Home » Artigos » Artigos de opinião » Pensando sobre workshops…

Pensando sobre workshops… 5/5 (1)

Ministrar workshops é um prazer raro que todo fotógrafo deveria experimentar um dia. Compartilhar conhecimento, mesmo que recebendo por isso, é uma das melhores formas de aprender. Parece confuso ler a frase anterior, mas é a pura verdade.

Todo fotógrafo que ministra um workshop aprende muito. Não apenas com os alunos, sempre atentos e prontos para questionar pontos fundamentais do tema, mas consigo mesmo, com sua forma de ver a fotografia, seu trabalho e o contexto no qual ele está inserido.

Mas, até onde um fotógrafo tem capacidade para ministrar um workshop?

Vamos pensar nisso olhando por outro ângulo.

Quando meu filho começou a falar as primeiras palavras, tive a preocupação de pronunciá-las da forma mais clara possível, para que ele ouvisse e repetisse da mesma forma. “papá” posteriormente tornou-se “papai”, e assim é até hoje.

Desta forma praticamente qualquer fotógrafo com conhecimento suficiente pode ministrar um workshop básico.  Certo?!

Não é bem assim.

Além de conhecimento técnico é preciso didática. E esta é a parte difícil da história. Quando ensinei meu filho a pronunciar corretamente “papai” tinha a didática correta para isso.  Levando para a fotografia, é preciso que o professor saiba como transmitir as informações.

Conheço grandes fotógrafos que nunca arriscaram ministrar um workshop pelo simples fato de não terem intimidade com a didática. Assim como conheço fotógrafos que não são nenhuma enciclopédia da fotografia e ministram workshops maravilhosos, pelo simples fato de terem uma comunicação muito clara com seus alunos.

A questão do workshop não está centrada no conhecimento. Depende muito da forma de comunicação e transmissão das informações.

E, afinal, como escolher um workshop?

O primeiro passo é saber se quem ministra conhece o assunto. De nada adianta buscar conhecimento onde ele não está.

Se quiser algo básico, qualquer profissional da área, disposto a ensinar, provavelmente terá o conhecimento necessário. Se não tem, deveria.

Se quiser algo específico, procure um especialista. De nada adianta buscar técnicas de fotojornalismo esportivo com um fotógrafo de culinária…

O segundo, e provavelmente mais importante, é saber de outros alunos se o workshop “funciona”.

Escolas de fotografia normalmente são as mais procuradas porque possuem uma metodologia de ensino muito bem fundamentada. Porém, cresce a cada ano o número de workshops ministrados por fotógrafos autônomos, com excelente bagagem técnica e didática de fácil entendimento.

Quanto maior o conhecimento técnico do ministrante e melhor a didática, maiores são as chances de acerto na escolha do seu próximo workshop.

Parece redundante, mas vejo muitos alunos preocupados com o “nome” do fotógrafo que vai ministrar determinado workshop, sem saber se ele tem ou não uma boa didática.

Cursos rápidos são ruins?

Não necessariamente. Tempo não é sinônimo de qualidade. Se o tema permite uma abordagem rápida, porém eficaz, não vejo problema algum. Não espere, no entanto, sair de um workshop de 4 ou 6 horas expert em alguma coisa. São, normalmente, abordagens superficiais que permitirão ao aluno ter um norte em seus estudos posteriores.

Só para constar: fotógrafo passa a vida estudando e, quando acha que sabe, vê o trabalho de alguém e descobre que ainda falta um bocado de páginas pra estudar e técnicas para esmiuçar!

E se eu quiser ministrar um workshop: devo ou não cobrar?

Se você tem conhecimento e didática para ministrar um workshop, não há mal algum em cobrar por isso. Quando você precisa de um curso, seja qual for a área, você paga para ter o conhecimento. Paga porque lá vai encontrar alguém que tem domínio do tema o qual você está disposto a aprender. Paga porque de graça ninguém vai lhe ensinar sobre o assunto. Paga porque tem interesse em ser ensinado por alguém que domina o tema e pode sanar todas as suas dúvidas.

Mas, estarei criando um concorrente, não?

Tenho um pensamento bem claro sobre isso. Quando ensino alguém a fotografar, esta pessoa busca o que eu sei. Enquanto ela está preocupada em saber o que eu sei, eu aprendo o que não sei. Logo, quando este “concorrente em potencial” souber o que sei, eu já saberei muito mais.

Além do mais, se você tem medo da concorrência, está fazendo o quê no mercado da fotografia, hein?

Mas esse papo de concorrência fica pra outro artigo.

Boas fotos!

Ajude-nos, avalie este artigo:

Thiago Antunes

Thiago Antunes é jornalista e fotógrafo esportivo há mais de 10 anos. Graduado em Comunicação Social - Jornalismo, atua também como freelancer em outros segmentos da fotografia como publicidade e social, e ministra cursos e workshops nos três estados do sul do Brasil.

3 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Me deparei com esse texto cerca de 5 minutos depois de estar discutindo aqui em casa sobre workshops. Sou professor desde os 16 anos, de inglês, fotógrafo amador há alguns, e tentando me profissionalizar há 2. Há um ano, resolvi criar um material didático para ministrar um workshop sobre fotografia com câmeras compactas. Fiz um livreto, mandei pra gráfica, preparei os slides, e consegui formar duas turminhas de quatro alunos cada. Acho que foi um sucesso. Pelo menos foi o feedback de quem assistiu às aulas. Agora acabei de montar um estúdio, e estou quase alugando a sala ao lado para transformar em sala de aula de fotografia. A questão aqui em casa era: mas você vai ensinar a alguém o que você sabe? Minha resposta foi muito parecida com o final do seu texto. E ainda penso duas outras coisas. Ensino há 18 anos, e sei o quanto é difícil encontrar um aluno bom de verdade e que te supere. E outra, por que vou deixar de passar algo, se com esse algo a pessoa pode chegar longe? Isso me dá um prazer incrível.

  • Paulo, obrigado por visitar o Fotografia-DG.
    Não existem receitas prontas para o sucesso. Estudar é um grande primeiro passo. Aliás, estudar é algo que fotógrafo faz a vida toda. Não podemos parar no tempo, nunca.
    Apesar de ser um artigo sobre workshops, não quer dizer que você realmente precise de um. Muitos dos grandes fotógrafos que conheço aprenderam sozinhos. Livros e material de estudo na internet estão disponíveis aos montes. Se quiser algo mais, além dos workshops, existem grandes escolas de fotografia como o Instituto Internacional de Fotografia, Focus, Escola de Imagem…
    Se precisar de indicações de livros e material de estudo, basta me procurar no Facebook ou pelo msn que eu tento lhe ajudar no que puder.
    Um abraço e boas fotos!

  • oi gostei mesmo do seu trabalho eu amo fotografias mais inda ñ tenho curso nem um sei os primeiro passos
    gostaria de umas dicas para ser um fotografo bem sucedido que precisso