fbpx

Como se manter na profissão de fotógrafo em 2016 mesmo com a crise

Não se fala em outra coisa aqui no Brasil ultimamente, é crise daqui, crise dali, que vai piorar muito ainda, alguns dizem que vai melhorar, que é psicológica, enfim, o meu objetivo aqui é que você entenda como você pode se beneficiar da “crise” e buscar novas oportunidades na sua profissão de fotógrafo durante essa fase.

Inflação

5 reaisCom a inflação em níveis de 2 dígitos é importante também entender e repensar a sua estratégia de preço. Por exemplo, há 1 ano atrás se o orçamento que você passava ao seu cliente era de R$ 1.000,00 por um serviço, devido a desvalorização da moeda se você continuar cobrando os R$1.000,00 estará efetivamente recebendo algo próximo a R$ 900,00. Por isso minha sugestão é que você reveja suas margens de lucro e veja se ainda está valendo a pena manter os preços praticados. Faça uma revisão também nos seus custos, pois alguns como combustível, por exemplo, podem até ter aumentado mais do que a média da inflação em 2015.

Dólar

Dólar

Ah! Mas o dólar não me afeta! Pois eu vendo meus serviços em reais. Será mesmo que o dólar não te afeta, fotógrafo? Mesmo que as suas entradas e despesas sejam em reais, sempre existirá um componente importado, pois as lentes e câmeras que utilizamos são importadas (algumas de entrada são de fabricação nacional, porém com componentes importados) e quando colocamos o fator depreciação no cálculo dos nossos serviços levamos em conta isso. (Alguns calculam os custos pelo número de clicks), não importa qual o método que você utiliza, o fato é que se a sua câmera já está com um número de clicks elevado e apresentando sinais de desgate é hora de pensar em trocá-la e ao trocar por um modelo novo você pode ter uma surpresa desagradável se comprou a sua máquina anterior há uns 2 anos atrás quando o dólar ainda estava na casa dos R$ 2,35 e agora está na casa dos R$ 4,00. Considere este novo valor de um corpo de câmera por exemplo na sua depreciação e esse valor mensal irá aumentar. É uma despesa que também irá influenciar o seu orçamento final.

Tá, mas os clientes não vão querer ou aceitar um repasse, o que fazer?

Neste caso, existem algumas saídas. Uma delas é: reveja novamente a sua margem de lucro. Se você estava operando com 30% de margem, veja se consegue reduzir para 20, ou 15% para acomodar a inflação e aumento de custos fixos e depreciação de equipamentos. Se não tiver uma margem de lucro muito grande, existe uma outra estratégia : Oferecer um diferencial no seu serviço, seja ele qual for e cobrar mais por isso para compensar essa perda. É claro que irá depender também do seu público-alvo. Outra opção é buscar um maior número de trabalhos que compensem a menor margem de lucro. E por último você pode também diversificar os seus serviços. Por exemplo se você é fotógrafo de casamento, porque não explorar outros nichos? Por exemplo Still ou recém-nascidos, ou uma combinação deles.O Segredo é inovar. Muita gente diz que você precisa se especializar em uma área da fotografia. Sim esse é o mundo ideal, mas na crise meu caro e com as contas para pagar, uma das saídas pode ser diversificar, sem perder é claro o foco do seu trabalho.

Seria bom se eu ganhasse em dólar com essa crise, não é verdade?

ImageBriefFoi exatamente este pensamento que me ocorreu e comecei a ir atrás de empresas que me pagassem em dólar. A melhor maneira que encontrei foi em banco de imagens internacionais. No site www.imagebrief.com é possível ficar atento a diversos “briefings” onde os clientes solicitam ao site determinadas imagens e explicam em detalhes como querem a foto. No plano básico (explorer) você consegue ter um portfólio básico sem nenhum custo e também submeter até 10 fotos para cada briefing. Normalmente os valores dos briefings mais simples pagam US$ 250,00 e você fica com US$175,00 líquido. O que nos dias de hoje significa R$ 700,00 para nós brasileiros.

O site é ideal para quem tem muitas fotos de lugares diversos e situações diversas. Para quem já trabalha focado em banco de imagens, eu diria que é o site ideal. As fotos são solicitadas para diversos usos, sendo alguns editoriais e até alguns publicitários. Já vi valores chegarem a US$ 5.000,00 para um briefing. É claro que você também vai estar concorrendo com o mundo todo, mas é uma ótima forma de você entender o que o mercado internacional está querendo, quais as fotos que mais vendem e com isso você acaba melhorando suas próprias fotos e melhorando o nosso mercado como um todo, além é claro de ganhar em dólar pelo paypal. Não é fácil ganhar um briefing. É necessário muita qualidade técnica, criatividade e inovação, principalmente nos briefings que pagam melhor.

Só um lembrete: o site está em inglês, mas isso não deve ser problema para você, certo? O que? Você não fala, nem lê, nem escreve em inglês ainda? Bom nesse caso é hora de procurar urgente um curso, não deixe as oportunidades passarem. Saber inglês hoje em dia já não é mais um diferencial em muitas áreas. E para driblar a crise esse pode ser o diferencial que faltava para você.

Abraços e bons negócios!

Ale Rodrigues

Ale Rodrigues é formado em Engenharia Mecânica. Nasceu em São Paulo, Brasil; começou a fotografar com filme em 2006 numa câmera Yashica, um presente de seu pai. Trabalha com fotografia de paisagens, arquitetura, eventos corporativos e still. Possui material publicado em várias revistas do ramo e se especializou em criar imagens autorais utilizando de técnicas de longa exposição em que tenta passar uma mensagem para que as pessoas estejam conectadas no momento presente.

Dicas Lightroom
Entre no nosso Grupo Whatsapp e receba 100 Dicas de Lightroom
Clique aqui para entrar
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies