, por exemplo, tivemos que criar vídeos e esses vídeos tinham que ir pra web.

Olhando para o futuro de alguns anos, o que o preocupa?

[Shigeru Kusumoto – Gerente Geral, Departamento de Marketing]  – Eu dormi bem à noite, mas quero saber quanto mais o mercado de câmeras compactas vai encolher, e eu me preocupo com a tendência negativa que temos visto recentemente em DSLR e sobre como isso vai desenvolver-se. As condições de mercado me preocupam acima de tudo.

Como vocês mantêm a rentabilidade neste tipo de mercado?

Fazendo o básico. Desenvolvemos nossos produtos de forma mais eficiente e reduzindo os custos, tais como o custo de componentes. A última coisa que devemos fazer é pedir aos nossos clientes que carreguem o fardo esgotando seu dinheiro.

Também estamos agregando valor pela diferenciação. Não é uma questão de quanto as pessoas estão dispostas a pagar pelo valor agregado, mas estamos bastante confiantes quando se trata de câmeras como a Df e Nikon 1. A Df ocupa uma posição única, e a 1 AW1, por exemplo, também é única. Estes são os tipos de coisas que acreditamos que os consumidores estão dispostos a pagar.

Olhando para o futuro, o que os deixa mais animados?

[Shigeru Kusumoto – Gerente Geral, Departamento de Marketing] – Pessoalmente eu fico mais animado quando eu penso sobre o planejamento de novas câmeras.

Vocês vão fazer uma substituta para a D300S?

Nosso comentário oficial sobre esta questão é que nós não somos capazes de fazer qualquer comentário sobre produtos futuros. Mas nós sempre consideramos todas as possibilidades para atender às necessidades dos usuários e as tendências do mercado. Estamos, naturalmente, considerando todos esses pedidos!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar