fbpx

Terry Richardson: fotógrafo invejável ou condenável?

Jenna Sauers (ex-Tatiana Anymodel) recebe alegações  que somam-se a outras já feitas ao lendário fotógrafo.

Terry Richardson e Barbara Palvin

Terry Richardson e Barbara Palvin ¹

via Por Trás da Objetiva (link) / Jezebel (texto original)

O site Ateliê Coquille, através de seu facebook divulgou este texto que já tem um bom tempo², mas é de temática ainda atual, e serve ainda para uma boa reflexão sobre ética no trabalho fotográfico, assédio sexual e cadeia de produção saudável (ou as chamadas “panelinhas”). Resolvi traduzi-lo e trazê-lo para mais uma discussão aqui no DG.

“Eu não gosto de explorar ninguém. Isso não é meu estilo. Todo mundo se diverte em minhas sessões”, diz o fotógrafo de moda Terry Richardson. Mas aqueles que trabalham com ele continuam a acusá-lo de assédio sexual, e eles nos contaram suas histórias.

Na semana passada, a top model dinamarquesa Rie Rasmussen confrontou Richardson em Paris , e disse que ele abusa de sua posição de poder dentro da indústria para assediar sexualmente as mulheres jovens, com impunidade. “Elas estão com muito medo de dizer não, porque a sua agência reservou a eles o trabalho e são jovens demais para se defenderem”, disse Rasmussen. “Eu disse a ele: ‘O que você faz é completamente degradante para as mulheres. Espero que você saiba que você só f**e meninas porque você tem uma câmera, muitos contatos de moda e suas fotos na Vogue.”

Ao invés de defender-se, Richardson supostamente fugiu do local e, em vez disso, chamou a agência de Rasmussen para reclamar sobre ela.

Dois dias atrás, uma modelo algum dia chamada Jamie Peck escreveu sobre uma experiência que teve em uma sessão [eng] com Richardson há seis anos. Quando ela disse que queria manter-se de calcinha porque estava menstruada, Peck diz que Richardson pediu-lhe para tirar o seu tampão para que ele pudesse brincar com ele, e fazer “chá de tampão.” Ele insistia em ser chamado de “tio Terry”, e durante o seu ensaio, Richardson inesperadamente despiu-se.

“Antes que eu pudesse dizer ‘ei, ei, ei!’ o cara estava vestindo apenas suas tatuagens e balançando o maior pau que eu já vi perigosamente perto da minha pessoa sem roupa (admito, eu não tinha visto muito ainda).” Nas palavras de Peck, Richardson, eventualmente, “manobrou-a” para um sofá em seu estúdio, onde ele “fortemente sugeriu que eu tocasse seu pênis aterrorizante.” Quando ele ejaculou, um de seus assistentes deu a Peck uma toalha.

Richardson também teria deixado sua então esposa, a ex-modelo Nikki Uberti, por Shalom Harlow quando Uberti foi diagnosticada com câncer de mama aos 29 anos.

Após a publicação de denúncias de Peck, outras histórias de comportamento questionável de Richardson no trabalho vazaram. Eu ouvi de bookers de agências de modelos e ex-bookers, fotógrafos (muitos dos quais me disseram que estão revoltados com Richardson em parte porque propaga a idéia do fotógrafo de moda/predador, e torna seu trabalho mais difícil), redatores, editores de revistas de moda, modelos de todas as descrições, estilistas, e outros na indústria. Por causa da posição extraordinária de Terry Richardson de poder, todas essas pessoas me falaram anonimamente, por medo de perder seus empregos ou ser posto em uma lista negra numa indústria que odeia suportar qualquer desafio evidente à sua estrutura de poder.

Uma fonte da moda diz que as agências “conhecem bem o comportamento completamente predatório de Richardson”, mas que ele “é tolerado porque o povo da indústria é de apenas ovelhas. Há apenas um punhado de fotógrafos que têm o poder, um punhado de editores que têm o poder, e um punhado de clientes que têm o poder. Todo mundo só segue este pequeno grupo de pessoas.” Em uma indústria multibilionária, onde o produto está sujeito a um elevado grau de incerteza — este vai ser o look da temporada ou será isso? Será que essa tendência vai decolar ou será essa? — As pessoas tendem a se agrupar em torno de um punhado de pessoas que são poderosos o suficiente para realmente influenciar os resultados. Porque Richardson traz a selo duplo de aprovação editorial de Anna Wintour e sua homóloga francesa, Carine Roitfeld, e porque ele também clica para monstruosos clientes comerciais como a H & M, seu enraizamento no panteão fashion é praticamente completo. E isso, diz a fonte, faz com que ele seja praticamente intocável. “Aquelas pessoas no poder, as mulheres, precisam assumir a responsabilidade pelo que acontece com as meninas, porque ao ao reservá-lo  estão dando a sua aprovação tácita que tudo o que ele faz é OK”.

Várias pessoas apontaram que enquanto Richardson fotografa, com frequência, para grandes títulos, incluindo a Vogue americana, Harpers Bazaar, Vogue Paris, British Vogue, iD, V, e GQ, ele tem uma curiosa exceção, e de alto perfil,  em seus créditos editoriais: a revista W , onde os serviços de Richardson não estão, aparentemente, em demanda. Dois funcionários da W (um atual e um ex) confirmaram que Richardson não tem trabalhado com a revista nestes tempos; um outro indivíduo pensa que o mais recente exemplo do seu trabalho aparece na revista datada de um ensaio na Cidade do México, com a modelo Esther de Jong,  em meados dos anos 90 na edição de novembro de 1996.

Perguntamos ao diretor de arte da W, Dennis Freedman, porque isto é assim; uma fonte ouviu um rumor no momento em que a proibição do trabalho de Richardson foi instituída porque Freedman se ofendeu com uma foto Richardson de um modelo posou com a cabeça em um forno. Freedman ainda não comentou — há algumas outras coisas acontecendo na W esta semana —, mas vamos atualizar, se e quando ele o fizer.

A história, de 1999, arquivada aqui [eng], sobre uma disputa de pagamento que Richardson teve com a etiqueta francesa Paul & Joe, menciona que, no momento, Kate Betts “parece ter colocado um fim à restrição de curta duração [a Richardson] na Harpers Bazaar”. Betts, que agora escreve para o periódico, foi editora-chefe da Harper Bazaar de junho de 1999, até junho de 2001, e foi só no reinado de seu sucessor, Glenda Bailey, que o trabalho de Richardson voltou à tona (Richardson clicou três capas para a revista, contando com capas de assinantes, em 2009). Betts alegou não lembrar por que ela não usou Richardson durante seu mandato na Harpers Bazaar quando lhe perguntei sobre isso ontem à tarde. Mas é evidente que existem pessoas em forma de quem encantos particulares de Richardson são perdidos, e pessoas que não procuram negar, tolerar ou desculpar o que ele faz.

Enquanto isso, essas histórias do comportamento de Richardson falam por si:

Eu era uma modelo no final dos anos 90, em Londres, e eu estava reservada em um trabalho de Terry Richardson para a Arena Homme Plus. A sessão foi em um parque de diversões, e eu estimaria que havia 30 modelos no total […] e foi-nos dito que a todas nós seria dada a oportunidade de tentar emplacar uma capa. Estando familiarizadas com….. pecadilhos do Sr. Richardson, muitas das modelos estavam ansiosas para agradar. Agradar, neste caso, consistia principalmente em puxar as calças para baixo, levantar as saias, perder blusas, e um pouco de chupar o dedo em boa medida. Parecia dolorosamente claro para mim que a atração fantasma de uma tentativa de capa era razão suficiente para um punhado de mulheres jovens com perspectivas de carreira reduzidas humilharem-se uma em frente à outra, enquanto Terry Richardson dava uma risadinha, ofegante, disse: “Isso é quente”, e empurrou-os ainda mais. Durante o almoço, eu me aproximei dele e perguntei-lhe se ele tinha alguns dilemas morais sobre exploração dos sonhos tristes de modelos que ainda não tinham feito e provavelmente nunca fariam isso. Perguntei-lhe se ele percebeu que eles estavam decretando que elas acreditavam que eram as suas expectativas e fantasias a fim de ganhar seu favor e, consequentemente, obter uma capa ou uma futura reserva. “Eu realmente não penso sobre essas coisas”, ele me disse. “Eu acho que você é mais esperto do que eu.”

De fato.

Também ouvi de uma mulher que é amiga de uma estilista que costumava trabalhar com Richardson. “Ela saiu por ter de vê-lo assediar sexualmente/abusar de duas modelos adolescentes (nuas) do Leste Europeu que não falam inglês — não falava e estava tão envergonhada. Eu não acho que ela tenha tido trabalho por um bom tempo depois.”

Uma mulher na indústria disse: “As pessoas também devem estar se perguntando por que Terry não clica meninas negras.” É verdade que o extenso trabalho de moda de Richardson apresenta modelos quase que exclusivamente brancos. Na verdade, eu me esforcei para encontrar este único exemplo [eng] de Richardson usando um modelo preto para a história da moda.

A história a seguir vem da única fonte que me escreveu a partir de um endereço de e-mail anônimo, e que não respondeu às minhas perguntas para dar seguimento. Será que isso lançou dúvidas sobre suas alegações? É para você decidir. Eu apresento a história dela aqui, porque mesmo que ela não possa ser verificada, ainda, creio eu, vale a pena ouvir. A escritora diz que ela tinha 19 anos no momento de sua sessão de Richardson, que foi dois anos atrás. Ela apresentou-se, entendeu serem “nus artísticos de fotografia” porque ela tinha perdido o emprego no café e precisava de renda:

Ele primeiro me pediu para brincar comigo, e apenas fez exigências realmente assustadoras.

Ele disse que não era pornográfico porque ele estava dando cliques, e quando eu disse que eu me senti como se estivesse vendo se eu era apenas estúpido, ele me entregou a câmera e disse: “Tudo bem, você deve [me clicar] brincando comigo mesmo”.

Quero dizer, seus assistentes estavam como “Você acha que todas essas celebridades que tiram fotos com ele o fariam se fosse pornografia?”

Então ele disse para tirar fotos dele me tocando.

Eventualmente, ele tinha me descer sobre ele e tirou fotos dele chegando na minha cara, que eu nunca tinha feito antes, e quando eu fui para o banheiro para me limpar eu podia ouvir ele e um assistente brincando sobre isso, e foi quando eu decidi não contar a ninguém.

A escritora diz que mais tarde chamou Richardson e pediu que as imagens não fossem  utilizadas. “Ele disse que eu já havia sido pago e que eu havia assinado a liberação. Eu só não queria que ninguém soubesse sobre o que eu tinha feito e que eu era uma idiota de me deixar ser usada assim.”

Sarah Hilker, que agora é uma modelo de fine art freelance baseada em Los Angeles, tinha 17 anos, e tinha acabado de sair do ensino médio, a fim de entrar em modelagem em Nova York, quando ela conheceu Terry Richardson. Armada com uma identidade “falsa perfeita”, Hilker foi a uma festa para o moderno site de pin-ups Suicide Girls, que era na época planejava o lançamento de uma revista. A festa foi no início de 2004, e Richardson foi o fotógrafo do evento — na verdade, era o mesmo evento onde Jamie Peck encontrou Richardson inicialmente. Hilker escreve que ela foi para o bar onde a festa estava sendo realizada com um amigo:

Meu “amigo” olhou para mim e realmente disse: “Não é quem você conhece, é quem você chupa!” Seu amigo me levou até a porta quase invisível para os bastidores, onde a verdadeira festa estava acontecendo. Eu lentamente abri e entrei. O quarto inteiro PAROU e olhou para mim. O que imediatamente me deixou desconfortável. Em um canto havia uma pilha literal de sutiãs e calcinhas SG e do outro era uma pequena mesa com formulários de liberação de modelo. Algum estranho imediatamente me agarrou e me levou até as calcinhas acumuladas, e neste meio tempo uma outra pessoa se aproximou de mim e empurrou um formulário de liberação do modelo na minha cara. Eles não tinham interesse em ver minha carteira de identidade ou até mesmo me fazer nenhuma pergunta. Eu estava sendo empurrada para a frente da fila para ir clicar com suas calcinhas e um formulário de autorização de modelo em branco nas minhas mãos. Eu ainda não tinha tido tempo de despir-me para colocá-las.

Eu o vi clicar uma garota obviamente embriagada se insinuando pra um cara completamente nu e ereto com a calcinha SG puxada para um lado, uma mão na câmera e a outra agarrando o pau dele sobre a calça. Fiquei tipo P*** M****! Eu imediatamente me afastei, corri através de um grupo de mulheres bêbadas, os empresários confusos, e saí pela porta como se tivesse acabado de ter o pior pesadelo imaginável.

[…] Para este dia, eu acho que foi uma das melhores decisões que já fiz.

O ponto desta investigação sobre o comportamento de Richardson — que, espero, esteja apenas no início — não é para levar a algum tipo de cruzada contra o fotógrafo, mas para dar voz às muitas, muitas pessoas que, quaisquer que sejam as suas opiniões sobre seu trabalho ou seu talento, sejam objeto da forma como ele trata muitas das mulheres com quem trabalha — como potenciais recipientes para o pau dele. Em uma caça às bruxas, a bruxa é o inocente, mas Richardson, como qualquer predador, é um indivíduo poderoso que manipula e vitimiza os mais fracos. Quando eles falam contra ele, as pessoas tentam silenciá-los [eng]. A estrutura de poder protege-se a si própria. Mas por que o assédio sexual é tolerado? Como é que é “ousada” ou evidência de sua sensibilidade para a vida “criativa” falar de um endinheirado membro do estabelecimento com uma lista de clientes mais longa do que os cabelos do seu bigodinho ralo? Por que Richardson é o intocável?

E, mais importante: por que publicações como a Vogue americana e empresas como Prada, Gucci e H&M acham que um homem que não vê nada de errado com a interrupção da jornada de trabalho para manipular seus jovens modelos para realizar atos sexuais com ele enquanto seus assistentes olham, é digno de patrocínio continuado? E sobre esse comportamento, é louvável, Anna Wintour?

¹ foto apenas para fins ilustrativos – fonte
² agradeço a Agê Barros, Nayara Goulart Costa e Thyago Rodrigues por lembrarem que o texto não é recente e isso não havia ficado explícito no post.

Irin Carmon contribuiu para a elaboração de relatórios sobre esta história; Noorain Khan ajudou com a pesquisa fotográfica.

[divider]

Você tem uma experiência com Terry Richardson para compartilhar? Jenna Sauers dispoõe-se a receber seu relato.

Sobre “panelinhas” o DG já publicou um artigo, da Juliana Leão: Panelinhas, veteranos e bebês da fotografia

Agradecimentos a Reuel Almeida,
por compartilhar o link para o texto

Ajude-nos! Avalie, compartilhe e deixe um comentário mais abaixo:

Alexandre Maia

Clico, viajo, olho, analiso, converso, e repito — em qualquer ordem!

Chat
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies
Este website utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao clicar em "Aceitar Cookies" ou continuar com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a
Política de Privacidade.
Aceitar Cookies