Home » Artigos » Artigos de opinião » O tripé é o vilão?

O tripé é o vilão?

Essa semana li, em um grupo de fotografia, um fotógrafo contando que foi ao Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, e foi impedido de prosseguir seu passeio levando um tripé fotográfico. Ele estava muito surpreso com a proibição, e vários outros integrantes do grupo também desconheciam tal regra.

Eu já sabia que não era mais permitido. Mas, até bem pouco tempo, não era proibido subir no bondinho do Pão de Açúcar levando máquina profissional e tripé. Eu, inclusive, participei uma vez de uma saída noturna lá, com vários fotógrafos. E fotógrafos, turistas e a administração do local sempre conviveram bem.

A proibição veio em função dos abusos que têm acontecido por parte de algumas pessoas. Como dá para notar, a fotografia, de um modo geral, tem aumentado de forma impressionante, seja como hobby ou como trabalho. Infelizmente nem todos os fotógrafos sabem respeitar os espaços e entender que as outras pessoas têm os mesmos direitos que eles de estarem nos locais. No caso específico do Pão de Açúcar, a administração alegou que algumas vezes havia tantos fotógrafos enfileirados com tripés – fazendo longa exposição da mais linda vista de cartão postal do Rio de Janeiro – que os visitantes ficavam impedidos de chegar perto das grades para apreciar e também fotografar. E vamos lembrar que os visitantes pagaram exatamente o mesmo valor que os fotógrafos para subir no bondinho…

shutterstock_108964328

Fonte da imagem:  www.shutterstock.com

Sou fotógrafa e, claro, lamento demais essa proibição, porque é realmente uma das vistas noturnas mais lindas dessa cidade, mas confesso que entendo a medida. Eu já vi pessoas fotografando na rua e impedindo pedestres de passarem pelas calçadas porque atrapalhariam o ensaio. Alguns até pedem com educação, mas outros não, achando-se mais importantes do que uma pessoa com uma ‘compactazinha’ na mão. Mas, mesmo educadamente, não é direito nosso atrapalhar o ir e vir das pessoas, a não ser que exista uma licença da prefeitura para fazer alguma produção em via ou local público. Está fazendo uma longa exposição e alguém passou na frente e atrapalhou? Paciência. Faz outra.

A minha preocupação maior é que outros lugares acabem também tomando essa medida, cansados da total falta de bom senso de alguns fotógrafos – profissionais ou amadores.

No Jardim Botânico do Rio, por exemplo, onde os fotógrafos têm total liberdade, muitas vezes encontramos mais fotógrafos e modelos do que visitantes. Ensaios de grávidas, de debutantes, de noivos e vários outros acontecem simultaneamente por lá. E alguns fotógrafos, infelizmente, abusam da boa vontade dos visitantes, atrapalhando seus passeios e apropriando-se de alguns espaços, montando um verdadeiro set de produção em local público. Outros, às vezes, descumprem as regras do local, pisando na grama ou armando tripés em cima de flores. Um dia o Jardim Botânico pode cansar disso e também proibir equipamento fotográfico profissional por lá.

Espero que a proibição no Pão de Açúcar sirva de alerta a todos, para que respeitem as regras dos locais e os direitos das outras pessoas, senão daqui a pouco seremos proibidos de fotografar em mais e mais lugares, e acabaremos só podendo clicar em casa ou em estúdios!

Espalhe essa ideia com os seus amigos. Espalhe bom senso, respeito e educação!

Vista noturna Pão de Açúcar

Uma foto feita por mim nessa visita noturna que fiz ao Pão de Açúcar
com tripé.  É isso – e muito mais! – que estamos perdendo

Agora que leu, avalie o artigo e deixe um comentário mais abaixo:

Claudia D'Elia

Claudia D'Elia começou na fotografia por curiosidade e agora dedica-se por amor, fotografando sempre com muito carinho e esmero. Aplica-se incansavelmente à arte de fotografar, aprendendo mais a cada dia, lendo muito e fotografando cada vez mais. Você pode acompanhar seu trabalho em sua página no Facebook https://www.facebook.com/claudiadeliafotografia

9 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Em Hong Kong , em 2013, também fui proibido de usar tripé no hall de um prédio que serve de passagem para milhares de pedestres todos os dias. O local no hall onde tentei clicar estava absolutamente vazio, vieram uns funcionários do prédio me alertar que eu poderia fotografar somente com a câmera, mas que com o tripé não poderia. Já em outros lugares de lá, inclusive locais mais disputados, o The Peak, um local com vista de cartão postal da cidade, pude utilizar o tripé sem o menor problema.

  • Aqui em São Paulo (Capital) já não é mais permitido o uso de tripé/monopé no Jardim Botânico, no Parque Burle Marx (ambos lindíssimos, diga-se de passagem!!), incluindo restrições para fotografar no Parque do Ibirapuera e na Av. Paulista (lá também não pode mais usar tripé…). Fico pensando se isso não está sendo EXAGERADO (e mais uma vez uma nova fonte de lucro dos governantes…) por parte das autoridades. No Parque Burle Marx tem que solicitar por escrito e fazer uma "doação" de mais de 2.500 reais!!!! (pasmem, pois está escrito "DOAR" no site…). Na minha opinião há coisas mais importantes para os governos e prefeituras se importarem do que o uso de um tripé num local público. Quanto aqueles que são "sem noção", deveriam ser advertidos ou convidados a se retirar pelos vigilantes destes locais, quando houver abuso ou dano em algo. Eu, particularmente, estou iniciando na fotografia, não possuo estúdio, e já fiz algumas sessões fotográficas de famílias (pais e filhos) e gestantes em parques públicos. Fico me perguntando onde, nós (iniciantes) poderemos fotografar daqui algum tempo?

  • Ótima matéria e valeu muito a informação, que pode evitar grande frustração em um passeio. Começou a interferir no direito alheio e se isso vier associado a reclamações, podem contar que novas regras vão surgir com alguma restrição.
    Alguém sabe dizer quando começaram essas restrições mundo afora? Este deve ser um bom exemplo da como a era dos "gadgets" estão influenciando as interações humanas.

  • É sempre bom saber desses alertas. E não é somente aqui no Brasil, viajei esse ano para NYC e na biblioteca municipal fui proibido de usar o tripé, aí fui tentar usar o monopé me barraram e pediram para colocar na bolsa porque não podia, aconteceu em outros lugares também. O único lugar que consegui fazer umas fotos com o tripé foi no Central Park. Fica a dica.

  • No Estado de São Paulo já existe uma lei que proíbe fotografar profissionalmente sem o pagamento prévio e autorizado!

    Informamos que os procedimentos para captação de imagens nas Unidades de Conservação, administradas pela Fundação Florestal, estão estabelecidos na Portaria Normativa FF/DE nº 175/2012 e solicitamos atenção especial aos itens abaixo:

    É necessário o preenchimento do formulário em anexo para formalização do pedido de análise da solicitação.

    O art. 4º da portaria estabelece que as solicitações devem ser feitas com antecedência mínima de 5 dias úteis para captação de imagem em uma unidade de conservação, e mínima de 10 dias úteis quando envolve mais de uma unidade de conservação.

    Ressaltamos que todas as solicitações com fins comerciais estão sujeitas a cobrança. Entende-se por comerciais as solicitações que envolvam prestação de serviço de captação de imagens para o solicitante ou por ele próprio, com a publicação das imagens captadas na mídia, incluindo as redes sociais, anúncios publicitários, quadros ou programas de TV e entretenimento, obras de ficção, promoção de cantores e bandas musicais, álbuns de casamento, entre outros.

    Autorizada a captação de imagens e confirmado o pagamento (no caso de caráter comercial), é necessário a assinatura do termo de compromisso pelo solicitante.

    De acordo com o art. 13º “A utilização de imagens das Unidades de Conservação sem a devida autorização ou em desacordo com os termos da autorização concedida, configura além de infração administrativa, crime ambiental com base nos artigos 40 c/c 52 e 68 da Lei nº 9605 de 12 de fevereiro de 1998, e portanto seu infrator fica sujeito às penalidades cabíveis.”

    Caso o caráter do uso original requerido seja alterado deverá ser feita uma nova solicitação, conforme previsto no parágrafo 1º do art. 7º.

  • Pelo menos poderiam definir um dia e horário e a cobrança de uma taxa simbólica (eu disse simbólica e não abusiva) para os fotógrafos.

Abrir Chat
1
Close chat
Olá! Obrigado por nos visitar. Por favor, pressione o botão Iniciar para conversar com o nosso suporte :)

Iniciar