Home » Inspirações » Foto Arte » Max Seigal: a emoção da fotografia noturna

Max Seigal: a emoção da fotografia noturna 5/5 (2)

Seigal conta como fez algumas de suas fotos e dá ótimas dicas práticas para aqueles que querem produzir imagens noturnas belíssimas como as suas

 
via Nikon Rumors

 

Foi a foto mais difícil que eu já tinha criado. Sentei-me, encolhido na caverna, perguntando-me se as estrelas iriam jamais dar as caras naquela noite nublada. Era a Via Láctea, afinal de contas, que eu estava esperando para fotografar à noite, enquanto a luz pintava o kiva em primeiro plano [N.T.: kiva é uma espécie de anfiteatro onde indígenas realizam cerimônias religiosas e conselhos]. Meia-noite… ainda há estrelas… 01:00, 02:00… então eu ouço alguma coisa à distância. Trovão. Olho para fora, esperando que meus ouvidos tenham me enganado, e lá estava ele. Um clarão de relâmpago, quilômetros de distância, caindo sobre desfiladeiros distantes. O primeiro pensamento que me veio à mente — pânico. Aqui eu estava em um local muito remoto no Parque Nacional de Canyonlands, sozinho na escuridão da noite, e uma tempestade pesada vinha em minha direção. Será que eu tenho tempo suficiente para arrumar meu equipamento e correr para o meu carro? Esperei o próximo relâmpago, que brilhou apenas momentos após a primeira, mas parecia muito, muito mais perto do que o primeiro. A tempestade estava se movendo rápido, não havia nenhuma forma de correr mais que ela. Tive que armar minha barraca e esperar.

Os pingos de chuva começaram a surgir em torno da borda da caverna, então com quase nenhum aviso, chuva e granizo caindo pesados em todo canto, e relâmpagos crepitando quase logo acima de mim. Tudo aconteceu tão de repente, a tempestade estava se movendo incrivelmente rápido. O vento pegou e começou a uivar, tempestades de areia, poeira, chuva e granizo em todo o lugar. Minha câmera já estava em seu tripé, então eu percebi que eu iria abrir o obturador só para ver o que acontece enquanto eu me enrolar como uma bola para ficar seco. Eu sabia que a intensidade do relâmpago exigiria um ISO muito mais baixo do que o habitual para as minhas fotos noturnas, por isso deixei a câmera todo o caminho a ISO 400 (normalmente eu deixo em torno de 6400 para fotos noturnas), e configurei o f/stop da objetiva para f/5 (normalmente eu deixo em 2.8). Eu não tinha idéia se essas configurações eram adequadas, já que eu nunca tinha tentado tirar fotos a partir do meio de uma tempestade antes.

De repente, houve um estalo enorme de raio a poucos quilômetros adiante, tão brilhante que iluminou o canyon como luz de dia. Levantei-me de onde eu estava aconchegado, e eu sabia que se eu tivesse qualquer chance de fazer o trabalho desta foto, era agora. Peguei minha lanterna e comecei a pintar com luz a caverna [light painting]. Normalmente, apenas alguns segundos de luz são suficientes, mas com a minha câmera por todo o caminho até a ISO-400, eu rapidamente calculei que eu precisaria de várias vezes a quantidade média de luz necessária para “pintar” à noite. Eu estava correndo pra esquerda e pra direita, pintando tudo o que podia, tentando lembrar a quantidade de luz que eu tinha aplicado a diferentes áreas da caverna para que a exposição saísse uniformemente. Eu não tinha idéia se isso ia funcionar… Nunca tinha experimentado nada como isso antes! Finalmente, desliguei minha lanterna, cruzei meus dedos e fechei o obturador. Prendi a respiração e cliquei no botão de revisão na câmera. Inacreditável!! O clique foi mais surpreendente do que eu jamais poderia ter imaginado… o que é uma recompensa por tal esforço para capturar a foto.

 

(c) Max Seigal

Esta fotografia, mais tarde, ganharia o segundo lugar na edição 2013 do concurso de fotografia National Geographic Traveler, que recebeu mais de 15.000 inscrições este ano.

Uma hora após o Sol, a maioria dos fotógrafos está arrumando seus equipamentos e indo para uma refeição quente agradável e uma cama quente, mas não eu. Eu esperei o dia todo para que o sol mergulhasse no horizonte, e agora é hora de pegar a minha bolsa de câmera e começar a caminhada.

Normalmente, vou explorar um local durante o dia, à procura de ângulos exclusivos, perspectivas e temas para clicar, com uma visão em mente de como vai ficar durante a noite. Eu examino o assunto: serei capaz de iluminá-la com uma luz (como uma árvore, por exemplo) ou é muito longe ou muito difícil de iluminar, caso em que ele vai ficar completamente preto na foto (por exemplo , um cânion distante ou torre no deserto)? Em seguida, eu penso em como vou compor a foto durante a escuridão da noite. Uma composição que parece ótima ao sol não é necessariamente aquele que funciona à noite. Então, eu penso em como a iluminação vai afetar o assunto, onde a Via Láctea estará em relação ao motivo, em que ângulo a Lua vai aparecer, onde a poluição luminosa das cidades vizinhas pode aparecer na foto, e inúmeros outros elementos que não precisam ser contabilizados em sua fotografia de viagem diurna padrão.

Finalmente, há a questão de realmente encontrar o assunto que você observou durante o dia. Imagine que você está andando por um vasto deserto e avista a árvore perfeita, à distância. É garantida para fazer um clique noturno memorável – mas ainda é uma árvore solitária no deserto escancarado.

No segundo em que o sol se põe e você está andando em campo em breu com uma lanterna de cabeça que só lhe dá uma visão de 3m em qualquer direção, o simples ato de encontrar aquela árvore poderá muito bem ser a tarefa mais difícil da noite.

Há tantos fatores, tantos desafios que entram em jogo com a fotografia noturna, que quando você finalmente captura a foto perfeita, é muito mais gratificante.

 

(c) Max Seigal

Esta foto foi tirada do Annapurna Base Camp, no Nepal. Passei a noite do lado de fora em temperaturas abaixo de zero, à espera da Lua estar no ângulo certo para iluminar o enorme pico de 8.167 metros. Aqui, a única forma confiável de iluminação para a paisagem era a luz da Lua. Em uma noite sem Lua, as montanhas teriam sido perdidas: silhuetas negras contra a noite estrelada em segundo plano.

Como eu estava tremendo por horas no meio da noite escura e fria, eu tinha que fazer polichinelos entre os disparos para se manter aquecido. Aceitei-o como parte da dedicação necessária para obter o grande clique noturno acima.

 

(c) Max Seigal

Esta foto foi tirada no Double Arch em Arches National Park, Utah. A formação particular era difícil de iluminar uniformemente, porque o topo do arco atinge 148 pés de altura [N.T.: equivalentes a 45,11m]. A sua altura significa que requer significativamente mais pintura de luz no topo do que as porções inferiores do arco para conseguir uma distribuição uniforme de luz.

 

(c) Max Seigal

Passei vários dias de caminhada em torno de Fitz Roy no Chile em busca de grandes locais para fotografia noturna. Eu deparei-me com esta árvore na metade da jornada de oito quilômetros até a base da montanha. Eu sabia que ia ser um desafio encontrar a árvore no meio da noite, por isso tenho a certeza de memorizar marcos próximos para ajudar a encontrar o meu caminho.

À meia-noite, comecei a caminhar e rapidamente percebi que era uma experiência aterrorizante para tentar acompanhar a pequena trilha que segui pela floresta por quilômetros, sozinho no escuro. Depois de cerca de duas horas, finalmente comecei a reconhecer os marcos que eu tinha memorizado no início do dia e consegui capturar uma das minhas imagens favoritas de céu noturno até o momento.

 

rsz_seigal_05

Existem várias técnicas para a fotografia noturna — algumas mais puras e naturais do que outras. Enquanto muitos dos meus cliques só incorporam características naturais da paisagem, eu queria adicionar um elemento humano para este clique noturno. A ideia em minha mente representava a sinfonia do homem e da natureza, a relação integral entre nós e o mundo natural em que vivemos e da interligação da humanidade com o meio ambiente.

Eu procurei muito e bem por um assunto que poderia retratar essa mensagem. A árvore que eu encontrei, moldada por anos de ventos implacáveis ​​na borda do Canyon Negro em Gunnison, era perfeita para o clique.

 

(c) Max Seigal

Às vezes tudo vem junto e nenhuma quantidade de planejamento poderia ter criado uma fotografia mais perfeita. Passei a noite fotografando o Delicate Arch, em Utah, obtendo imagens do arco em contraste com a Via Láctea por trás dele. Como eu estava prestes a sair, eu pensei que seria divertido obter um autorretrato no cenário que eu mais amo – ao ar livre, perdido na vastidão da natureza e da noite. Configurei minha câmera e luz, desliguei o trigger, e rapidamente corri sob o arco para representar esta imagem.

Eu não tinha idéia de como ela ficaria, mas quando voltei para casa e baxei a imagem para o meu computador, vi que tudo tinha se unido por acaso para criar este convincente clique noturno.

Mais cliques divertidos à noite:

 

(c) Max Seigal

Chuva de meteoros Perseidas. Para esta imagem, eu tirei várias fotos durante a noite, e os quadros que capturaram um meteoro eu fundi num conjunto para obter um combnação da noite.

 

(c) Max Seigal
Noite na Onda
(c) Max Seigal
Rocha Bonsai (Bonsai Rock) – Lago Tahoe
(c) Max Seigal
Lua cheia brilhando atrás. Chapéu de urso (Bearhat) no Glacier National Park

A maioria destas imagens foram feitas com a D600, uma câmera cujas capacidades com pouca luz realmente me surpreenderam. Utilizei um leque de objetivas, incluindo Sigma 15mm Fisheye, Rokinon 14mm 2.8, e a Nikon 16-35mm f/4.

Mais do Max Seigal pode ser visto em seu site!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

Adicionar Comentário

Clique aqui para comentar