Home » Artigos » Dicas » A pressão de ser um fotógrafo profissional

A pressão de ser um fotógrafo profissional 5/5 (1)

Ultimamente eu ando pesquisando bastante online, seguindo várias conversas entre fotógrafos profissionais, amadores e iniciantes. Eu também ando ouvindo muitas coisas sobre pessoas que estão pesquisando algum fotógrafo para algum tipo de sessão.

Eu cheguei a uma conclusão, mas não tenho certeza se as pessoas irão concordar comigo.

Eu não sou um fã de do velho discurso “Durante o meu tempo …”, mas vamos colocar desta forma, a tecnologia teve um avanço maciço em muito pouco tempo, se você estiver em seus 30 anos ou mais, você vai entender o que eu estou tentando explicar.

A pressão de ser um fotógrafo profissional

Nós fomos da fotografia do filme ao Instagram em pouquíssimo tempo!

Isso é loucura! Isso revolucionou o mercado fotográfico em todos os sentidos.

Há alguns anos atrás, a fotografia era considerada “alternativa”, pessoas “diferentes”, “artistas” eram as pessoas que fotografavam. A fotografia também não era nada valorizada, era usada somente para a mídia e momentos como casamentos. Ninguém contratava um fotógrafo para fazer fotos de gestantes, por exemplo!

Esta nova geração está crescendo sob a influência de imagens e não palavras. Estamos ficando preguiçoso para ler artigos, mais do que nunca antes visto, atualmente uma imagem realmente fala!

Então, ganhamos muito neste ponto: a fotografia se valorizou muito! Porém, como tudo tem seu lado bom e ruim, o lado ruim veio junto.

Hoje em dia, fotografar tornou-se algo normal, e quase que banal (se posso dizer assim). Fotografar não é mais ser “alternativo e diferente” como hà alguns anos atrás, mas algo que quase “obrigatório”. Todo mundo fotografa, ou quer fotografar!

Frases do tipo: “Ah! Eu sempre gostei de fotografia!”, eu escuto sempre!

Como isso tudo afetou os fotógrafos profissionais? Muito, na minha opinião, pois nos dias atuais, a pressão em ser um fotógrafo profissional é tremenda! Por vários motivos.

Pois é, atualmente, qualquer pessoa pode fotografar, a facilidade que temos em comprar uma câmera boa, é tremenda. Com isso, vários iniciantes e amadores surgiram no mercado. O que não tem nada de ruim! Pelo contrário, descobrimos talentos maravilhosos que estavam escondidos por aí.

Não só novos fotógrafos surgiram no mercado, nossos clientes também são (ou acham que são) “experts” em a fotografia. Todo mundo se tornou um crítico, “sabe” como editar uma foto etc.

Eu escuto muitos clientes me “ensinando” como fotografar, ou me “dizendo” como querem suas fotos!

Com isso, a pressão de ser realmente bom e único é absurda!

Infelizmente, é difícil explicar para os clientes, especialmente porque, eles são “especialistas” no assunto. O que os profissionais precisam começar a fazer é, na minha opinião, educar nossos clientes. Primeiro eles precisam entender o valor de um verdadeiro fotógrafo profissional, coloque seu preço, no valor que você achar que VOCÊ vale! Eduque seu cliente, pois ele não entende tanto de fotografia assim, só porque ele comprou uma câmera boa e consegue fotografar com profundidade de campo.

Eduque seus cientes! Se todos nós fizermos isso, o mercado todo irá agradecer.

A outra dica vai para os iniciantes e amadores: primeiro que não há nada de errado nisso! Todo mundo começou do zero e todo mundo já foi iniciante e amador.

Mas eu vejo muitas atitudes erradas dessas pessoas, que se auto titulam “profissionais” sem terem qualquer experiência, ou depois de terem feito algumas sessões de seus amigos e/ou familiares. Não façam isso.

Se você é um fotógrafo amador, minha sugestão é se auto titular de amador ou iniciante, não há nada de errado com isso! Não tenha vergonha!

Isso te trará respeito no mercado, as pessoas gostam sim de ajudar quem inicia, peça ajuda, não cobre suas sessões, as ofereça de graça! Sim, as pessoas ajudam e irão te respeitar muito mais!

Na verdade, quando você se tornar um profissional, irá entender como isso afeta $$ (e muito $$) o mercado da fotografia lá fora!

E para você que já é profissional há um certo tempo e está super preocupado com os novatos no mercado, reveja seu trabalho, pois não deveria se preocupar com quem está começando.

E aos nosso clientes “experts” o que podemos fazer é tentar educá-los, não só no valor $$ do nosso trabalho, mas de como realmente é diferente o trabalho de um profissional do mercado. Eu já “perdi” clientes que, me falaram : ” Ah! a gente sempre gostou de fotografia! Compramos uma câmera excelente e agora não precisamos mais de fotógrafos profissionais”.

OI??

Enfim, isso irá acontecer sempre, não temos como evitar, temos como tentar controlar e mostrar nosso trabalho. Esse evento me fez sentar e rever meus trabalhos, com olhos bem críticos e ver valor no que eu faço. Me fez pensar muito e por isso eu resolvi escrever este artigo.

Boa sorte para todos nós!  Continuem fotografando!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Fernanda Chalise

Fotógrafa desde 2001, me apaixonei pela fotografia aos 14 anos de idade. Eu já fiz muitos trabalhos como freelancer em revistas, dei aulas de fotografia, e claro me dediquei a trabalhos pessoais. Hoje eu dou aulas particulares e estou mais focada em projetos pessoais. Trabalhar com um filme documentário sempre foi meu sonho, mas este eu ainda não realizei.

1 Comentário

Clique aqui para comentar

  • Agradeço seu texto, mas vou critica-lo, me permite?
    De que realidade voce fala e, qual o ponto a se entender, não consegui perceber. Mercado e clientes se organiza por duas frentes, de cima para baixo e separando os segmentos, e nos argumentos que leio não percebo esses ingredientes.