Peaking Focus – O segredo do foco perfeito 4.93/5 (29)

Você já percebeu como é difícil cravar o foco usando uma DSLR com uma lente ultra-luminosa, tipo uma f/1.2? Nessa condição a profundidade de campo é muito rasa, tanto para o sistema de autofoco quando para o visor ótico reflex. A solução nas DSLRs é usar o modo live view, mas a pegada da câmera fica comprometida e o monitor pode sofrer com reflexos – nada disso não ajuda muito na precisão.

Legenda: Peaking focus mostrado no visor eletrônico de uma Mirrorless Fujifilm X-T1. Fonte: Livro Mirrorless – A evolução das câmeras fotográficas.

Entre no nosso grupo WhatsApp sobre Mirrorless para tirar dúvidas comigo e para receber conteúdo exclusivo: https://chat.whatsapp.com/7tTTk9TDUg42rFEYxMuFaE

A melhor câmera para abusar das grandes aberturas é uma Mirrorless com um bom visor eletrônico. E a coisa fica ainda melhor usando o sistema de visualização de foco chamado de peaking focus. Ele funciona assim: o sensor fotográfico varre os índices de contraste entre os pixels e ressalta com um pico luminoso os pixels mais contrastados. Por isso o nome, já que peak quer dizer pico em inglês. Maior contraste significa maior nitidez e isso indica o foco. Ou seja, o sistema indica o foco ao nível de pixel e na fotografia digital, nada é menor que um pixel. É como se você fosse capaz de fazer foco nos grãos de prata dentro da emulsão de um filme fotográfico.

Legenda: O peaking focus ressalta exatamente a posição do foco e da profundidade de campo, independente da posição do assunto no visor. Fonte: Livro Tríade da câmera fotográfica.

Mesmo que você tenha uma DSLR, provavelmente no live view a opção estará disponível. Coloque sua câmera no modo de foco manual e procure no menu a opção peaking focus. Em muitas câmeras, é possível controlar a intensidade e até mesmo a cor de ressalto – minha favorita é a vermelha. Você perceberá de cara que algo mudou na visualização, ela parecerá mais granulada e, ao girar o anel do foco, você verá uma varredura “tridimensional” percorrendo e envolvendo os objetos na cena. Parece até aqueles sistemas de segurança a laser que aparecem em filmes de agentes secretos ou ficção científica.

Além disso, você pode usar a ampliação da visualização para obter ainda mais precisão. E alterando a abertura da lente você verá que o peaking focus mostra exatamente a profundidade de campo resultante. Isso é o máximo para fotografias com lentes luminosas, macrofotografia e controle tilt-shift. Se você nunca experimentou, experimente!

Ajude-nos! Avalie, compartilhe e deixe um comentário mais abaixo:

Romulo Lubachesky

Romulo Lubachesky é geólogo e fotógrafo, mas dedica-se principalmente a perpetuar o conhecimento sobre os processos do universo fotográfico através de aulas, palestras, artigos e livros. Autor dos livros A Tríade da Câmera Fotográfica e Mirroless - A evolução das câmeras fotográficas. E apresentador dos programas Assunto Principal e Odisséia Fotográfica na photostv.com.

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar