Home » Artigos » Artigos de opinião » Mirrorless vs. DSLR — parte 1

Mirrorless vs. DSLR — parte 1 5/5 (2)

Foi-se o tempo do abismo entre as câmeras mirrorless e as DSLR. Hoje cada uma tem consideráveis prós e contras.

 
de: Nasim Mansurov /Photography Life
imagem: Alessandro Veeck

 

Câmeras DSLR têm já em seus projetos algumas falhas e limitações inerentes. Parte disso tem a ver com o fato de que as câmeras SLR foram desenvolvidos inicialmente para o cinema. Quando o digital surgiu, foi tratado apenas como o velho filme filme e alojado em um mesmo corpo mecânico. Além do circuito necessário para um sensor digital e outros eletrônicos, novo filme de mídia digital e as costas LCD, o resto dos componentes de uma SLR não se alterou. Mesmo espelho mecânico, mesmo pentaprisma / visor óptico, o mesmo sistema de detecção de fase para a operação de focagem automática. Enquanto os novos avanços tecnológicos, eventualmente, levaram à ampliação dos recursos dessas câmeras (edição na câmera, HDR, GPS, Wi-Fi, etc), as DSLRs continuaram volumosas, por um par de razões. Em primeiro lugar, o espelho no interior câmaras DSLR tinha que ser do mesmo tamanho que o sensor digital, tomando muito espaço. Em segundo lugar, o prisma pentagonal que converte os raios verticais para a horizontal no visor também deve corresponder ao tamanho do espelho, deixando a parte do topo das DSLRs volumosa.

Por último, os fabricantes queriam manter as lentes existentes compatíveis com as câmeras digitais, de modo que a transição da película para o digital não seria muito caro ou muito limitante para o consumidor. Isto significa que os fabricantes tiveram que  manter também a “distância flange” (que é a distância entre o encaixe (mount) da câmera e o plano do filme/sensor) a mesma entre os dois formatos. Apesar dos sensores e objetivas menores APS-C / DX parecerem uma ótima maneira de reduzir o volume de sistemas DSLR, as preocupações quanto a distância flange/compatibilidade deixaram-nas fisicamente bastante grandes e pesadas. 35 milímetros, afinal, voltou com sensores digitais full-frame modernos, por isso os tamanhos dos espelhos e pentaprismas novamente voltaram ao que eram em dias de cinema. Por um lado, adotando o mesmo critério para a distância flange para compatibilidade máxima no uso de lentes entre filme, APS-C e DSLRs full-frame, sem a necessidade de re-design e reposição de objetivas no mercado para cada formato. Por outro lado, as DSLRs simplesmente não podem ir além de seus requisitos mínimos de tamanho e a presença do espelho é o que continua a torná-las muito mais complexas para construir e manter.

(c) Alessandro Veeck

Limitações das câmeras DSLR

Devido à dependência do espelho das DSLRs para visualização “através da lente”, elas têm as seguintes limitações:

  1. Tamanho e massa:

O sistema de reflexo precisa de espaço tanto para o espelho quanto para o prisma, o que significa que DSLRs terão sempre um corpo de câmera mais largo e uma parte superior saliente. Isso também significa que o visor deve ser fixado no mesmo lugar em todas as DSLR, em linha com o eixo óptico e sensor digital — basicamente, não há nenhum outro lugar para colocá-lo. Como resultado, a maioria das DSLRs têm aspecto exterior um tanto similar.

  1. Peso:

Grande tamanho e volume também se traduz em mais peso. Enquanto a maioria das DSLRs de nível de entrada têm um corpo de plástico e componentes internos para torná-los mais leves, a questão da altura e da profundidade mínima para abrigar espelho + pentaprisma / pentamirror significa muito espaço desperdiçado, que precisa ser coberto. Além disso, seria imprudente para cobrir uma área tão grande uma camada muito fina de plástico só para fazê-lo parecer menor/mais leve — a idéia subjacente de uma DSLR é robustez, mesmo em um corpo básico. Além disso, as objetivas de DSLRs são geralmente grandes e pesadas ​​(especialmente aquelas com um círculo de imagem completo que foram criadas para 35mm / full-frame), e, assim sendo, um corpo de câmera super leve resultaria em problemas de equilíbrio. Em essência, é o tamanho físico maior dos sistemas DSLR que afeta diretamente o peso.

  1. Desenho complexo do espelho e do obturador:

Cada atuação requer um movimento do espelho para cima e para baixo para deixar a luz passar diretamente sobre o sensor. Isso por si só cria uma série de questões:

    • Batida do espelho: a maior quantidade de ruído que se ouve em câmeras SLR vem do espelho batendo para cima e para baixo (o obturador é muito mais silencioso, em comparação). Estas batidas do espelho resultam em barulho alto e vibração da câmera. Embora os fabricantes tenham vindo com soluções criativas para reduzir o ruído, diminuindo o movimento do espelho (modo “Quiet” da Nikon, por exemplo), ainda é bastante alto. A vibração da câmera também pode tornar-se um problema quando se fotografa em distâncias focais longas e velocidades lentas. Mais uma vez, os fabricantes de DSLR tiveram que lançar mão de recursos como “travamento de espelho” (mirror lock-up) e “atraso de exposição” (exposure delay) para permitir que o espelho seja levantado e, após um intervalo de tempo configurado, feita a exposição — tudo para reduzir as vibrações.
    • Movimento de ar: como o espelho vira para cima e para baixo, move-se uma abundância de ar no interior da câmera. E com o ar também se move a poeira e outros detritos em volta, o que eventualmente acaba no sensor da câmera. Algumas pessoas argumentam que suas câmeras DSLR são mais adequadas para a troca de lentes que as câmeras mirrorless, porque há um espelho entre o sensor e o encaixe da objetiva. Pode haver alguma verdade nisso. No entanto, o que acontece com essa poeira após o espelho se mover dentro da câmara? Toda essa poeira vai, obviamente, circular pelo interior da câmera. Na minha experiência em fotografar com um certo número de diferentes câmeras mirrorless, eu achei que elas sejam de fato menos propensas a poeira do que qualquer uma de minhas DSLRs.
    • Limitação de velocidade de mecanismo: ao mesmo tempo que os modernos mecanismos de espelho e obturador são muito impressionantes, eles são limitados pela velocidade física em que o espelho vira para cima e para baixo. Quando a Nikon D4 dispara a 11 quadros por segundo, o espelho, literalmente, vai para cima e para baixo 11 vezes dentro de cada segundo, com o obturador abrindo e fechando no meio! Tem que haver uma sincronização perfeita entre o espelho e o obturador, de modo que tudo isto funcione. Dê uma olhada no vídeo abaixo, que mostra isso em câmera lenta (pule para 0:39):

Agora imagine esse processo a 15-20 vezes por segundo — o que é provavelmente fisicamente impossível.

    • Caro para construir e manter: o mecanismo de espelho é muito complexo e é composto de dezenas de peças diferentes. Por causa disso, é caro para construir e fornecer suporte técnico, se algo der errado. Desmontar uma DSLR e substituir componentes internos pode ser muito demorado.
    • Sem pré-visualização ao vivo: quando se olha através de um visor óptico, é impossível ver como a imagem vai ficar, ao final. Você tem que olhar para o medidor da câmera (que pode ser enganado em algumas situações) e ajustar a exposição de acordo.
    • Precisão do espelho secundário e da detecção de fase: você já deve saber que todas as câmeras DSLR com sistema de foco automático por detecção de fase (mais sobre isso abaixo) necessitam de um espelho secundário. Eu [Nasim Mansurov] escrevi sobre isso em detalhes no artigo “Como funciona o AF por detecção de fase” [eng]. Em suma, parte da luz que chega ao espelho acaba no pequeno espelho secundário que fica em um ângulo diferente do espelho primário. A finalidade do espelho secundário é passar a luz que entra para os sensores de detecção de fase que estão localizados na parte inferior da câmara. O problema com o espelho secundário é que ele tem de ser posicionado a um ângulo e uma distância perfeitos para a detecção de fase funcionar com precisão. Se houver mesmo um ligeiro desvio, isso irá resultar em foco perdido. E, pior ainda, os sensores de detecção de fase e o espelho secundário têm de ficar perfeitamente paralelos uns aos outros. Se não o fizerem, alguns pontos de focagem automática podem ser exatos, enquanto outros vão constantemente perder o foco.
    • A questão da detecção de fase e da calibração de objetivas: o problema com o sistema de detecção de fase das DSLRs tradicionais, não só se encontra nos problemas de alinhamento espelho secundário, mas também em requerer objetivas devidamente calibradas. Torna-se um jogo de mão dupla — foco preciso requer ângulo perfeito e distância perfeitos do espelho secundário para os sensores de detecção de fase (como explicado acima), e requer uma objetiva devidamente calibrada para o corpo. Se você teve problemas de precisão de focagem automática com as suas lentes no passado, você pode ter tido a experiência de enviar seu equipamento para a fabricante. Muitas vezes, os técnicos de suporte irão pedir que a objetiva em questão seja enviada juntamente com o corpo da câmera. Se você se perguntou por que antes, agora você tem a resposta — existem basicamente dois lugares onde as coisas podem dar errado. Se o técnico ajusta sua lente para o seu ambiente de câmera padrão e sua câmera é um pouco fora do tal padrão, seus problemas podem piorar ainda mais depois de tal ajuste. É por isso que é melhor calibrar a câmera e a objetiva juntas para resolver essas discrepâncias.
    • Preço: embora os fabricantes tenham se tornado muito mais eficientes ao longo dos anos em termos de produção DSLR, a montagem do mecanismo de espelho não é uma tarefa fácil. Lotes de componentes em movimento significam sistemas de montagem de alta precisão, a necessidade de lubrificação em áreas onde componentes metálicos vão friccionar-se uns contra os outros, etc. Por outro lado, tudo isso resulta em aumento dos custos de produção. E não pára por aí — se alguma coisa der errado com o mecanismo de espelho, o fabricante deve reparar ou mesmo potencialmente substituí-lo, o que é uma tarefa muito trabalhosa.

[divider]

Na parte 2 veremos quais as vantagens das câmeras sem espelho — e já está no ar, vejam aqui!

E lembrando: quaisquer toques sobre eventuais erros/imprecisões na tradução, podem passar nos comentários ou por onde preferirem! ;)

Ajude-nos, avalie este artigo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no blog da D&M Photo.

19 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Eu sou um mero apertador de botões, como diz Itamar Sales, por outro lado sou curioso, querendo entender alguma coisa a respeito de fotografia, inscrevi-me em vários cursos pela inernet, paguei e fui enrolado. Mas estou gostando destes artigos que estou recebendo. Desculpe a minha ignorância, mas eu queria saber o verdadeiro significado das iniciais: SLR e DSLR que sempre vêm nas câmeras digitais. Abraço, Aires Teixeira

  • Não gostei. O autor trata com extrema parcialidade e pessoalidade suas impressões a respeito das DSLR.
    Além disso, toda a história da fotografia está intimamente ligada aos equipamentos fotográficos e grandes fotógrafos (que fizeram fotografias memoráveis com tais equipamentos). A maioria dos leitores se quer sabe como se deu todo o desenrolar da evolução da fotografia, começando por Joseph Niépce, até Sebastião Salgado, por exemplo. Ou seja, pessoas mal informadas podem ser facilmente convencidos a aceitar uma ideia carregada de emoções (principalmente se forem meros apertadores de botões).

    Sinto muito se estou dizendo isso dessa forma. Foi o pior artigo que trata de fotografia que li em toda a minha vida.

  • Ola! Excelente esses tópicos! Tenho as duas Uma DSLR e uma Mirroless. Ambas são excelentes. Vou mais para a questão da conveniência do momento, do que vou fazer, de local etc. em alguns casos acho mais dificil utilizar a Mirroless em função de reflexo no visor, mesmo alterando a posição, qdo utilizada na rua com iluminação natural, ai prefiro a DSLR. Ja em ambientes internos, com iluminação artificial a NEX produz resultados de excelente qualidade.Parabéns pelos artigos!

  • Alexandre, muito bom e oportuno o artigo! Não conhecia seu trabalho, só agora recebi o link pelo fotografia DG. Quanto à vibração do espelho, esse problema é 100% resolvido com o live view e o temporizador, correto? O live view automaticamente levanta e trava o espelho, além de, assim, impedir a infiltração de luz pelo visor ótico. O único problema, acho, é o elevado consumo da bateria. Tá correto o meu pensamento? Obrigado! Abraço!

    • Mas fotografar com Live View tem seus pontos negativos (como o maior uso de bateria que citou), e não dá para ficar sempre usando esse recurso, e menos ainda temporizador, concorda? ;)

  • Nossa, adorei o Website, tirei muitas dúvidas sobre as DSLRs e as Mirroless, amo fotografia e acabo de ganhar a minha primeira DSLR.

  • Eu li seu blog (muito bem escrito por sinal!) mas ainda tenho uma súvida.
    Estou migrando da minha D5000 para uma mirrorless (ainda não escolhi o modelo exatamente).
    Gostaria de saber se eu consigo usar minhas lentes da DSLR em uma mirrorless.

    Obrigada!

    • Que me recorde não criaram ainda nenhuma mirrorless que possa utilizar objetivas de DSLR sem auxílio de adaptadores. A Canon possui adaptador que ainda permite utilizar objetivas EF sem perder o foco automático, mas salvo engano meu a Nikon não o fez — mas é bom você averiguar isto.

      De qualquer forma, é possível comprar um adaptador com confirmação de foco, o que não será o mesmo que um com AF, mas será ajuda para caso o AF não seja primordial para as situações em que for usar mirrorless.

      • Só a Pentax criou uma mirrorless que usa a mesma baioneta da sua DSLR, permitindo o uso das lentes sem nenhum tipo de acessório. Parece prático mas é algo que termina tirando o propósito destes sistemas compactos que é o de usar câmeras menores e mais leves com lentes igualmente menores e leves.

  • Adorei sua análise. Já li os 3. Confesso que estou dividida ainda entre a onda da mirrorless e a DSLR FF. Minha dúvida é porque a Sony me parece uma das tops nesse novo sistema e ela não possui a mesma facilidade de acesso a acessórios e objetivas como a Canon ou Nikon. Talvez valha esperar a Canon avançar mais nos modelos mirrorless pra seguir na marca que já trabalho. Você sabe se me engano nesse quesito?