Artigos de opinião

Mirrorless vs. DSLR — parte 2

Nesta segunda parte da série, Nasim Mansurov enumera e explica as vantagens das câmeras mirrorless frente às DSLR.

 
de: Nasim Mansurov /Photography Life
imagem: Fujifilm
(perdeu a 1ª parte?)

 

Mirrorless serão a salvação?

Com o surgimento das câmeras sem espelho (daí o nome “mirrorless”), a maioria dos fabricantes já percebeu que os sistemas DSLR tradicionais não vão ser a força motriz das vendas de câmeras no futuro. Já faz sentido se considerarmos somente o ponto de vista do custo, mas se olharmos com atenção para o cenário de inovação atual, nos perguntaremos: onde estão as DSLRs? A cada geração de DSLRs, parece que estamos chegando mais e mais perto de bater no limite da inovação. Desempenho de focagem automática e precisão já praticamente chegaram ao limite. Processadores são rápidos o suficiente para pôr em marcha vídeos HD em 60p. Apenas para manter suas promessas e as vendas correndo, os fabricantes de câmeras têm recorrido a apenas remarcar a mesma câmera com um novo nome de modelo. O que mais há a acrescentar? GPS? WiFi? Compartilhamento instantâneo de fotos? Mais edição na câmera? São todos extras úteis, mas são inovações que vão realmente impulsionar as vendas futuras? Acho que não. Câmeras mirrorless abrem grandes oportunidades para a inovação no futuro e resolvem muitos dos problemas de DSLRs tradicionais. Vamos passar por cada ponto acima e discutir os benefícios adicionais das câmeras mirrorless:

  1. Menor tamanho/massa e maior leveza: remover o espelho e o pentaprisma libera uma grande quantidade de espaço. Isto significa que as câmaras sem espelho podem ser concebidas para serem menores, menos volumoso e mais leves em comparação com DSLRs. Com uma distância flange mais curta, o tamanho físico tanto da câmera quanto das objetivas é reduzido. Isto é especialmente verdadeiro para os sensores de tamanho APS-C (full-frame é mais difícil de tratar, como discutirei mais adiante neste artigo). Com menos espaço a desperdiçar, não há necessidade de robustez extra para dar a sensação de uma câmera maior. Câmeras mirrorless podem ser produzidas muito mais leves do que DSLRs.

Fujifilm X-T1 e objetivas Fujinon XC e XF

A ascensão dos smartphones como câmeras compactas nos ensinou uma lição muito importante — conveniência, tamanho pequeno e peso leve podem potencialmente sobrepôr-se a qualidade. As vendas das point-and-shoot estão significativamente baixas porque a maioria das pessoas constataram que seus smartphones são “bons o suficiente” para aqueles momentos instantâneos. Todos os fabricantes de smartphones estão atualmente investindo pesado nos recursos da câmera, porque eles querem que as pessoas pensem que eles não estão apenas adquirindo um telefone, mas também uma ótima câmera em um único pacote compacto. E, a julgar pelos números de vendas até agora, isso está funcionando bem — mais e mais pessoas estão abraçando smartphones e deixando suas câmeras aponte-e-dispare para trás. Simplificando, tamanhos menores e maior leveza em eletrônicos vêm ganhando na economia de hoje. Podemos observar a mesma tendência em muitos outros dispositivos — TVs mais finas e mais leves, tablets em vez de laptops, etc

Assim, as pessoas irão naturalmente atrás do mais leve e compacto, especialmente se a qualidade não for comprometida. 

  1. Nenhum mecanismo de espelho: sem mais um espelho pulando pra cima e pra baixo significa um monte de coisas boas: 

  • Menos barulho: não há mais batidas de espelho, apenas o clique do obturador é tudo que você ouve da câmera.

  • Menos vibração da câmara: ao contrário do espelho em um DSLR, o obturador por si só não produz uma grande quantidade de vibrações, resultando em menor trepidação da câmara.

  • Sem movimento de ar: uma vez que não há nada em constante movimento dentro da câmara de câmera, a poeira é menos que um problema (pelo menos na minha experiência).

  • Mais fácil de limpar, e se o pó acabar no sensor, a limpeza de câmeras mirrorless é mais fácil do que DSLRs. Você não precisa de uma bateria totalmente carregada para bloquear o espelho — o sensor é exposto depois de desmontar a lente. Além disso, a maioria das câmeras mirrorless não têm uma abertura sob o espelho para abrigar um sensor de detecção de fase e de outros componentes, de modo que há muito pouca chance de poeira circulando após a câmara e o sensor serem totalmente limpos.

  • Velocidade FPS muito rápida: ter nenhum espelho significa que a taxa de captura (fotos por segundo – fps) não tem de ser limitada pela velocidade de espelho. Isto significa que as câmeras mirrorless podem potencialmente capturar imagens a taxas muito mais rápidas do que as 10-12 fps que vemos hoje, com muito menos barulho.

  • Mais barato de construir e manter: menos peças móveis traduzem-se em menor custo de fabricação e suporte para o fabricante. 

  1. Live Preview: com mirrorless, você pode obter uma pré-visualização ao vivo do que você está prestes a capturar — basicamente “o que você vê é o que obtém”. Se você estragou o balanço de branco, a saturação ou o contraste, você vai vê-lo no modo de visualização ao vivo — seja no EVF (veja abaixo) ou o LCD. 

  1. Não há problemas de alinhamento de fase de detecção / espelho secundário: agora que muitas das modernas câmeras mirrorless estão sendo enviadas com sistema híbrido de focagem automática, que utilizam tanto detecção de fase e de contraste, você não precisa se ​​preocupar com o alinhamento da detecção de fase e do espelho secundário. Em uma série de câmeras de nova geração sem espelho, os sensores de detecção de fase encontram-se no sensor real, o que significa que a detecção de fase não precisará nunca ser calibrado para a distância, uma vez que fica no mesmo plano do sensor que capta a imagem. 

  1. Preço: a produção de câmeras mirrorless é muito mais barata do que a de DSLRs. Hoje em dia, a maioria dos fabricantes de câmeras mirrorless cobra preços pesados ​​para os seus sistemas de câmera, porque seus custos globais são elevados. Embora os custos reais de produção sejam mais baixos do os das DSLRs, as empresas têm que gastar muito dinheiro em Pesquisa & Desenvolvimento na melhoria do desempenho de focagem automática e outras tecnologias, como EVF. Além disso, uma vez que câmeras mirrorless são relativamente novos, as empresas têm de aumentar os seus orçamentos de marketing para educar os consumidores. No final das contas, no entanto, os preços de câmeras mirrorless vão cair para níveis mais baixos do que até mesmo DSLRs de nível de entrada. 

  1. Viewfinder eletrônico: agora vem a maior força das câmeras mirrorless e a inovação presente + futuro com ela. Sem dúvida, um EVF tem enormes vantagens sobre um OVF. Embora a implementação atual de EVFs possa não ser tão robusta e ágil como deve ser (ver abaixo), é apenas uma questão de tempo até que os fabricantes corrijam isso. Vamos ver alguns dos principais benefícios do EVF sobre OVF: 

    • Sobreposição de Informações: com OVF, você verá nunca mais do que algumas grades básicas. Há alguma informação estática apresentada no visor, mas é sempre fixa e não pode ser facilmente alterada. Com EVF, você pode obter todas as informações que você deseja exibir à direita dentro do visor — de dados de exposição ao vivo a histogramas. Diferentes avisos poderiam ser adicionados, como um aviso para um clique potencialmente borrado.
    • Live Preview: a mesma visualização ao vivo no LCD pode ser mostrada dentro do EVF.
    • Revisão de imagens: uma outra característica fundamental que você nunca vai obter em um OVF é a revisão de imagens. O quão legal seria ver a imagem que você acabou de capturar direito dentro do visor? Com OVF, você é forçado a olhar para o monitor LCD, o que pode ser bem doloroso em dias de sol. As pessoas acabam comprando um Hoodman Loupe apenas para ser capaz de ver a sua tela LCD à luz do dia! Com EVF, você nunca tem que se preocupar com isso, já que você pode usar o visor como alternativa para rever as imagens.
    • Focus peaking (pico de foco): se você não sabe o que é focus peaking, veja este vídeo no Youtube:

Basicamente, você pode cravar foco na realização de foco manual sem ter que depender de seus olhos. A área que está em foco é pintada com uma sobreposição de cores de sua escolha e você pode parar exatamente onde você quer que ele esteja [nota: numa Fuji X, pelo menos na X-M1, o focus peaking realça as bordas, não “pinta” o motivo em foco]. Você nunca seria capaz de fazer isso com um OVF em uma DSLR.

    • Sem preocupação com cobertura do visor: com OVF, você normalmente obter uma cobertura do visor por algo como 95%, especialmente em modelos DSLR low-end. Isto significa basicamente que o que você vê no visor é de cerca de 5% menor do que o que a câmera vai capturar. Com EVF, você já não tem esse problema, porque ele vai ter sempre uma cobertura de 100%, uma vez que o que você vê no visor eletrônico é o que o sensor irá capturar.
    • Display muito mais brilhante: se as condições de luz são pobres, você realmente  não pode ver muito através de um OVF. Focar com OVF com pouca luz também é difícil, porque você não pode realmente dizer se o assunto está em foco até que você tire a foto. Com EVF, os níveis de brilho podem ser “normalizados”, de modo que você possa ver tudo como se fosse a luz do dia. Algum ruído pode estar presente, mas ainda é muito melhor do que tentar adivinhar quando se olha através de um OVF.
    • Zoom digital: este é de longe o meu recurso favorito! Se você já usou um modo Live View na sua DSLR antes, você sabe o quão útil o zoom in pode ser. Com a maioria das DSLRs modernas, é possível aumentar o zoom para 100% e conseguir um foco realmente bem cravado. Bem, com câmeras mirrorless, esse recurso pode ser embutido no visor! Então, imagine-se focando manualmente com uma objetiva e, em seguida, dando um bom zoom a 100% dentro do visor antes de tirar a foto. Um número de câmeras mirrorless já são capazes de fazer isso. Nem precisa dizer que um OVF nunca seria capaz de ampliar assim.
    • Rastreamento de rosto/olho: agora estamos indo para a parte mais legal da tecnologia EVF. Porque o EVF mostra o que realmente acontece no sensor, e tecnologias adicionais para análise de dados podem ser utilizadas para fazer coisas muito legais, como acompanhamento de rosto e até de olho! Tenho certeza que você já viu rastreamento de rosto em câmeras do tipo aponte-e-dispare, mas se você tomar um passo adiante, você pode ter a câmera focando automaticamente o olho mais próximo da pessoa que você está fotografando. Como isso é legal? A Sony já está fazendo isso em suas câmeras Sony A7/A7R!
    • Pontos de foco potencialmente ilimitados: como você já sabe, a maioria das câmeras DSLR tem um número limitado de pontos de foco, que são distribuídos principalmente em torno do centro do quadro. Enquanto isso funciona na maioria das situações, o que você faz se você precisa mover o ponto de foco para uma fronteira extrema do quadro? A única opção é focar e recompor, mas isso nem sempre pode ser desejável, posto que você também está mudando o plano de foco. Além disso, fora do ponto de foco central qualquer coisa é tipicamente imprecisa e pode resultar em “caça de foco”, em que a câmera se esforça em conseguir foco indo e voltando continuamente. Com câmeras mirrorless e sensores de detecção de fase colocados diretamente sobre o sensor de imagem, esta limitação pode ser realçada. Detecção de contraste já é possível em qualquer lugar do sensor de imagem, enquanto a detecção de fase no sensor irá eventualmente chegar ao ponto em que os pontos de foco serão distribuídos em todo o sensor.
    • Rastreamento de Assunto e outras Análises de Dados Futuros: se coisas como rastreamento de rosto e ocular são possíveis com as câmeras mirrorless, você só pode imaginar o que os fabricantes de câmeras serão capazes de fazer no futuro. Produção de imagem aliada a um complexo sistema de rastreamento que combina inteligentemente dados do sensor com o autofoco para, com esta combinação, controlar um determinado objeto ou sujeito no quadro. Mesmo as DSLRs de linhas mais de topo têm hoje desafios com acompanhamento integral de sujeitos. Se você já tentou fotografar pássaros em vôo com uma DSLR, fazer rastreamento pode ser desafiador, especialmente quando o pássaro se move para fora da área do ponto de foco, ou quando as condições de luz são piores do que a  ideal. Se os dados forem analisados ​​a nível de pixel e não há nenhuma área de foco automático real onde se concentrar, o rastreamento de assunto poderia ficar super avançado com câmeras mirrorless.
    • Lesões oculares: quando se olha através de um visor, é preciso ser extremamente cuidadosos ao fotografar o sol, especialmente com as lentes de longa distância focal. Com EVF, a imagem é projetada através do sensor e não há nenhum dano para os seus olhos.
[divider]

Na próxima e última parte, veremos porque as mirrorless não são câmeras perfeitas e têm, sim, desvantagens frente às DSLRs, por mais que seus méritos sejam apaixonantes. Acessem: Mirrorless vs. DSLR — parte 3

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Também estou no Atelliê Fotografia.

20 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Na minha humilde opinião, ainda ha a questão do lag entre o que se vê no EVF e no pentagrama, ainda não vi nenhum Evf
    que consiga mostrar as imagens em tempo real.

  • Estou nas DSLR a 3-4 anos, e venho das point and shoot das baladas, e digo que o visor digital não da noção nenhuma para visualizar o que se está fotografando no escuro quase total, a menos que o preview do flash fique aceso enquanto se foca (como acontece nas cameras sony e é bem desagradável).

    Pode ser que as mirror less tenham inumerás vantagens para o futuro, porém nada se compara à visualização pelo pentaprisma.

    • No escuro quase total você consegue enxergar num visor óptico, é isso? Porque num visor eletrônico pelo menos você pode deixar ativada a compensação…

  • Adoro tirar fotografias, tenho conhecimento básico e só tiro no modo manual, mas não sou profissional dessa área…. Pergunto… Quem pode comprar um Bugatti Veyron, por que compraria um Fiat Uno só por ser pequeno e fácil de manobrar ???
    Respondo… Ele até poderá comprar o Fiat Uno, mas jamais ira deixar de usar o seu Bugatti…

  • Sinto muito. Acho que alguém está te (o autor) pagando muito bem pra escrever tudo isso. Seja imparcial nos seus argumentos. Não coloque tanta subjetividade. Texto extremamente pessoal.
    Você (o autor) está obrigando as pessoas a aceitar sua opinião a respeito desse tipo de câmera.
    Como você pode enumerar somente os contras das DSLR e esquecer as qualidades que tanto agradaram e vêm agradando profissionais e entusiastas da fotografia ao longo de décadas?

    • Itamar, preste atenção em duas coisas, uma antes de começar e outra após o fim do texto: primeiro, o que foi publicado aqui é apenas a tradução de um texto de Nasim Mansurov para o site Photography Life, acho que essa sua reclamação deve ser enviada diretamente a ele e não a nós, você está se referindo ao autor como se ele estivesse lendo a sua reclamação, mas ele não está lendo.

      Segundo, repare que existe uma parte 3 onde são enumeradas as vantagens das DSLR sobre as mirrorless. Do jeito que você coloca parece que o autor só enumerou vantagens das mirrorless sendo que o texto possui 3 partes. Então você deve analisar o texto como um todo, juntando as 3 partes. E se ainda assim considerá-lo tendencioso, envie sua reclamação diretamente a Nasim Mansurov ou ao site Photography Life, senão sua reclamação será em vão. A intenção dessa publicação aqui é meramente informativa, como tantas outras traduções de publicações internacionais já foram feitas aqui. Publicá-la aqui não reflete a opinião do Fotografia-DG, a intenção é meramente informativa, é a opinião de alguém que entende do assunto. Queira você concordar ou não.

      E mesmo se fosse, desde quando emitir opinião significa obrigar as pessoas a concordar? Opinião é opinião, pura e simplesmente opinião. Você concorda ou discorda, simplesmente. Se for assim então vamos acabar com todas as publicações que emitem opinião no mundo todo.

  • Achei tendencioso….
    As DSLRs só tem pontos negativos e as mirrorless positivos….
    A ideia do EVF não é nova, já tive uma Fuji S9600, já usava.
    Não fala da ergonomia, do tamanho do LCD, quantidade de botôes de atalho, etc….

        • Bem, é um artigo de opinião e aí não quer dizer que é tendencioso, é opinião e só, não dá pra emitir opinião e ficar em cima do muro, correto? É quase impossível conseguir unanimidade nesse tipo de matéria, o que importa é que há público para os dois tipos de câmeras.

          • Concordo com você esse é um artigo de opinião e opiniões cada um tem à sua mas gosto da sua pois é de uma pessoa de índole que está procurando cada dia mais se aperfeiçoar e compartilhando conhecimentos e não opiniões tendenciosas. Para frente e avante sempre valeu

          • Obrigado, Benedito. Mas pode ter certeza que quem escreveu esse artigo é uma pessoa bem mais gabaritada do que eu, escreve para o Photography Life, não é pouca coisa.

  • EVF é o visor (viewfinder) eletrônico, ou seja, o que você vê nele é uma mostra eletrônica da imagem que você obterá; já o OVF é o visor ótico (optical viewfinder), cuja visão é proporciona por um jogo de espelhos/refrações, ou seja, a transmissão da imagem não é eletrônica.

    ;D

  • Fala Maia, eu concordo com quase tudo, mas a coisa para no EVF… veja, ao ver por um visor optico você vê a razão de contraste da iluminação real, vê os degradês reais, o EVF, nenhum do mercado, chega perto dessa capacidade de ver tons sutis, gradações ligeiras de contraste etc. Fotografando em RAW você capta arquivos com pelo menos 12 stops de alcance dinâmico e não deve ter um EVF no mercado que atinja 8 ou 9… então sem chance, vai demorar muito ainda. Para aplicações menos sérias tudo bem, para fotógrafos amadores e entusiastas tudo bem, mas para um uso profissional sério em estúdio o fotógrafo que optar por uma mirrorless vai ter que trabalhar plugado num monitor decente o tempo todo. Só uma opinião, mas sou mais uma reflex pequena do que uma mirrorless por melhor que seja, um dia talvez mude, mas hoje ainda não dá para comparar. Mas fora isso, concordo. 🙂

    • Vernaglia, mas você fala do visor optico apenas e não dá imagem produzida, né? Uma imagem produzida por uma mirrorless não vêm com os detalhes de uma Dslr? Ou você fala apenas da prévia? Porque a prévia na DSLR tbm não é precisa. Agradeço desde já!

Siga-nos nas Redes Sociais

Carrinho

Click Camera

O nosso Canal no YouTube

 

Subscreva o nosso Canal do YouTube clicando no botão em baixo para não perder nenhuma aula.

Anúncio

Links Úteis

Receba 15 livros de fotografia

Aprenda DE GRAÇA os principais segredos dos experts em fotografia com os nossos livros digitais.
Insira aqui o seu melhor email

Aprenda DE GRAÇA os principais segredos dos experts em fotografia

Insira aqui o seu melhor email