Joey Lawrence – Livro Fotografando Luz e Sombra 4/5 (1)

Joseph Anthony Lawrence, mais conhecido como Joey L., é um fotógrafo e diretor canadense com base em Brooklyn, Nova York. Ele iniciou com a câmera digital point-and-shoot do seu pai, aos 10 anos de idade, e se dedicou à fotografia como uma maneira para expressar sua criatividade, que se transformou em uma paixão ao longo da vida.

Muito influenciado pelos pintores clássicos dos séculos 17 e 18, sua abordagem de arte para fotografia fornece seu corpo inteiro de trabalho, como comercial, pessoal e editorial, uma característica de qualidade.

Karlie Kloss and Christina Tosi for FEED Projects. Model and Co-Founder, Karlie's Kookies; Chef / Founder, Momofuku Milk Bar
Karlie Kloss and Christina Tosi for FEED Projects. Model and Co-Founder, Karlie’s Kookies; Chef / Founder, Momofuku Milk Bar

Fotografia de Joey Lawrence

Desde os 18 anos de idade, o trabalho de Joey tem sido constantemente procurado por quantidade de clientes de publicidade em destaque, a incluir National Geographic Channel, Exército dos Estados Unidos, Canon, ACLU, Jose Cuervo, Lavazza, FX Networks, History Channel, e muitos outros.

Ele fotografou vários rostos populares, a incluir Robert De Niro, Danny De Vito, Jennifer Lawrence, John Legend, Dylan McDermott, Jessica Chastain, entre outros. Seu trabalho é regularmente visto em revistas, anúncios de metrô, e outdoors.

Alguns podem dizer que seja o comando magistral de Joey, de luz e sombra, ou seu icônico estilo visual que proporciona resultado sem complicações pelo corpo inteiro de trabalho dele, que claramente o separa de outros fotógrafos contemporâneos.

Mas, em última análise é seu compromisso duradouro e ligação com as pessoas que ele fotografa que faz cada uma de suas imagens verdadeiramente memorável. E sua própria curiosidade para diferentes formas de viver o trouxe para territórios novos e não desconhecidos, de áreas tão distantes como as terras sagradas de Varanasi.

Esta uma viagem que ele primeiro fez como um adolescente, que serviu como o catalisador para o auto intitulado filme e fundação para sua série em andamento Holy Men, aos bairros culturalmente distintos escondidos entre as ruas grafitadas do Brooklyn, como ilustrado pela sua peregrinação anual para documentar Halloween in Brooklyn, um projeto favorito pessoal.

Vijay Nund performing morning rituals in the Ganges River, the most sacred river in Hinduism. Varanasi, India ("Holy Men" Personal Series)
Vijay Nund performing morning rituals in the Ganges River, the most sacred river in Hinduism. Varanasi, India (“Holy Men” Personal Series)

 

Um profissional que acredita firmemente na promoção da criatividade e realização através de buscas pessoais, Joey indicou em novembro de 2013 para filmar seu primeiro filme roteirizado, intitulado People of the Delta.

O projeto em curso não destacou somente membros dos grupos Daasanach e Hamar do sul da Etiópia como atores, mas também colaborou com muitos deles para a entrada criativa ao longo do filme inteiro.

Embora ele viaje em missão, não é incomum ver Joey trabalhando de seu estúdio no Brooklyn. As prateleiras de madeira escura têm todo equipamento, engenhocas e apetrechos de fotografia que se esperaria ver em estúdios típicos de alta qualidade, mas o que é particularmente notável é sua coleção de engenhocas fantasiosas DIY que ele muitas vezes constrói e usa no cenário.

Estes variam de refletores de folha de alumínio para um rack de roupas equipado com lâmpadas fluorescentes para imitar um anel de luz. Estas invenções de estilo Dr. Seuss podem parecer extravagantes, porém é parte da filosofia de Joey que a pessoa nem sempre precisa do equipamento mais caro para criar a melhor imagem. Em suma, vale a pena ser desconexo.

Portrait of Rufo (Ongoing series 2008 - 2014)
Portrait of Rufo (Ongoing series 2008 – 2014)

 

No começo de 2015, Joey e sua equipe lançarão uma série web peculiar, apropriadamente chamada Dudes with Cameras, inspirada pelas suas escapadas por trás-da-cena de humor em fotografias, dando aos espectadores uma visão em quanto, a vida imprevisível e divertida em cenário, pode ser.

A visão de olho de pássaros de seus métodos de fotografia quer seja através de seu blog, tutoriais, ou vídeos, demonstra que não é sempre a técnica que faz uma boa fotografia, mas a conexão pessoal para os temas, também como o cliente, que realmente fazem uma ressonância de imagem.

E talvez isso seja, e sempre será algum dos maiores dons de Joey, sua inabalável busca para excelência do seu ofício, sua capacidade excepcional de ligar um a um com seus temas, e seu talento para capturar o familiar no desconhecido.

Livro – Fotografando Luz e Sombra: Técnicas Criativas para Iluminar e Retratar Pessoas

Fotografando Luz e Sombra é o aguardado livro do jovem Joey Lawrence da Editora Photos. Para Joey, todos os fotógrafos devem apresentar um ponto de vista diferente, e o truque fica em apresentar este ponto de vista e possuir a coragem para abraçar o mesmo.

Fotografando Luz e Sombra

De acordo com ele, felizmente, o conteúdo do livro Fotografando Luz e Sombra vai contribuir para a jornada dele na definição de uma visão pessoal. Joey sugere que os leitores processem as dicas e técnicas dele e, portanto, definam como as mesmas se aplicam melhor individualmente.

Este livro se tornará um guia para fotografia de retratos, oferecendo informações acerca de estilo, retratos fine art, técnica, retratos comerciais, composição, pose, fluxo de trabalho de pós-graduação, retratos de músicos, e muito mais para aprendizado de retratos com estilo único.

E juntamente com as imagens, o livro aborda todo o esquema de iluminação combinado, luz artificial e luz natural com cada acessório usado, e apresenta as configurações de câmera utilizadas para alcançar o resultado daquela imagem.

O livro Fotografando Luz e Sombra se destaca com imagens impressionantes e retratos singulares, e se encontra disponível para venda na nossa lojahttps://www.fotografia-dg.com/produto/livro-fotografando-luz-e-sombra-de-joey-l/

Inspiração e Trabalho do Jovem Joey Lawrence

Joey Lawrence começou a entrar em concursos de fotografia em DPChallenge em 2004, usando uma câmera digital point-and-shoot. E não demorou, antes que suas fotografias estivessem vencendo e em pouco tempo depois ele estava produzindo DVDs educativos para aspirantes a fotógrafos.

Ele então começou a tirar fotografias de bandas, pedindo US$ 50 e bilhetes de concertos em troca. A partir daí sua carreira profissional se desenvolveu rapidamente, e Joey foi levado pelos agentes em Londres, e Nova York. Alguns dos seus clientes incluem Warner Bros. Records, Kawasaki, entre outros.

Quando Joey tinha 18 anos de idade, foi contratado para criar o cartaz para adaptação de filme do primeiro livro Twilight. Em 2008, o pôster que Lawrence criou para o primeiro filme Twilight foi lançado.

Twilight, Summit Entertainment
Twilight, Summit Entertainment

 

Em entrevista com MTV, Lawrence confirmou na época que ele estaria fazendo pôsteres para o restante do filme, dizendo que planejava manter o estilo deles, “escuro e recortado”. Mas, ele não fotografou os pôsteres para os filmes seguintes.

Na produção de uma exposição de galeria, Joey viajou para Etiópia por 3 vezes ao longo do curso de 3 anos para fotografar as tribos Karo, Mursi, Hamer, Daasanach e Arbore, do Omo Valley. Em sua segunda viagem, Joey tirou as fotografias de volta para Etiópia e as mostrou para as pessoas das tribos, para ganhar a confiança entre os chefes de clã e continuar a série fotográfica.

The Hamar are a agro-pastoral tribal group living amongst the many diverse ethnic groups that occupy Ethiopia’s Lower Omo Valley. A complex belief system with deep animistic roots intertwines their daily lives with their livestock, a central part of Hamar culture. The women are well known for putting beautiful red river clay in their hair and skin.
 (Left to right): Buli Ure, Kydo Damo, Godi Mana, Kaja Kala, Bazo Damo, Wollyso Muga, Keli Kyma, Godi Kala, Wotu Shada, Kyla Mama and Bulla Ure. (Ongoing series 2008 - 2014)
The Hamar are a agro-pastoral tribal group living amongst the many diverse ethnic groups that occupy Ethiopia’s Lower Omo Valley. A complex belief system with deep animistic roots intertwines their daily lives with their livestock, a central part of Hamar culture. The women are well known for putting beautiful red river clay in their hair and skin.
 (Left to right): Buli Ure, Kydo Damo, Godi Mana, Kaja Kala, Bazo Damo, Wollyso Muga, Keli Kyma, Godi Kala, Wotu Shada, Kyla Mama and Bulla Ure. (Ongoing series 2008 – 2014)

 

Uma de suas viagens de 2009 foi filmada para fazer o documentário Faces of a Vanishing World. Em discussão com The National Post, ele disse que usou iluminação de estúdio e um estilo moderno para tirar as fotos, afirmando, “elas se tornam esquecidas quando são retratadas em preto e branco, como selvagens nobres, como pessoas inalteradas”.

O tratamento estilístico é para torná-las também como parte do mundo moderno. As imagens foram publicadas sob o título The Cradle of Mankind, e foram destacadas no site da Time.

Em fevereiro de 2013, Joey tentava arrecadar US$ 150.000 em Kickstarter para que ele pudesse criar um filme de longa-metragem sobre as pessoas de Omo Valley, estrelando o povo dali. Em 2009, Lawrence atingiu o primeiro lugar na divisão Professional Portrait de International Photography Awards.

Mundo da Fotografia de Joey Através do Blog

Para acompanhar a inspiração e excelente trabalho de Joey Lawrence vale a pena acessar o blog dele, e conferir tudo, como a fotografia para Flowers in the Attic de Lifetime, com a atriz Ellen Burstyn, por exemplo.

Nesta postagem, Joey afirma que vai começar explicando um pouco do pano de fundo sobre como a fotografia veio a se definir, e então ele ilustrará uma técnica de fotografia que ele gosta de usar específica.

Uma técnica que ele tem experimentado bastante ultimamente é usar objetos diferentes na frente da lente para que a estrutura fique “confusa”. Ele se inspirou no amigo, diretor de fotografia Khalid Mohtaseb. Khalid faz isto bastante no próprio trabalho, muitas vezes acrescentando vidro, espelhos, ou adereços para propositadamente não focar o primeiro plano da imagem.

Para a fotografia de Flowers in the Attic, o efeito de Joey seria as próprias videiras. Algumas das imagens seriam mantidas simples e apenas teriam uma videira ou duas na frente da lente, enquanto outras seriam como “um bilhete de ida para Gunktown”, com várias camadas de vinhas circundantes a Ellen, penduradas em C-stands.

A profundidade de campo rasa, como 2.8 em uma lente de 80 mm então usada para não focar o efeito no esquecimento e fazer as texturas suaves, enquanto proporcionando extras camadas de profundidade para a imagem. A chave é ter os mesmos elementos de repetição em ambos primeiro e segundo plano, então até uma simples posição parece mais elaborada e vasta.

Não há regras de ouro a seguir quando fazendo este efeito; experimentar com todos os tipos de objetos, de superfícies, ângulos, entre outros, e ver o que funciona melhor para a imagem.

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar