Home » Artigos » Dicas » Fotografia de Casamento – Como lidar com a concorrência

Fotografia de Casamento – Como lidar com a concorrência 5/5 (1)

Olá amigos, neste artigo vou dar 10 dicas de como enfrentar o desafio da concorrência na fotografia de casamento!

Este é o meu primeiro artigo aqui no Fotografia DG e gostaria muito de agradecer ao Diogo Guerreiro pela oportunidade de partilhar meu conhecimento neste canal que tem se tornado uma referência em dicas fotografia.

Sou fotógrafo de casamentos desde 2003 e posso dizer que o mercado tem evoluído como nunca nos últimos anos. De patinho feio a fotografia de casamento tornou-se a vedeta do mercado com uma inundação de novos fotógrafos no ramo das fotos sociais. A maioria dos meus amigos fotógrafos tem entre 5 e 8 anos no mercado, e um número enorme de novos profissionais tem entrado no mercado. Muita gente nova!

Com essa avalanche de novos fotógrafos, surge algo que começa a assustar todos aqueles que estão há muitos anos na área: a concorrência.

Uma breve explicação sobre concorrência. Ela existe em todo o mercado evoluído e está em constante transformação. Diariamente novas empresas entram nos mais diversos tipos de segmentos e exige que empresas e profissionais se reinventem para que possam continuar no mercado.

Com o acesso fácil às novas tecnologias e equipamentos de fotografia digital, muitos aspirantes a fotógrafos tem surgido. Já dizia o quadro Super Sincero que para ser fotógrafo basta ter uma câmera digital. Mas nós sabemos que a coisa não é bem assim!

Gostaria de deixar 10 dicas de como lidar com a concorrência na fotografia de casamentos e animar você a olhar com bons olhos para aqueles que partilham dessa profissão tão fascinante.

fotografia de casamento

10 Dicas para lidar com a concorrência na Fotografia de Casamento

1) Tenha sempre uma visão positiva da concorrência

Algo que tenho presenciado, que não acontece somente no mercado de casamentos, é a maneira como se olha para os concorrentes de maneira ruim e crítica. Há fotógrafos que só sabem falar mal dos concorrentes, não tem amizade com outros fotógrafos, nem tão pouco partilha suas informações com quem quer que possa concorrer com ele.

Ter concorrentes é excepcional para você e para o mercado. Ter concorrência ajuda com que profissionais invistam em conhecimento para não oferecer a mesma coisa sempre ao cliente, e com isso todos crescem.

Eu gostaria de agradecer aos amigos fotógrafos de São Paulo, meus concorrentes… Mais que concorrentes, grandes parceiros da área da fotografia. Este mês viajei a trabalho e uma noiva que estava com contrato quase fechado comigo não quis esperar minha volta de viagem e acabou optando por fechar com um outro fotógrafo, que nem conheço pessoalmente, mas sei que tem um bom trabalho. Quando a noiva me disse o nome do fotógrafo, eu disse a ela: “Que bom! Você vai ter uma boa cobertura fotográfica! Sucesso e felicidades no seu grande dia!”. Fiquei feliz que a noiva encontrou outro profissional para atendê-la, com qualidade e que isso fortalece o mercado. O contrário já aconteceu comigo também. Então devemos sempre estar tranquilos com relação aos que trabalham com fotografia de casamento como nós!

2) Invista em valorizar seus pontos fortes

Todos nós temos pontos fortes. O interessante é que quando somos indagados de sopetão sobre as características que nos destacam dos outros profissionais, ficamos inseguros e às vezes até sem resposta. Sabe por quê? Não sabemos valorizar aquilo que temos como pontos fortes. Tenha sempre em mente quais são suas melhores características e saiba valorizá-las quando você é questionado ou precisa defender seus serviços em detrimento do concorrente. O cliente (e você) precisa saber porquê você é melhor que o outro fotógrafo que cobra, inclusive, mais barato que você!

3) Não entre na guerra de preços

A pior coisa da concorrência é quando entramos na guerra de preços para poder ganhar clientes. Cada vez que cobrimos ofertas e baixamos o valor para “ganharmos um contrato”, rifamos nossa arte e rebaixamos o que temos a oferecer. Se um cliente tem 2.000,00 para pagar na fotografia e seu pacote mais básico é 3.000,00, deixe-o ser atendido por outro profissional que vai cobrar tal valor. Se você deprecia seu trabalho em quase 40%, significa que você não sabe quanto ele vale, e o seu cliente também vai saber disso.

Outra dica nesse sentido é com relação aos descontos. Um máximo de desconto (para um pagamento diferenciado, como à vista por exemplo) deve ser de 6 a 10%. Eu ví uma pesquisa que, se você oferece 20% de desconto no seu valor, você tem que vender o dobro daquilo que você iria vender cobrando o valor normal para ter o mesmo lucro. Como não temos como fazer 8 casamentos por mês ao invés de 4 para recuperar isso, eu posso garantir: Não compensa!

Cobre o justo e ensine seu cliente a dar valor pelo que ele está contratando. Muitas vezes, para mim, vale mais eu passar tempo em casa com minha esposa que pegar um contrato de alguém que não sabe dar o devido valor ao meu trabalho

4) Corra riscos

Vejo frequentemente fotógrafos que tem pavor de reajustar seus preços e valorizar seu trabalho. Se você está investindo constantemente em sua fotografia e em conhecimento, não tenha dúvidas que você precisa cobrar mais. Se cada um de nós valorizar seu trabalho, nosso mercado como um todo também vai ser valorizado pelos nossos clientes.

Claro que você precisa oferecer diferenciais para poder cobrar mais. Não aumente seu valor se você não tem nada de novo a oferecer. Cursos, estudos, equipamentos, informações… Tudo isso tem seu preço e você deve cobrar mais cada vez que oferece algo melhor aos seus clientes

5) Encontre novas oportunidades

O mercado se reinventa cada vez que colocamos nossa criatividade para fora e encontramos novas formas de lucrar com nossa paixão.

Antigamente não existiam sessões de noivos, trash the dress, street wedding, fotos na hora… O fotógrafo vendia um álbum com 30 fotos, tamanho 20×25 e a única forma de se lucrar mais era vendendo fotos extras.

Fotógrafos visionários e profissionais com mente aberta criaram inúmeros serviços que abriram um leque de novas oportunidades. Hoje temos álbuns laminados, fotolivros, laminações especiais, impressões em papéis fine art, sessões pós casamento em lugares paradisíacos, e eu posso garantir que ainda existem muitas coisas para serem lançadas. Não continue no mesmo lugar. Crie diferenciais e cobre por isso!

6) Evolua

Quanto mais o mercado cresce e se desenvolve, mais ele exige de você ir para um outro patamar. Nunca, em toda a história da fotografia, foi tão necessário investir em conhecimento. E nunca também houve tantas opções para você sair do lugar onde você está. Este ano investi um valor razoável em conhecimento como cursos, livros, workshops e congressos. Posso dizer também que evoluí como nunca em meu estilo e olhar fotográfico. Se você quer estar a frente da concorrência você precisa ir atrás de coisas novas para tornar sua fotografia ainda melhor. Vale ressaltar que os grandes nomes da fotografia brasileira investem constantemente em conhecimento, inclusive indo buscar conhecimento fora do país, estando um passo a frente e nos inspirando cada vez mais a irmos além!

7) Apaixone-se cada dia pelo que você faz!

Fotografar é maravilhoso. O que eu digo para as noivas: é mágico fazer o que faço. Volto realizado para minha casa toda vez que saio de um casamento. É uma sensação de alegria e de prazer em produzir imagens que vão marcar a vida das pessoas. É interessante como ouço isso de todos os casais que vão ao meu estúdio: “é nítido que você ama o que você faz!”. Eu acredito que esse é um grande diferencial entre você e toda a concorrência. Seja apaixonado! Vá além. Ande uma milha a mais pela beleza das fotos do seu cliente. Mostre-se que você está tão feliz por aquele momento quanto os convidados que estão lá. Brilhe! Isso com certeza faz com quem você seja muito mais admirado por seus clientes e torna sua vida muito mais especial

8 ) Entenda o valor de ser raro

Um conselho de um dos maiores fotógrafos do Brasil: “Seja raro!”. Vinicius Matos disse isso em inúmeras oportunidades que tive de ouví-lo! Torne seu trabalho valioso! Torne-se alguém que as pessoas vão desejar contratar porque você oferece o que ninguém mais oferece. Participe de concursos e ganhe concursos! Torne-se um diamante na área. A concorrência olhará para você com admiração, o mercado também e principalmente os seus clientes!

9) Esteja antenado!

Um fotógrafo dos dias atuais precisa estar antenado e em linha com a cultura das redes sociais. O fotógrafo dos novos tempos precisa ter um bom website, um blog constantemente alimentado, facebook, twitter, Orkut, Flickr e participar de outras comunidades de troca de informação. Com a avalanche de novos profissionais, a única forma de se destacar é tornar-se conhecido. Invista em conhecimento esta área também. Noivas cada vez mais são fãs de internet e de informação. Se você estiver lá, elas vão encontrar você! Abra sua mente e, se ainda não entrou, entre de cabeça na Internet e nas mídias sociais!

10) Contribua para a sociedade

O maior prazer que podemos ter como profissionais é usarmos nosso conhecimento para ajudar outros a evoluírem também. Eu sempre adorei isso. Talvez seja uma pontinha de desejo de viver essa vida docente e transmitir conhecimento, ver outros surgindo e se edificando no mercado profissional. O mercado está em busca de novos profissionais e tem espaço para quem está desejoso de compartilhar conhecimento e informação. Colabore! Ajude! Participe de comunidades! Ofereça conhecimento e você encontrará muita satisfação na gratidão daqueles que você edificar na caminha profissional de fotógrafo de casamentos!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Fernando Paes

Fernando Paes, brasileiro e paulistano, 32 anos é um apaixonado pela arte de registrar emoções em casamentos. Desde 2003 tem dedicado seu tempo e esforço a aprimorar técnica e olhar para fotografar casamentos com emoção e espontaneidade. Produz quinzenalmente o Social Podcast (http://www.socialpodcast.com.br), um programa em áudio para fotógrafos de casamento e social, com um bate papo bem humorado onde fala de tudo aquilo que envolve o dia a dia de um fotógrafo de eventos. Tem também um blog com dicas para fotógrafos de casamento (http://www.fernandopaes.com.br/fotografia).

12 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Parabéns Fernando pela colaboração. Tenho uma pergunta: você falou a respeito de preço, que não devemos dar maiores descontos ou igualar nosso trabalho com outros de preço inferior, somente para conseguir o cliente. Mas quando você trabalho em um local onde se tem vários concorrentes que praticam o preço e a preocupação maior de cada um deles é conseguir o cliente primeiramente, sem pensar nos custos futuros, qual seria sua reação e como sairia desta situação, pois, se não praticar a política econômica implantada, como poderia conquistar contratos com preço maior do que o dos outros?
    Obrigada

  • Parabéns Fernando, seu artigo esta excelente, um bom fotógrafo não tem que temer quanto a concorrência e sim buscar sempre melhorar seus trabalhos.
    Grande Abraço

  • E isso leva a algum lugar? Falar mais muma vez sobre o mesmo assunto.
    32 anos depois descobri que cada um anda é com suas pernas.
    A única coisa que mudou é que hoje tem fotógrafo pior do que se tinha.
    Recebi um e-mail dizendo "fulano melhor do mundo em fotografia de casamento", que ironia, o tal fulano foi votado por uma tuma da amigos em uma associação americana onde na época só tinham 500 membros(melhor do mundo).
    Logo depois recebi uma proposta para participar de um concurso, só que para increver as fotos tinha que associar-me e pagar uma taxa "PICARETAGEM".

  • Acho que cada dia fica mais difícil se ganhar dinheiro com fotografia de casamento.

    Faço isso há 25 anos e percebo que nunca foi tão difícil ganhar dinheiro com foto de casamento.

    Antes vc. fazia um casamento com, no máximo, 150 a 200 fotos. Não precisava tratar nada, nem diagramar nada, bastava cortar os negativos referentes as fotos escolhidas e deixar por conta do laboratório. Depois levava para a encadernação e pronto.

    Não tinha nem 1 centésimo dos "fotógrafos" que tem hj. pq não tinha máquina digital. Vc. tinha que, realmente, saber o que estava fazendo pq só ia ver o resultado uma semana depois qdo fosse pegar as fotos reveladas. Os "fotógrafos" de hj. fazem 20 a 30 fotos para verem se salvam 1 pq acham que não tem nenhum custo. Se esquecem que a máquina digital tem vida útil e que suas colunas cervicais também.

    Hj. dia temos mesmo um leque de opções para oferecer que nos dão é muito trabalho durante e depois, que requerem altos investimentos e que não nos remuneram satisfatoriamente.

    Diferencial??? Hj. é praticamente impossível se ter um diferencial por mais de uma semana. Com a globalização da informação quem consegue se diferenciar de alguém por muito tempo? Vc. queima todos os seus neurônios e cria algo que ninguém tem e mostra pra noiva. Ela sai falando no Orkut, Facebook, etc. acabou seu diferencial. No dia seguinte todos fazem a mesma coisa e mais barato que vc. E qdo. vc. queima todos os seus neurônois e mais alguns de sua esposa ou outro colaborador e consegue um diferencial que ninguém consegue te imitar aí eu digo que vc. é um gênio e tem que cobrar por isso. Aí, meu caro, vem a pior parte que é encontrar uma noiva que dê valor e queira pagar o preço.

    Eu acho tudo isso de workshop, palestra, feira, etc. muito bom para dar dinheiro para quem promove tudo isso, não para nós que vamos lá assistir. De tudo que é dito lá 90% vc. já sabe ou pode facilmente pesquisar na internet.

    Eu mesmo nunca fiz nenhum curso, até pq qdo comecei não tinha, nunca assisti workshop nem palestra nem nada e faço foto, tratamento em Ligthroom, diagramação em Photoshop, Filmagem e edição em Premiere, modestia a parte, muito bem. Totalmente autodidata.

    Por tudo isso que eu citei acima e por outras coisas que nem vale a pena citar posso hj afirmar, sem medo de errar, e desafio quem me prove o contrário: Só é bom e tem clientes quem tem INDICAÇÃO. Vc. pode ser bom como for mas se não tiver ninguém pra dizer que vc. é bom vc. não é NADA. O resto é blá blá blá. Vc. tem que fazer marketing não para os clientes mas sim para quem tem os clientes, esse é o segredo que ninguém te conta. As noivas só entram em facebook, orkut, etc. para ESPECULAR mas acabam fechando mesmo com quem o cerimonial ou a casa de festas ou a amiga indicar. Só vai fechar por anúncio, facebook, feira ou sei lá o que aquelas noivas que não tiverem indicação de ninguém. Que estão com uma csa de festas fraca que não indica fornecedores. Que não têm cerimonial pq não podem pagar. Que vão fazer festa no play do prédio. Essas vão querer fechar pelos anúncios e facebooks e orkuts, porém, fazendo o velho leilão pra baixo. É o quem cobra menos? Uma noiva que faz uma festa cara, em um espaço caro, normalmente, tem um cerimonial orientando ou o próprio espaço e estes já têm seus fornecedores preferidos. E podem acreditar elas preferem fechar com estes fornecedores indicados. E o pior, nem sempre são os melhores. Mas são aqueles que, por motivos e interesses vários, estão lá colados com estes cerimoniais e casas de festas.

    Bem amigos, é isso. Desculpem se desapontei aqueles que concordaram com o colega Fernando Paes, eu também concordo, mas a realidade do mercado é essa. Volto a dizer, se vc. não tiver INDICAÇÃO, tudo que nosso colega Fernando falou é apenas aquilo que todos nós gostaríamos que fosse.

    E eu deixo aqui o desafio de alguém me provar o contrário. Inclusive adoraria que alguém me provasse o contrário de tudo que eu disse.

    Abraços e boas fotos.

    • Concordo plenamente.Não basta ser ótimo fotógrafo, tem de haver bom relacionamento com profissionais que tem o poder de indicar seu trabalho.
      Outro fator muito importante é ter um bom "portfólio" é aí que se vê o nível de profissionalismo.
      Abs.

  • Eu penso que o ANIF não faz nada pelos fotógrafos só querem lá a cota. Pois há fotógrafos a vender fotos a 2,50€ a 3.00€ a 3,50€ e quem faça a 1.50€.

    Não há quem ponha uma tabela para não haver concorrência e assim o cliente sabia que o fotógrafo que escolherem o preço era igual a qualquer um.

    Pensem nisto.

  • Suponhamos que vc vá abrir um novo negócio.

    Uma… farmácia! Uau! Vc vai recuperar rapidinho o seu investimento pois só vai ter a sua farmácia na sua cidade correto?

    Claro que não! Vai ter um monte e depois que vc abrir a sua, vão surgir mais e mais!

    Na fotografia também é assim. Quando comecei a fotografar Casamentos na minha cidade, fui o primeiro a fazer "Street Wedding" (na época eu chamava de foto na rua, sessão externa hehe). Hoje, já tem uma penca de fotógrafo e está se tornando cada vez mais comum aparecer do nada uns carinhas de nikon na mão!

    Mas… como não tomar uma rasteira dos "new faces"?

    Exatamente como neste texto acima!

    Fantástico esse artigo! Parabens cara, arrebentou!

    Abraço a todos!

    Du Arantes | Fotografia

  • Ilustre Fernando adorei seu texto e digo com certeza que o caminho mais

    belo do ser humano é dividir seus momentos,conhecimentos,alegrias e experiências…esta caminhada na fotografia social é maravilhosa o mundo todo pode ser observado e temos a grande oportunidade de mostrar nosso talento com a fotografia..

    VIVA A FOTOGRAFIA EM SUA PLENITUDE.

    Parabéns e continue com seu carater na fotografia que com certeza a jornada será plena..

    Em breve postarei minhas ideias e sentimentos em relação a fotografia

    e agradeço desde já poder partilhar com grandes pessoas esta magia que é a fotografia com emoção e alma…serei o novo colunista do site heheehe

    Aguardem….

    Gabriel Crispim

  • Gostaria de parabenizar pelo artigo mais lúcido sobre o mercado fotográfico que já li.

    Não raro vemos fotógrafos ditos profissionais praguejando publicamente seus pares, quando, na verdade, é a demanda que justifica a existência de assimetrias — de preço, de estilo, e, principalmente, de qualidade; pois, como foi bem assinalado, o cliente deve ter o direito de procurar por serviços que atendam seu orçamento (e não acredito que os mais caros sejam ameaçados pelos mais baratos, em hipótese alguma). Desnecessário dizer que, para tanto, é necessário definir muito bem seu próprio posicionamento — bem como investir em cursos, equipamentos e marketing pessoal, ou seja, evoluir. Estas sempre serão características consideradas na diferenciação de profissionais em todos os ramos de atividade no setor de serviços.

    Complementando seu ponto sobre concorrência, vale a pena dizer que as redes sociais são hoje uma grande ferramenta de negócio: elas permitem conhecer e se inspirar no trabalho de colegas do mundo todo — algo que, antigamente, tinha um custo praticamente proibitivo — e facilitam a construção de parcerias com fornecedores, clientes e, claro, concorrentes. São, enfim, a versão moderna do popular "boca-a-boca". Entretanto, é comum encontrar exemplos de quem as utilize de forma nociva para sua própria imagem, criticando fornecedores, concorrentes e, em alguns casos, os próprios clientes, desconstruindo confiança numa escala sem igual. Discrição é sempre bem-vinda.

    Enfim, como fotógrafo iniciante, agradeço pela nobreza de compartilhar estes ensinamentos com os demais colegas; e, como consumidor de serviços fotográficos, agradeço pela aula de comportamento ético e pela importância dada à razão de ser de todo fotógrafo: o cliente. Bravo.

  • 30 fotos grátis na 1a compra