Home » Artigos » Dicas » O Olhar Fotográfico

O Olhar Fotográfico 5/5 (1)

Por mais detalhado que alguém possa descrever um determinado acontecimento, jamais será tão preciso quanto registrá-lo em imagens. No contexto de uma foto está o tempo, a história, a vibração, os sentimentos, a grandiosidade da vida, ou seja, muito mais do que uma simples imagem impressa num papel.

Existem fotógrafos que se especializam nos mais diversos assuntos, do clássico ao fotojornalismo, como fotografias do cotidiano, de celebrações, paisagens, esportes, shows, moda, gastronomia, fundo do mar, fotos aéreas, rostos, guerras e até partos. Mas há um campo que ela abrange que não propõe apenas mostrar beleza, e sim refletir sobre os problemas e valores da convivência humana.

A chamada “Fotografia Humanizada” busca retratar os sentimentos na sua forma mais natural e verdadeira. Alegria, euforia, sorrisos, vitórias, assim como dores, aflições, angústias e tristezas estão intrínsecos, dando sentido humanitário a essa forma de arte.

Captar as expressões das pessoas nas mais diferentes situações, como em catástrofes, miséria, desafios radicais, superação de limites nas práticas esportivas, e muitas outras, pode resultar num trabalho fotográfico espetacular.

na-final-da-luta-olimpica

As fotografias de esportes, por exemplo, têm características como ação, velocidade e dinamismo. O fotógrafo precisa estar atento, pois os lances são únicos.  São fotos onde o profissional capta o ser humano em seu limite, expressões faciais decorrentes de esforço, dor de uma contusão, busca de um recorde, fadiga, alegria por uma vitória ou decepção pela derrota. Estas são algumas das faces da fotografia esportiva.

Esportes como natação, mountain bike, futebol, paraquedismo, hipismo, skate, esqui, lutas, automobilismo, sinuca, poker ou uma infinidade de outros, já foram assunto para fotos memoráveis. Algumas ficaram registradas na história, assim como o nome do fotógrafo que clicou o momento.

Mas estas fotos não vão ser usadas somente pela mídia ou pelos fãs, para divulgação ou álbum dos atletas. Um bom exemplo é o que o Full Tilt Poker, um dos maiores sites de poker online do mundo, fez com fotos de jogadores. A empresa foi uma das precursoras em utilizar fotos realistas com o objetivo de humanizar o poker online.

poker-chips-small-85919

Como neste esporte existem expressões envolvidas e muita tensão, inclusive para determinar certas jogadas (como o blefe), e no online elas não podem ser vistas pelos oponentes, as fotos fazem o papel de trazer essa atmosfera ao jogo.

Outro trabalho fotográfico que ganhou caráter social foi o do fotógrafo holandês Jan Banning. Ele fotografou moradores de rua de uma forma diferente, esquecendo os cenários comuns e os tons em P&B normalmente usados nestas fotos. Assim como outros modelos, levou estes moradores para um estúdio, destacando assim, a igualdade entre os seres humanos.

Pierre-e-Cinthia-Canadá

Banning, juntamente com o seu assistente, fez mais de 100 retratos percorrendo a Carolina do Sul, Georgia e Mississippi, nos Estados Unidos.  Esse trabalho criou a série “Down and Out in the South”, que em 2013 se tornou um livro com 42 fotografias. O fotógrafo fez questão de entregar a cada morador de rua uma cópia de seu retrato.

João Roberto Ripper, o fotodocumentarista brasileiro, faz do seu trabalho uma reflexão sobre a realidade. Temas sociais e lutas políticas são as suas principais características, mesclando comunicação e direitos humanos.  O olhar trazido pelo fotógrafo promove um debate sobre as necessidades básicas, a discriminação social e a relação entre homem e natureza.

IH004506

Apesar de ter uma longa carreira nessa área, foi apenas em 2009 que Ripper fez sua primeira exposição individual, publicando o livro “Imagens Humanas”, com 195 fotos, escolhidas a partir de um acervo de 150 mil imagens.

Já o trabalho de Paul Goldstein, fotógrafo especializado em vida selvagem, teve uma proposta inusitada. Acostumado a fotografar animais em seu habitat natural, ele mudou de posição e ficou em frente à câmera para denunciar a extinção de espécies de tigres.

MANDATORY CREDIT: Barry Chapman/Rex Features. IMAGES OUTSIDE OF PRINT NEWSPAPER SUBSCRIPTIONS. FEES APPLY FOR UNIQUE IPAD USE.  Mandatory Credit: Photo by Barry Chapman/REX (3612933a)  Paul Goldstein trains in his tiger suit near the Taj Mahal, Agra  Tiger Spirit: Paul Goldstein Trains for Epic British Charity Runs  He has already climbed Kilimanjaro in his ten-foot tiger suit and roared through nine marathons - but now wildlife photographer is about to embark on his most ferocious challenge yet.    These stunning pictures, taken this week, show the Exodus safari guide training near the Taj Mahal for a punishing week-long charity challenge that will see him run the Brighton marathon, make his way to London on foot, then run the London marathon - all wearing the iconic big cat on his back.    There will also be the small matter of presenting a lecture on endangered predators and wildlife photography at London's Royal Institution on the Thursday inbetween.    Over the last four years Paul has raised over GBP 100,000 for his beloved tiger charity 'Worth More Alive' in Bandhavgarh, India. The money raised is used for schools, digging boreholes and clinics.    The Wimbledon-based 52-year-old explains: "I have two wonderful young sons. I would like them to see a tiger in the wild when they are a little older. Currently I am not that hopeful thanks to the ravages of traditional Chinese medicine and rampant poaching."    Paul is passionately outspoken on the plight of the tigers and believes pity for them is fine, but more action is needed to stop poachers.    "It is all very well the Royals getting awfully cross about the illegal trade in animal parts but we have to do more than anger and celebrity crocodile tears. It is about shaming the perpetrators of this despicable trade and then going after the poachers."    He has taken the suit and a touring party to Bandhavgarh where he will play in a ye...  For more information visit http://www.rexfeatures.com/stacklink/KLMIIKLPY

Para isso ele usou, nas fotos, uma capa de tigre e fez o ensaio em vários lugares do mundo. Assim, a fotografia serviu como ferramenta para Goldstein denunciar o tráfico ilegal de animais e as espécies em extinção.

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Diogo Guerreiro

Diogo Guerreiro é o fundador do Fotografia-DG e tem como objetivo a divulgação prática e profunda de técnicas, dicas e recomendações de novas tendências da área do mercado.

2 Comentários

Clique aqui para comentar

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar